AFRICANIZED SPACES IN BRAZIL: SOME REFERENCES OF RESISTANCE, SURVIVAL AND REINVENTIONS

  • Zélia Amador de Deus Departamento de Geografia - Universidade de Brasília

Resumo

This paper deals with the African diaspora in a context where the Africa brought to the Americas, somehow survived and at the same time, worked as an instrument of survival for Africans and their descendants. In particular, the cultures of African nature, over time, were and are used as political strategies that shape processes of negotiations, highlighting the contemporary Brazilian quilombos as African-like spaces present in the narrative of Brazilian nationality.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANJOS, R. S. A. “ A África, a geografia, o tráfico de povos africanos e o Brasil. Revista Palmares em Ação. Brasília: Fundação Cultural Palmares – MINc. Ano 1 No.2 : 56-66, 2002

_____________ .“Coleção África–Brasil: Cartografia para o ensino–aprendizagem”. Brasília: Mapas Editora& Consultoria, 2ª. Edição. 2005 – BsB - DF.

ANJOS, R.S.A & CYPRIANO, A. “Quilombolas – tradições e cultura da resistência”. Aori Comunicações. Petrobras, 2006. São Paulo, 240 p.

ANJOS, R.S.A. Coleção África-Brasil: Cartografia para o ensino-aprendizagem. Volume II Brasília: Mapas Editora& Consultoria, Brasília, 2007.

____________ África-Quilombos-Brasil: Átlas Geográfico. Relatório Final de Pós-Doutorado em Cartografia Étnica. Universidade de Brasília - GEA - CIGA / CNPQ / Museu Real da África Central MRAC - Tervuren. Bruxelas - Bélgica, 2008.

____________ Quilombos: Geografia Africana-Cartografia Étnica-Territórios Tradicionais. Mapas Editora& Consultoria, 190p. Brasília, 2009

____________ Territorialidade Quilombola: Fotos & Mapas / Quilombola Territoriality: Photos & Maps. Mapas Editora & Consultoria., 124 p. Brasília, 2011.

CASTRO, Y. P. “Falares africanos na Bahia – um vocabulário afro-brasileiro”. Academia Brasileira de Letras. Rio de Janeiro: Topbooks, 2001, 366p.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio. Rio de Janeiro: IBGE - PNAD, 1996.

MELO, A. Setenta e cinco por cento dos escravos levados para o Brasil eram Bantu. Jornal de Angola, 10/9/2008. Luanda – Angola.

PMS. OCEPLAN - Projeto MAMNBA – Mapeamento de Sítios e Monumentos Religiosos Negros na Bahia. Relatório Técnico. Salvador, 1981.

Publicado
2016-07-29
Seção
Articles