O horizonte político da Medeia de Eurípides

  • Maria do Céu Fialho Universidade de Coimbra

Abstract

Medeia representa a mais antiga das peças euripidianas em que o panegírico de Atenas como espaço de harmonia e espelho de valores gregos está presente. Tendo em conta o horizonte histórico da sua representação – o início da Guerra do Peloponeso e uma das suas causas próximas, os confrontos bélicos com Corinto - o contraste Creonte/Egeu confere a esse panegírico uma natureza publicitária. Nesse horizonte sobressai a crítica euripidiana ao comportamento ético grego, na figura de Jasão, que transgride juramentos, pactos de fidelidade, confirmados pelo apertar da mão direita e consubstanciados no leito, espaço de geração dos filhos, bem como transgride a reciprocidade de philia, que é base das relações sociais e no oikos. Por isso Medeia, a bárbara que se esforçou primeiro por se aculturar, radicaliza o seu sentimento de não pertença à Hélade. Eurípides equaciona já aqui a subversão do binómio Grego/Bárbaro.

Downloads

Download data is not yet available.
Published
2015-04-08
How to Cite
FialhoM. do C. (2015). O horizonte político da Medeia de Eurípides. Archai: The Origins of Western Thought, 14(14), 21. https://doi.org/10.14195/1984-249X_14_2