Notas Críticas: Risco e Vulnerabilidade Social no Processo de Envelhecimento e Velhice

  • Joice Sousa Costa Universidade Estadual Paulista (UNESP - CAMPUS Franca)
  • Denise Gisele Silva Costa Universidade Estadual Paulista (UNESP - CAMPUS Franca)
  • Cristiane de Fátima Poltronieri Universidade Estadual Paulista (UNESP - CAMPUS Franca)
  • Nanci Soares Universidade Estadual Paulista (UNESP - CAMPUS Franca)
Palavras-chave: velhice. situação de risco. vulnerabilidade social.

Resumo

O presente ensaio objetiva refletir sobre as vulnerabilidades e os riscos sociais, vivenciados pelos velhos trabalhadores, como uma das expressões da questão social. A priori, na primeira seção, discutem-se alguns conceitos sobre as situações de risco e vulnerabilidade social circunscritas sob as raízes das classes sociais e do mundo do trabalho na sociedade burguesa, ou seja, como fenômeno inerente à sociedade do capital. A seguir, apresentam-se algumas considerações sobre a velhice e o processo de envelhecimento humano, adjuntos às contradições e desigualdades sociais, compreendidos como mecanismos de violência social. Destaca-se que este ensaio teórico, de caráter bibliográfico, segue a concepção teórico-metodológica do materialismo histórico-dialético. Portanto, conclui-se que tanto o processo de envelhecimento das frações da classe trabalhadora quanto as situações de risco e de vulnerabilidade social devem ser compreendidos sob o tecido da sociabilidade capitalista, uma vez que estão envoltos a fatores multidimensionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, E. (Org.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaios sobre a metamorfose e a centralidade do mundo do trabalho. 2.ed. São Paulo: Cortez,1995.

ANTUNES, R.; ALVES, G. As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital. Educação e Sociedade, v. 25, n. 87, p. 335-351, maio-ago./2004. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 27/05/2015.

BANCO MUNDIAL. Envelhecendo em um país mais velho: implicações do envelhecimento populacional sobre o crescimento econômico, redução da pobreza, finanças públicas e prestação de serviços. Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento /Banco Mundial, Washington, D.C., 2011. Disponível em: <http://siteresources.worldbank.org/BRAZILINPOREXTN/Resources/38171661302102548192/Envelhecendo_Brasil_Sumario_Executivo.pdf>. Acesso em: 29/10/2018.

BEAUVOIR, S. A velhice. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1990.

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: T.A. Queiroz, 1994.

BRASIL. Lei nº 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Brasília: DF, 1994.

BRASIL. Lei no 10.741 de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Brasília: DF, 2003.

BRASIL. Lei n. 8.742, de 07 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a Assistência Social e dá outras providências. Brasília, 1993. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8742.htm>. Acesso em: 17/11/2015.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Assistência Social (PNAS). Brasília: Secretaria Nacional de Assistência Social, 2004.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. 2009. Brasília, 2009. Disponível em <http://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr2014_pt_web.pdf>. Acesso em: 20/08/2015.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria de Previdência Social. Pessoa idosa e previdência social: demografia, mercado de trabalho e proteção social. Brasília-DF, 2017. Disponível em: <http://sa.previdencia.gov.br/site/2017/10/Previd%C3%AAncia-Social-e-pessoas-idosas.pdf>. Acesso em: 26/10/2017.

BRASIL. Subsecretaria de Regime Geral de Previdência Social. Pessoa idosa e Previdência Social: demografia, mercado de trabalho e proteção social. Brasília, 2017.

CARNEIRO, C. B. L. Concepção sobre pobreza e alguns desafios para a intervenção social. Serviço Social & Sociedade, ano XXVI, nov./2005.

CHAUÍ, M. O que é ideologia. São Paulo: Brasiliense, 2012. (Primeiros passos;13).

COSTA, J. S. Velhice, ideologia e crítica: uma análise sobre a participação, protagonismo e empoderamento dos (as) velhos (as) nos espaços das conferências. 2015. 151p. Dissertação (Mestrado em Serviço Social). Franca-SP: Unesp, 2015.

COUTRIM, R. M. E. Idosos trabalhadores: perdas e ganhos nas relações intergeracionais. Sociedade e Estado. Brasília, v. 21, n. 2, p. 367-390, maio-ago./2006.

DEBERT, G. G. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: Fapesp, 1999.

DIEESE. Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos. Aspectos conceituais da vulnerabilidade social. Ministério do Trabalho e Emprego. Secretaria de Políticas Públicas de Emprego. Brasília, 2007. Disponível em: <http://www3.mte.gov.br/observatorio/sumario_2009_TEXTOV1.pdf>. Acesso em: 13/04/2016.

HADDAD, E. G. de M. A ideologia da velhice. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2016.

IAMAMOTO, M. V. Serviço social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2015

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. Disponível em <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017>. Acesso em: 27/10/2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf >. Acesso em: 22/11/2018.

JANCZURA, R. Risco ou vulnerabilidade social? Textos & Contextos, v. 11, n. 2, p. 301-308, ago.-dez./2012.

KOGA, D.; NARANO, K. Perspectivas territoriais e regionais para políticas públicas brasileiras. Serviço Social & Sociedade. São Paulo: Cortez, v. 27, n. 85, p. 98-108, mar./2006.

MARANDOLA JR, E.; HOGAN, D. As dimensões da vulnerabilidade. São Paulo em Perspectiva, v. 20, n. 1, p. 33-43, jan.-mar./2006.

MÉSZÁROS, I. O desafio e fardo do tempo histórico: o socialismo no século XXI. Trad. Ana Coutrim e Vera Coutrim. São Paulo: Boitempo, 2007.

NETTO, J. P.; BRAZ, M. Economia política: uma introdução crítica. 8. ed. São Paulo: Cortez. 2012. (Biblioteca básica de serviço social; v. 1).

PAIVA, S. O. C. Envelhecimento saúde e trabalho no tempo do capital. São Paulo: Cortez, 2014.

SILVA, A. C. A. P. Vulnerabilidade humana e envelhecimento: o que temos a ver com isso. São Paulo: Portal Edições, 2015.

TEIXEIRA, S. M. A delimitação de classe no processo de envelhecimento. In: ARAÚJO, L. CARVALHO, C. M. R. G.; CARVALHO, V. A. M. L. (Org.). As diversidades do envelhecer: uma abordagem multidisciplinar. Curitiba: CRV,

TEIXEIRA, S. M. Envelhecimento do trabalhador na sociedade capitalista. In: TEIXEIRA, S. M. (Org.) Envelhecimento na sociabilidade do capital. Campinas: Papel Social, 2017.

VIGNOLI, J. R. Vulnerabilidade sociodemográfica: antigos e novos riscos para a América Latina e o Caribe, 2002.

Publicado
2019-07-31
Como Citar
COSTA, J.; COSTA, D. G.; POLTRONIERI, C.; SOARES, N. Notas Críticas: Risco e Vulnerabilidade Social no Processo de Envelhecimento e Velhice. SER Social, v. 21, n. 45, p. 390-412, 31 jul. 2019.
Seção
Artigos de Temas Livres