O cortejo da morte engendra a narrativa:

A literatura menor de Samuel Rawet

Palavras-chave: narrador, literatura menor, devir animal

Resumo

Este artigo analisa o conto de Samuel Rawet intitulado Um homem morto, um cavalo morto, um rato morto que aparece em seu último livro intitulado: Que os mortos enterrem seus mortos de 1981. Ao aproximar o conto dos conceitos de Gilles Deleuze e Félix Guattari estabelece-se um diálogo entre literatura e filosofia que permeia as leitura da obra. Podemos então observar que o personagem se duplica em um devir-animal e em obsessões que caracterizam a obra de Rawet.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Carlos Menezes Reis, Pesquisador independente

Pós-Doutorado em Literatura na UNESP

Referências

DELEUZE, G. & GUATTARI, F. Mil Platôs. Vol. 4. São Paulo: Editora 34, 2002.

_________. Kafka para uma literatura menor. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

RAWET, S. “Que os mortos enterrem seus mortos”. In. Contos e novelas reunidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

_________. “Alienação e Realidade”. In. Ensaios reunidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira , 2008a.

_________. “Angústia e conhecimento”. In. Ensaios reunidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira , 2008b.

Publicado
2019-02-01
Como Citar
ReisL. C. M. (2019). O cortejo da morte engendra a narrativa:. Revista Cerrados, 27(48), 11-21. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/cerrados/article/view/20240