A função das sensações no processo de conhecimento segundo Heráclito. Primeira parte:

o uso direto das sensações.

  • Celso Oliveira Vieira UFMG

Abstract

Dividido em duas partes o artigo tem o objetivo de determinar qual a função das sensações no processo de conhecimento prescrito por Heráclito. Essa primeira parte é dedicada ao uso direto dos sentidos, aquele sem nenhum tipo de mediação entre a coisa percebida e quem a percebe. Após o exame de fragmentos abordando principalmente os sentidos do olfato, paladar e tato são encontrados os requisitos para obtenção de uma sensação direta apropriada. Tudo começa na coisa percebida que para ser reconhecida propriamente dever ser percebida por um órgão apropriado. Esta apropriação é medida pela capacidade do órgão de distinguir a coisa segundo sua própria natureza. A sensação direta seria responsável pela etapa distintiva no processo de conhecimento que permitiria a identificação de opostos necessária à sua posterior união. O animal em que o órgão se encontra também é relevante no processo pois há indicações de que as sensações são geradas de acordo com a necessidade de cada espécie, um certo tipo de teleologia. Neste ponto o caso dos humanos torna-se particular pois a capacidade de alguma teoria da mente lhes permite identificar as diferenças percebidas em diferentes animais. Assim é introduzido um modo de indiretividade na sensação, ver o que os outros estão sentindo. Isto leva à segunda parte do artigo onde as sensações indiretas são examinadas.

Downloads

Download data is not yet available.
Published
2014-01-25
How to Cite
VieiraC. O. (2014). A função das sensações no processo de conhecimento segundo Heráclito. Primeira parte:. Archai: The Origins of Western Thought, (12), 41. Retrieved from http://periodicos.unb.br/index.php/archai/article/view/8403