IMPACTOS DECORRENTES DO SPRAWL URBANO EM LONDRINA - PR

  • Maurício Polidoro
  • José Augusto de Lollo
  • Mirian Vizintim Fernandes Barros

Resumo

As políticas públicas de incentivo a instalação de grandes empreendimentos industriais e comerciais próximo a rodovias, aliado a políticas habitacionais excludentes tem moldado, ao longo das últimas décadas, a um novo fenômeno na forma de urbanização – o sprawl. Caracterizado principalmente pela ocupação descontínua e fragmentada, com densidades demográficas aleatórias, ofenômeno traz impactos ambientais e sociais para a população urbana e rural além de grande ônuspara o Poder Público. A partir disso, e considerando a escassez de discussão sobre o tema, opresente trabalho discute alguns desses impactos observados na cidade de Londrina – PR. Ainfluência do sprawl urbano nesta cidade tem se mostrado impactante no trânsito, nos índices deimpermeabilização e de áreas verdes além de subutilizar a infraestrutura devido os vazios urbanos elotes vagos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AURAND, A. G. Is smarth growth for low-income households: a study of the impact of four smarth growth principles on the supply of affordable housing. Doctoral Thesis. 451p. University Of Pittsburgh. 2007.

BEAUJEU-GARNIER, J. Geografia Urbana. Armand Colin Éditeur. Paris. 1995.

BONDUKI, N. G. Uma cidade aberta e segura. Revista Carta Capital. Edição de 10 de agosto de 2010. Disponível em: <http://www.cartacapital.com.br/sociedade/uma-cidade-aberta-e-segura>. Acesso em: 14 de setembro de 2010.

BURCHELL, R. The costs of Sprawl. Revisited. Transportation Cooperative Research Program Report. 39. Washington, DC: National Academy Press. 1998.

BURCHELL, R. The Costs of Sprawl.Transportation Cooperative Research Program Report. 74. Washington, DC: National Academy Press. 2002.

CASARIL, C. C. . A expansão físico-territorial da cidade de Londrina e seu processo de verticalização: 1950-2000. Revista Geografia (Londrina), v. 18, p. 65-94, 2009.

COSTA, L. C. Aspectos político-administrativos do planejamento urbano. In: Ana Helena Pompeu de Toledo e Marly Cavalcanti (organizadoras) Planejamento Urbano em Debate. Cortez & Moraes. São Paulo. 1978.

DOWNS, A. How America's Cities Are Growing. Brookings Review. 16 (4):8 - 12. 1998.

DUANY, A.; PLATER-ZYBERK, E.; SPECK, J. Suburban Nation: The Rise of Sprawl and the Decline of the American Dream. New York – NY: North Point Press. 2000.

EWING, R. Is Los Angeles-style Sprawl Desirable? Journal of the American Planning Association. Volume 63 (1). p. 107 - 125. 1997.

FRESCA, T. M. Área central de Londrina: uma análise geográfica. Revista Geografia (Londrina). Volume 16, n. 2, jul./dez. 2007.

GONCALVES, M. ; POLIDORO, M. ; SILVA, D. F. . Análise dos índices de impermeabilização do solo utilizando Geoprocessamento: proposta de atualização do decreto nº. 402/1980 para projetos de drenagem no município de Londrina- PR. ANAIS DO 2º SEMINÁRIO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO PARAÍBA DO SUL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, SERVIÇOS AMBIENTAIS E SUSTENTABILIDADE. Taubaté – SP. 2009.

GOTTDIENER, M. A produção social do espaço urbano. Editora da Universidade de São Paulo. 2ª Edição. 1997.

GROSTEIN, M. D. Metrópole e Expansão Urbana: a persistência de processos insustentáveis.. Metrópole Transformações Urbanas Revista Fundação Seade, São Paulo, v. 15, 2001.

HASSE, J. E.; LATHROP, R. G. Land resource impact indicators of urban sprawl. Applied Geography Journal. Volume 23. p. 159 – 175. 2003.

