A TRILOGIA CELULAR-TORRE-ANTENA COMO UMA EXPRESSÃO DA TERRITORIALIDADE INFORMACIONAL NO BRASIL

  • Marília Steinberger Universidade de Brasília
  • Alexandre Resende Tofeti Universidade de Brasília
Palavras-chave: Celular. Torre. Antena. Territorialidade.

Resumo

A partir dos anos 2000 observa-se na paisagem dos principais centros urbanos mundiais a multiplicação de torres e antenas de telefonia celular. Embora em décadas anteriores já houvesse torres de rádio e de telefone fixo, elas não eram constantes. Tal constância é uma peculiaridade do período técnico-científico-informacional. O sistema de telefonia celular é composto por uma trilogia de objetos geográficos inseparáveis: celular, torre e antena. O propósito do artigo é analisar a territorialidade dos objetos desta trilogia que se expressa por meio da sua distribuição espacial e da ação de agentes sociais envolvidos na localização e regulação no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Steinberger, Universidade de Brasília

Economista, Doutora em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade de São Paulo, professora do Departamento de Geografia da Universidade de Brasília e pesquisadora CNPq/Núcleo de Estudos Urbanos e Regionais - NEUR

Alexandre Resende Tofeti, Universidade de Brasília

Geógrafo, Mestre em Geografia pela UnB, Doutorando pelo Departamento de Geografia da Universidade de Brasília.

Referências

ANATEL, 2012 (a). Disponível em<http://www.anatel.gov.br/Portal/exibirPortalInternet.do>, acesso em julho de 2013.

ANATEL, 2012 (b). Disponível em: < http://sistemas.anatel.gov.br/stel/consultas/ListaEstacoesLocalidade/tela.asp?pNumServico=010>, acesso em julho de 2013.

CAMPOS, N. & KRAHL, M. F. Territorialidade: Elo de ligação entre o espaço rural e o espaço urbano – algumas reflexões teórico-conceituais. In: Marília Steinberger (org.). Território, ambiente e políticas públicas espaciais. Brasília: Paralelo 15 e LGE, 2006, p. 83-100.

DODD, Annabel Z. O guia essencial para telecomunicações. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 2000, p. 344-365.

HAESBAERT, R. Concepções de território para entender a desterritorialização. In: Território, territórios: Ensaios sobre ordenamento territorial. 2ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006, p. 43-70.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

IBGE. Contas Nacionais. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/contasregionais/2011/contasregionais2011.pdf>, acesso em agosto de 2013.

IBGE. Estimativa de população brasileira 2012. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/

estatistica/populacao/Estimativa2012.shtm>, acesso em agosto de 2013.

IBGE. Região de Influência das Cidades (Regic). Rio de Janeiro, 2007. Disponível em:

<http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/regic.shtm?c=6>, acesso em agosto de 2013.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

Revista Carta Capital. Ano XVIII, nº 748, de 15 de maio de 2013. Relatórios Especiais – Telecomunicações, p. 49.

SACK, D. R. Territorialidade Humana: sua teoria e história. Cambridge University Press, 1986.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: Globalização e meio técnico-científico informacional. 2ª edição. São Paulo: Hucitec, 1996.

SANTOS, M. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. 2ª edição. São Paulo: Edusp, 2002.

SANTOS, M. & SILVEIRA, M. L. O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. 6ª Ed. São Paulo: Record, 2001.

SOUZA, M. J. L. O território: Sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: Iná Elias Castro, Paulo Cesar Costa Gomes e Roberto Lobato Corrêa. Geografia: Conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995, p. 77-116.

SOUZA SANTOS, B.. A territorialização/desterritorialização da exclusão/inclusão social no processo de construção de uma cultura emancipatória. São Paulo, Seminário: “Estudos territoriais de desigualdades sociais”, 16 e 17 de maio de 2001, PUC/SP.

STALLING, W. Wireless communication and network. New Jersey: Ed. Prentice Hall PTR, 2002. p. 284-291

VIRILIO, P. A arte do motor. São Paulo: Estação Liberdade, 1993.

Publicado
2018-12-19
Seção
Artigos