TRADUÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE PRODUTOS DIGITAIS: PRÁTICAS, TEORIAS E SALA DE AULA

TRADUÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE PRODUTOS DIGITAIS: PRÁTICAS, TEORIAS E SALA DE AULA

 

Organizadores:

Igor A. Lourenço da Silva (UFU)

Miguel Ángel Bernal-Merino (University of Roehampton, Reino Unido)

Marileide Dias Esqueda (UFU)

 

A localização consiste na adaptação linguística e cultural de um produto ou conteúdo para determinado mercado ou localidade, isto é, um país ou território com cultura e língua(s) próprias (DUNNE, 2015). Ela envolve a tradução como uma de suas principais etapas, mas também inclui outros processos, como: adaptação de desenho, interface gráfica, leiaute, formatos locais, moedas e unidades de medida; “modificação do conteúdo para adequação aos gostos e hábitos de consumo”; e “atendimento a regulações e exigências locais” (GALA, 2018).

Tradutores/localizadores não são meros figurantes na linha de produção da localização de softwares, mas sim profissionais essenciais ao processo de localização como um todo. Eles devem lidar com glossários de termos técnicos, diferentes adaptações culturais e linguísticas, bem como especificidades técnicas que conferem complexidade tanto aos hardwares quanto aos softwares (SANDRINI, 2008; PYM, 2010; JIMÉNEZ-CRESPO, 2013; BERNAL-MERINO, 2015). Além disso, são fundamentais para a indústria da localização cumprir sua promessa de garantir a seus clientes, de todas as localidades, experiências únicas como se os produtos em uma língua tivessem sido originalmente produzidos para eles como usuários finais (e.g., CHANDLER; DEMING, 2012; SOUZA, 2012, 2014).

Apesar da rapidez da transformação da indústria da localização e da abertura de inúmeros cursos de formação em tradução em todo o mundo, a indústria e a academia vêm se desenvolvendo de forma separada, ignorando uma a outra (DA SILVA; ESQUEDA, no prelo). Por exemplo, os cursos de tradução têm trabalhado, quando muito, com materiais não autênticos e com ferramentas para aprendizagem da localização geralmente sob uma perspectiva mais teórica do que prática, ao passo que a indústria parece ignorar aspectos da multimodalidade, sequência narrativa ou intertextualidade/hiperlinks, contratando múltiplos tradutores ou agências de tradução para traduzir planilhas descontextualizadas e desprovidas de imagens e vídeos.

Para além disso, a maior parte da literatura sobre localização, apesar de inserida nos estudos da tradução, também parece ignorar os desenvolvimentos do próprio campo disciplinar. Por exemplo, parece insistir num ideal de se fornecer ao jogador da cultura-alvo a mesma experiência de jogo vivenciada pelo jogador da cultura-fonte e, assim, propaga a invisibilidade do tradutor (VENUTI, 1995) e a noção de tradução como uma prática neutra de “transferência” do conteúdo de uma língua-fonte para uma língua-alvo (CATFORD, 1965). Outrossim, também parece insistir na análise exclusiva de conteúdos linguísticos, a despeito da sua inter-relação com outros aspectos, como a multimodalidade, a narrativa não linear e o manuseio de tecnologia amigável e não amigável para o usuário.

Nesse contexto, este volume especial tem por objetivo publicar estudos que abordem a localização/tradução de produtos digitais (e.g., softwares, games, hardwares, websites) a partir de uma perspectiva teórica, prática e/ou de ensino, ao mesmo tempo que também reflitam sobre potenciais diálogos entre a indústria e a academia.

Áreas de especial interesse incluem, dentre outras:

  • ensino e aprendizagem de localização/tradução de produtos digitais;
  • abordagens teóricas da localização/tradução de produtos digitais;
  • abordagens metodológicas para o estudo da localização/tradução de produtos digitais;
  • (melhores) práticas na localização/tradução de produtos digitais;
  • estudos de caso de localização/tradução de produtos digitais;
  • interfaces dos estudos da tradução com os estudos de jogos, os estudos de usabilidade e/ou a engenharia de software/hardware com vistas a investigar a localização/tradução de produtos.

 

 

 

DATAS IMPORTANTES:


Prazo para submissão dos trabalhos: 6 de agosto 2018

Notificação de aceite: 5 de novembro de 2018

 

DIRETRIZES PARA SUBMISSÃO:

 

Os autores deverão seguir as “Instrução para os Autores” disponíveis no website do periódico:

http://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/about/submissions#authorGuidelines

https://drive.google.com/drive/folders/0B81NDrw3oIk-RGR1c0VQeDY5NlU  

 

Os trabalhos deverão ser submetidos on-line diretamente no website da revista.

 

Dúvidas:

belasinfieis@gmail.com

ials@yahoo.com.br

marileide_esqueda@hotmail.com