Unir para além da fronteira

Um esboço da etnopolítica transnacional ashaninka

  • José Pimenta
Palavras-chave: Ashaninka, fronteira Brasil-Peru, alianças intraétnicas, etnopolítica, Estado

Resumo

Este artigo discute as alianças intraétnicas transfronteiriças entre os Ashaninka do rio Amônia do Alto Juruá brasileiro e os Ashaninka do Peru, principalmente da região do Ucayali. Apresenta o contexto histórico que levou à demarcação dos limites internacionais entre Brasil e Peru na região do Alto Juruá e discute os diversos significados da fronteira para os Ashaninka do rio Amônia. Mostra que as alianças transfronteiriças recentes que procuram reunir esse povo indígena para além da fronteira dos Estados-nações são, sobretudo, uma resposta aos projetos governamentais de desenvolvimento e integração binacional e às atividades ilegais em curso na região. Embora se considerem um povo único, as alianças intraétnicas binacionais ashaninkas não revelam qualquer aspiração à independência como Estados, nem negam as identidades nacionais. Elas devem ser vistas, sobretudo, como uma estratégia política na defesa de seus territórios e de seus direitos diante das ameaças externas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVAREZ, Ricardo, 1981. “Unión panselvatica”. Antisuyo, 5: 5-39.
BARTH, Fredrik (org.). 1969. Ethnic Groups and Boundaries. The Social Organization of Culture Differences. Boston: Little Brown &Co.
BARTOLOMÉ, Miguel. 1998. “Procesos civilizatorios, pluralismo cultural y autonomías étnicas en América Latina. In. Miguel Bartolomé e Alicia Barabas (org.). Automomías étnicas y Estados nacionales. México, DF: Conaculta / Instituto Nacional de Antropología e História, pp. 171-194.
BRYSK, Alison. 2000. From Tribal Village to Global Village. Indian Rights and Internacional Relacions in Latin America. Stanford: Stanford University Press.
CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 2006. “Os (des)caminhos da identidade (etnicidade e multiculturalismo)”. In: Roberto Cardoso de Oliveira (ed.). Caminhos da identidade: ensaios sobre etnicidade e multiculturalismo. São Paulo, Brasília: Editora Unesp, Paralelo 15, pp. 97-115.
CARNEIRO, Eduardo de Araújo. 2014. A invenção do Acre: um estudo sobre comemorações cívicas e “abusos da história”. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.
COSTA, Craveiro. 1998 [1973]. A conquista do deserto ocidental. Subsídios para a história do território do Acre. Rio Branco: Fundação Cultural do Estado do Acre.
DOUROJEANNI, Marc; BARANDIARÁN, Alberto e DOUROJEANNI, Diego. 2009. Amazonía peruana en 2021. Lima: ProNaturaleza - Fundación Peruana para la Conservación de la Naturaleza.
EVANS-PRITCHARD, Edward. 1978. Os Nuers. São Paulo: Perspectiva.
GARLAND, Eduardo Beloya; SILVA-SANTISTEBAN, Alvaro Bedoya. 2005. El trabajo forzoso en la extraccion de la madera en la Amazonia peruana. Genebra: OIT
GAVAZZI, Renato Antonio (org.). 2012. Etnomapeamento da terra indígena Kampa do Rio Amônia: o mundo visto de cima. Rio Branco: G. K. Noronha.
GONÇALVES, Maryline Perreira (org.). 2012. Justice for Forest: improving criminal justice efforts to combat illegal logging. Washington: World Bank Series.
HILL, Jonathan e SANTOS-GRANERO, Fernando. (org.). 2002. Comparative Arawakan histories: rethinking language family and culture area in Amazonia. Urbana-Champaign: University of Illinois.
HVALKOF, Søren e VEBER, Hanne. 2005. “Los Ashéninka del Gran Pajonal”. In: Fernando Santos Granero e Frederica Barclay (org.). Guía Etnográfica de la Alta Amazonía, volume V, Campa Ribereños, Ashéninka. Lima: Instituto Smithsonian de Investigaciones Tropicales / Instituto Francês de Estudios Andinos. pp. 75–279.
LATHRAP, Donald. 1970. The Upper Amazon. London: Tames & Hudson.
MENDONÇA, Belarmino. 1989 [1906]. Reconhecimento do rio Juruá (1905). Belo Horizonte, Rio Branco: Editora Itatiaia, Fundação Cultural do Estado do Acre
PEÑAFIEL, Adriana Paola Paredes e RADOMSKY, Guilherme. 2011. “Dilemas da intercularidade e da biodemocracia: o massacre em Bagua, Amazônia peruana.” Amazônica, 3 (1): 60-87.
PERRISSER, Jean-Baptiste. [1898] 2009. “Seis meses no país da borracha, ou excursão apostólica ao rio Juruá, 1898”. In: Manuela Carneiro da Cunha (org.). Tastevin, Perrissier. Fontes sobre índios e seringueiros no Alto Juruá. Rio de Janeiro: Museu do Índio – FUNAI,pp. 1-60.
PIMENTA, José. 2015. “O amazonismo acriano e os povos indígenas: revisitando a história do Acre”. Amazônica: Revista de Antropologia, 7 (2): 327-353.
____2012a “Parentes diferentes: etnicidade e nacionalidade entre os Ashaninka na fronteira Brasil-Peru. Anuário Antropológico 2011/I: 91-119.
____2012b. “Povos indígenas, desenvolvimento e integração fronteiriça: o caso do Acre e da fronteira Brasil-Peru”. In: José Pimenta e Maria Inês Smiljanic (org.). Etnologia indígena e Indigenismo. Brasília: Positiva: Brasília, pp. 75-99.
____2010. “O caminho da sustentabilidade entre os Ashaninka do rio Amônia”. In: Cássio Noronha Inglêz de Souza, Fábio Vaz Ribeiro de Almeida, Antonio Carlos de Souza Lima, Maria Helena Ortolan Matos (orgs.). Povos indígenas: projetos e desenvolvimento II, Rio de Janeiro: Paralelo 15, pp. 97-111.
RAMOS, Alcida Rita. 1996. “Nações dentro da nação: um desencontro de ideologias”. In: George Zarur (org.). Etnia e Nação na América Latina. Washington: OEA, pp. 79-87.
RENARD-CASEVITZ, France-Marie. 1992. “História Kampa, Memória Ashaninka”. In. Manuela Carneiro da Cunha (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Núcleo de História Indígena e do Indigenismo/Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo/Companhia das Letras, pp. 197-212.
SANTOS, Fernando; BARCLAY, Frederica. 2005. “Introducción”. In: Fernando Santos e Frederica Barclay (orgs.). Guía Etnográfica de la Alta Amazonía – Volume V – Campa Ribereños, Ashéninka. Smithsonian Tropical Research Institute/Instituto Smithsonian de Investigaciones Tropicales, pp. XV-XLI.
SCHÄFER, Manfred. 1982. “Yo no soy Campa, soy Ashaninka!”. Amazónia Indígena, 4: 30-31.
TOCANTINS, Leandro. 1979. Formação Histórica do Acre. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
VARESE, Stefano. 1973. La sal de los cerros. Lima: Retablo de Papel.
Publicado
2018-11-23
Como Citar
Pimenta, J. (2018). Unir para além da fronteira. Anuário Antropológico, 43(2). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/19580