A Formação do Intérprete Educacional de Libras-Português:

reflexões a partir das contribuições da proposta didática do PACTE

  • Keli Simões Xavier Silva UFES
  • Maria Lúcia Barbosa de Vasconcellos Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Intérprete Educacional, Libras, Formação, PACTE

Resumo

Neste artigo, temos como objetivo apresentar uma proposta de Unidade Didática (UD) voltada para a formação do Intérprete Educacional de Libras-Português a partir do arcabouço teórico-metodológico proposto por Hurtado Albir, coordenadora do Grupo PACTE. Sendo assim, este estudo é desenvolvido na interface de dois campos investigativos: a Competência Tradutória  e a formação do Intérprete Educacional de Libras-Português. No que tange à contribuição do Grupo PACTE, este estudo é informado pelo quadro teórico que ele adota, o qual se apoia em três bases, a saber, a conceitual, a pedagógica e a metodológica. A base conceitual salienta os conceitos de tradução, competência tradutória e aquisição de competência tradutória. A pedagógica utiliza uma composição conceitual que envolve Piaget, Vigotsky e Ausubel para assim advogar uma formação por competências. Já a metodológica tem como foco principal dar subsídios para uma organização curricular que sirva de inspiração na gestão de formações de tradutores de qualquer área ou par linguístico. No que tange ao Intérprete Educacional de Libras-Português, este artigo perpassa por um complexo de discussões, dentre os quais destacamos a consolidação da Libras enquanto língua, a profissionalização da atividade de tradutor e intérprete de Libras-Português, o crescimento do ramo de Intérprete Educacional de Libras-Português e a necessidade de propostas formativas que contemplem esse ramo específico. Por fim, como ilustração da proposta, esta publicação mobiliza as contribuições desenvolvidas por Hurtado Albir e pelo Grupo PACTE, e apresenta a elaboração uma UD direcionada para a formação Intérprete Educacional de Libras-Português.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBRES, Neiva de Aquino. Intérprete Educacional: políticas e práticas em sala de aula inclusiva. São Paulo: Harmonia, 2015.

AUSUBEL, David Paul. Learning Theory and Classroom Practice. Ontario: The Ontario Institute for Studies in Education, 1967.

BOFF, Leonardo. A águia e a galinha: uma metáfora da condição humana. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1998.

CHIMENTÃO, Lilian Kemmer. O significado da formação continuada docente. In: PALMA, J.A; PALMA, A. P. T; SALADINI, A.C. (Org.). Anais do IV Congresso Norte Paranaense de Educação Física Escolar – Ensino de Educação Física [CD-ROM]. Londrina: UEL, 2009.

GENTZLER, Edwin. Contemporary Theories of Translation. Londres e New York: Routledge, 1993.

HURTADO ALBIR, Amparo. Enseñar a traducir: Metodología en la formación de traductores e intérpretes. Col. Investigación didáctica. Madrid: Edelsa, 1999.

HURTADO ALBIR, Amparo. Traducción y Traductología: Introducción a la Traductología. Madrid: Cátedra, 2001.

HURTADO ALBIR, Amparo. A aquisição da competência tradutória: Aspectos teóricos e didáticos. In: PAGANO, A.; MAGALHÃES, C.; ALVES, F. (Org.) Competência em tradução: Cognição e discurso. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

HURTADO ALBIR, Amparo. Competence-based Curriculum Design for Training Translators. The Interpreter and Translator Trainer. Vol. 1, N. 2. Manschester: St. Jerome Publishing, 2007.

KELLY, Dorothy. A Handbook for Translators Trainers. Manchester: St. Jerome, 2005.

LACERDA, Cristina. Intérprete de libras: em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. Porto Alegre: Mediação, 2009.

LULKIN, Sérgio Andrés. O silêncio disciplinado: a invenção dos surdos a partir de representações ouvintes. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.

MARTINS, Vanessa Regina de Oliveira. Posição-Mestre: Desdobramentos Foucaultianos sobre a Relação de Ensino do Intérprete de Língua de Sinais Educacional. Tese (doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2013.

MOREIRA, Antônio Marco. Teorias de aprendizagem. São Paulo: EPU, 1999.

PIAGET, Jean. Biologia e Conhecimento. 2ª Ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

QUADROS, Ronice Muller de. O tradutor e intérprete de língua de sinais e língua portuguesa. Secretaria de Educação Especial, Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos. Brasília: MEC; SEESP, 2004a.

QUADROS, Ronice. M. de; KARNOPP, Lodenir. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: ArtMed, 2004b.

RODRIGUES, Carlos Henrique. A interpretação para a língua de sinais brasileira: efeitos de modalidade e processos inferenciais. Tese (doutorado) – Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

RODRIGUES, Carlos Henrique; BEER, Hanna. Os estudos da tradução e da interpretação de línguas de sinais: novo campo disciplinar emergente? Cadernos de Tradução, Florianópolis, V. 35, nº especial 2, 2015.

SANTANA, Jefferson Moreira. Fronteiras Literárias: experiências e performances dos tradutores e intérpretes de Libras. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-graduação em Literatura Comparada, Universidade Federal de Santa Catarina, 2010.

SANTOS, Silvana Aguiar. Intérprete de Língua de Sinais: um estudo sobre as identidades. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, 2006.

SANTOS, Silvana Aguiar. Tradução/Interpretação de língua de sinais no Brasil: Uma análise de teses e dissertações de 1990 a 2010. Tese (doutorado) – Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

SKLIAR, C. B. Os estudos surdos em educação: problematizando a normalidade. In: Carlos Skliar (Org.). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. 1 ed. Porto Alegre: Mediação, 1998.

THOMA, Adriana; LOPES, Maura. A invenção da surdez II: espaços e tempos de aprendizagem na educação de surdos. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006.

VASCONCELLOS, Maria Lúcia; QUADROS, Ronice Muller de; SANTOS, Silvana Aguiar dos; PEREIRA, Maria Cristina. (2012). Mapping libras interpretation research in the context of translation studies. In: QUADROS, Ronice Müller de; FLEETWOOD, Earl; METZGER, Melanie Metzger, (Orgs). Signed Language Interpreting in Brazil. Studies in Interpretation 1, 2012, Chapter 1, 3-20. Washington, D.C.: Gaulladet.

VIEIRA-MACHADO, Lucyenne. M. C. Os surdos, os ouvintes e a escola: narrativas, traduções e histórias capixabas. 1. ed. Vitória: EDUFES, 2010.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

XAVIER, Keli Simões. O lugar do intérprete educacional nos processos de escolarização do aluno surdo. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, 2012.

Publicado
2019-01-31
Como Citar
SilvaK. S. X., & VasconcellosM. L. B. de. (2019). A Formação do Intérprete Educacional de Libras-Português:. Belas Infiéis, 8(1), 119-144. https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v8.n1.2019.12986
Seção
Artigos