Antígona contra o sofista

  • Bonazzi Mauro Università degli Studi di Milano

Abstract

O objetivo deste artigo é mostrar que uma interpretação correta da Antígona de Sófocles tem que levar em conta também os seus pontos polêmicos. Mais precisamente, uma comparação com Protágoras pode provar-se útil. Na verdade, o principal motivo de desacordo entre Antígona e Creonte não se refere tanto à oposição entre a família e o Estado como duas abordagens distintas da realidade e do ser humano. Antígona, por um lado, defende um mundo regido por leis divinas, cujo significado pode escapar à compreensão humana, mas que, apesar disso, os homens respeitam. Creonte, por outro lado, enfatiza a capacidade política que permite aos seres humanos criarem um mundo humano para nele virem. Esta visão claramente faz recordar o humanismo e o relativismo de Protágoras, uma filosofia bem conhecida na Atenas do V século a.C. Mas o problema para Sófocles é que um mundo no qual o homem é a única medida corre o risco de se tornar um mundo sem medida ou, pior ainda, um mundo com a força sendo a única medida, assim como o exempo de Creonte se mostrará na segunda parte da tragédia.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Bonazzi Mauro, Università degli Studi di Milano

Professor de História da Filosofia Antiga, do Departamento de Filosofia da UniversitaÌ degli Studi di Milano.

Published
2011-10-26
How to Cite
MauroB. (2011). Antígona contra o sofista. Archai: The Origins of Western Thought, (7), 75. Retrieved from http://periodicos.unb.br/index.php/archai/article/view/8253