JORNAL DE LONDRINA. Nova proposta do Plano Diretor deixa Londrina mais vertical e comercial. Edição eletrônica de 24/04/2011. Disponível em: <http://www.jornaldelondrina.com.br/m/conteudo.phtml?tl=1&id=1118781&tit=nova-proposta-do-plano-diretor-deixa-londrina-mais-comercial-e-vertical> .Acesso em 26 de abril de 2011.

LIMA, R. S. Expansão urbana e acessibilidade – o caso das cidades médias brasileiras. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Transportes. Escola de Engenharia de São Carlos. Universidade de São Paulo. São Carlos – SP. 91p. 1998.

MORRIS, D. E. It’s a sprawl world after all: the human cost of unplanned growth – and visions of a better future. Gabriola, BC : New Society Publishers. 2005.

OJIMA, R.; HOGAN, D. J. População, urbanização e ambiente no cenário das mudanças ambientais globais: debates e desafios para a demografia brasileira. ANAIS DO XVI ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. 13p. 2008.

OLIVEIRA, F. de. O Estado e o Urbano no Brasil. Espaço e Debates. Ano II. Número 6. 1982.

ORFIELD, M. American Metropolitics: The New Suburban Reality. Washington, DC: Brookings Institution Press. 2002.

PASSOS, V. R. L. A verticalização de Londrina: 1970/2000. Dissertação (Mestrado em Geografia, Meio Ambiente e Desenvolvimento). Universidade Estadual de Londrina. Londrina. 2007.

PENDALL, R.; PUENTES, R. Land-use regulations as territorial governance in U.S. metropolitan areas. Boletín de la A.G.E. Number 46. p. 181 – 206. 2008.

POLIDORO, M. Sprawlingurbano em Londrina: Desafio ao planejamento urbano. Monografia de Pós-Graduação em Análise e Educação Ambiental em Ciências da Terra. Universidade Estadual de Londrina. 76p. Londrina. 2010.

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE LONDRINA. Prefeitura Municipal de Londrina. Disponível on-line em: <http://www.londrina.pr.gov.br/>. Múltiplos acessos.

RAZENTE, N. Ocupação do espaço urbano de Londrina. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco. 393f. 1983.

RITTER, K.; LEFEBRE, F.; ADRIAENSEN, S.; ARNOLD, U.; BECKROEGE, W.; BRONNER, C.; DAMSGAARD, O.; DOSTAL, I.; DUFEK, J.; HIRSCH, J.; INTPANIS, L.; KOTEK, Z.; RAMADIER, T.; THIERRY, A.; VERMOOTE, S.; WANIA, A.; WEBER, C. Simulating the impact of urban sprawl on air quality and population exposure in German Ruhr area. Part II: development and evaluation of an urban growth scenario. Atmospheric Environment Journal.Volume 42. p. 7070 – 7077. 2008.

RIBEIRO, E. L.; SILVEIRA, J. A. R.; VIANA, E. R. V. Controle do Sprawl Urbano, e Inclusão Social: o caso da cidade de João Pessoa – PB. ANAIS DO IV SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS. 12p. 2007.

ROLNIK, R. Exclusão territorial e violência. Revista São Paulo em Perspectiva. 13(4). 1999.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. Editora Hucitec. São Paulo. 1996.

SINGER, P. O uso do solo urbano na economia capitalista. In: A produção capitalista da casa (e da cidade) no Brasil industrial. Erminia Maricato (organizadora). Editora Alfa-Omega. São Paulo. 1979.

SU, W.; GU, C.; YANG, G.; CHEN, S.; ZHEN, F. Measuring the impact of urban sprawl on natural landsacape pattern of the Western Taihu Lake watershed, China. Landscape and Urban Planning Journal. Volume 95. p. 61 – 67. 2010.

TU, J.; XIA, Z-G.; CLARK, K. C. Impact of urban sprawl on water quality in eastern Massachusetts, USA. Environmental Manage Journal. Volume 40. p. 183 – 2000.

WANG, X. Type, quantity and layout of urban peripheral green space. Journal of Forest Research. Volume 12. 67 – 70. 2001.

Publicado
2016-07-04
Seção
Artigos