Theòs Anaítios:

um comentário sobre a teodicéia de Platão à luz do Timeu

  • Jaqueline Bergamini Maretto UFMG

Abstract

Este artigo tem por objetivo abordar a teodiceia platônica, sintetizada pela célebre expressão theòs anaítios, à luz da gênese do mundo sensível descrito por Platão no Timeu. O significado desta expressão em Platão é claro: a responsabilidade pela escolha do gênero de vida e suas consequências é da alma (psyché), e não do deus. Mas o que é a alma? Partiremos da definição clássica da alma em Platão como princípio de movimento e sede de conhecimento, mas não nos deteremos nela. Qual seria a origem da alma? Com base na cosmogênese relatada pelo Timeu, tentaremos evidenciar que a formação e a autonomia da alma humana são afetadas de forma determinante pelas condições demiúrgicas: pela existência de elementos alógicos pré-cósmicos, pela interferência na regularidade dos ciclos cósmicos da Alma do Mundo, pela atividade mimética dos deuses secundários e, principalmente, pela presença de um desígnio inteligente (nous) que atua teleologicamente. A leitura do Timeu, além de justificar cosmologicamente a questão da justiça divina em Platão, apresentará um admirável modelo ético baseado nas noções de ordem e proporção a orientar as escolhas humanas, reforçando o pressuposto platônico da inevitável responsabilidade que os seres humanos têm sobre seu destino.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Jaqueline Bergamini Maretto, UFMG

Doutoranda em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Published
2014-01-25
How to Cite
Maretto, J. (2014). Theòs Anaítios:. Archai: The Origins of Western Thought, (12), 31. Retrieved from http://periodicos.unb.br/index.php/archai/article/view/8402