Mão na massa e skate no pé

práticas citadinas nas novas centralidades paulistanas

  • Giancarlo Marques Carraro Machado Doutor e mestre em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros (PPGDS/Unimontes-MG). Professor adjunto vinculado ao departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes-MG). É pesquisador do Núcleo de Antropologia Urbana (NAU/USP) e do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa sobre Futebol e Modalidades Lúdicas (LUDENS/USP). É autor do livro De carrinho pela cidade: a prática do skate em São Paulo (Ed. Intermeios/FAPESP) e organizador da coletânea Entre Jogos e Copas: reflexões de uma década esportiva (Ed. Intermeios/FAPESP). É coordenador da coleção Entre Jogos no âmbito da Editora Intermeios. Possui experiência na área da Antropologia, com ênfase em Antropologia Urbana, Antropologia da Juventude e Antropologia dos Esportes. É associado efetivo da Associação Brasileira de Antropologia (ABA).
Palavras-chave: Skate. Citadinidade. Cidade. Espaços urbanos. Antropologia Urbana.

Resumo

O artigo analisa os impactos da prática do skate de rua nos limites das novas centralidades paulistanas. A partir de uma abordagem etnográfica será revelado como jovens citadinos questionam premissas que permeiam lugares próprios marcados por esperadas univocidades e estabilidades por meio de suas artimanhas, percepções, maneiras e experiências e contribuem, assim, para a redefinição do espaço enquanto um lugar praticado com a apregoação de novas leituras e valores simbólicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGIER, M. 2011. Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos. São Paulo: Terceiro Nome.
ARANTES, A. A. 1997. “Patrimônio cultural e nação”. In: ARAÚJO, A. M. C. (Org.). Trabalho, cultura e cidadania. São Paulo: Scritta.
BORDEN, I. 2001. Skateboarding, space and the city: architecture and the body. Oxford: Berg.
CALDEIRA, T. P. R. 2000. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: EDUSP.
CEMPORCENTOSKATE. “Faria Lima”. Portal CemporcentoSkate. Disponível em: . Acesso em 09 ago. 2016.
CERTEAU, M. de. 2009. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Editora Vozes, 16. ed.
CITYZEN. 2013. Direção: Guilherme Guimarães. Roteiro: Esteban Florio e Guilherme Guimarães. Brasil, 26 min.
DAMATTA, R. 1979. Carnavais, Malandros e Heróis. Rio de Janeiro: Zahar.
DELGADO, M. 2008. El animal público. Barcelona: Anagrama, 5. ed.
FIX, M. 2001. Parceiros da exclusão: duas histórias de construção de uma “Nova Cidade” em São Paulo: Faria Lima e Água Espraiada. São Paulo: Boitempo.
FRÚGOLI JR, H. 2000. Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole. São Paulo: Cortez / Edusp.
HOWELL, O. 2001. “The poetics of security: skateboarding, urban design, and the new public space”. Urban Action, pp.64-86.
HUMPHREYS, D. 1997. “Shredheads go mainstream? Snowboarding and alternative youth”. International Review for the Sociology of Sport, v. 32, n. 2, pp. 147-160.
JOSEPH, I. 1999. “Paisagens urbanas, coisas públicas”. Tradução de Regina Martins da Matta. Caderno CRH, n. 30/31, pp. 11-40.
LEITE, R. P. 2007. Contra-usos da cidade: lugares e espaço público na experiência urbana contemporânea. Campinas; Aracaju: Ed. Unicamp/Ed. UFS.
MACHADO, G. M. C. 2014. De “carrinho” pela cidade: a prática do skate em São Paulo. São Paulo: Editora Intermeios/FAPESP.
_____. 2017. A cidade dos picos: a prática do skate e os desafios da citadinidade. Tese (doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, São Paulo.
MAGNANI, J. G. C. 2002. “De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 49, pp. 11-29.
_____. 2012. Da periferia ao centro: trajetórias de pesquisas em Antropologia Urbana. São Paulo: Terceiro Nome.
MASCARENHAS, A. “Um point de skatistas na Faria Lima foi tomado pelos food trucks”. Revista Vice. Disponível em: . Acesso em 30 dez. 2015.
MUG, M. 2009. “Avenida Paulista: o passeio nosso de cada dia”. Revista Tribo Skate, n. 161.
NOLAN, N. 2003. “The ins and outs of Skateboarding and transgression in public space in Newcastle”. Australian Geographers, v. 34, n. 3, pp. 311-327.
OLHO DE PEIXE. “Avenida Faria Lima”. Programa Olho de Peixe, 29/08/2014. Disponível em: . Acesso em 11 ago. 2016.
PREFEITURA DE SÃO PAULO. “Revitalização da Avenida Faria Lima tem acessibilidade e padronização de calçada”. Portal Prefeitura de São Paulo. Disponível em: . Acesso em 09 dez. 2015.
_____. “Prefeito assina decreto que define regras para comida nas ruas da cidade”. Secretaria Executiva de Comunicação da Prefeitura de São Paulo. Disponível em: . Acesso em 09 dez. 2015.
ROLNIK, R; FRÚGOLI JR., H. 2001. “Reestruturação urbana da metrópole paulistana: a Zona Leste como território de rupturas e permanências”. Cadernos Metrópole, São Paulo, n. 6, pp. 55-83.
TELLES, V. S. 2015. “Cidade: produção de espaços, formas de controle e conflitos”. Revista de Ciências Sociais (UFC), v. 46, n. 1, pp. 16-42.
ZUKIN, S. 2000. “Paisagens urbanas pós-modernas: mapeando cultura e poder”. In: ARANTES, Antonio A. (org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, pp. 80-103.
Publicado
2019-06-28
Como Citar
Machado, G. (2019). Mão na massa e skate no pé. Anuário Antropológico, 44(1). https://doi.org/10.4000/aa.3523