A Reforma do Ensino Médio à luz da Teoria Crítica marcuseana

  • Paulo Sérgio Gomes Soares Universidade Federal do Tocantins
Palavras-chave: Ensino Médio. educação para o trabalho. Teoria Crítica. racionalidade humana. racionalidade tecnológica.

Resumo

Em tempos de reforma do Ensino Médio, o objetivo deste artigo
é abordar os problemas decorrentes da supervalorização da educação
para o trabalho, considerando a transformação da racionalidade humana
em racionalidade tecnológica. A educação para o trabalho abre caminho
para um novo tecnicismo em detrimento de uma proposta emancipatória
de formação dos estudantes. A Teoria Crítica do filósofo frankfurtiano
Herbert Marcuse expõe preocupações em relação ao desenvolvimento
da técnica e da tecnologia que servem para evidenciar as contradições
experimentadas pela educação brasileira. O materialismo histórico e dialético se constituiu em método para análise dessas contradições produzidas pela dinâmica social e suas influências na educação, notadamente nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) e na proposta de reforma do Ensino Médio exposta no portal do Ministério da Educação. O debate envolve a ideia de emancipação no contexto educacional e a possível restituição da razão crítica em prol do livre desenvolvimento das faculdades humanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARROYO, M. G. Currículo: território em disputa. Petrópolis/RJ: Vozes, 2011.

BRASIL. MEC/SEMT. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Brasília: Ministério da Educação, 1999.

BRASIL. Portal do MEC. Novo Ensino Médio: dúvidas. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=40361#nem_01>. Acesso em: 19/03/2018

CHAUI, M. Manifestações ideológicas do autoritarismo brasileiro: escritos de Marilena Chaui. V. 2. André Rocha (Org.). Belo Horizonte/MG: Autêntica; Fundação Perseu Abramo, 2013.

CONNEL, R. W. Pobreza e educação. In: GENTILI, Pablo (Org.). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. Trad. Vânia P. Thurler e Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis/RJ: Vozes, 1995, p. 11-42.

PÉREZ GOMÉZ, A. I. As funções sociais da escola: da reprodução à reconstrução crítica do conhecimento e da experiência. Capítulo 1. In: GIMENO SACRISTÁN, J.; PÉREZ GOMES, A. I. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Trad. Hernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre/RS: 1998, p. 27-51.

KONDER, L. O que é dialética. São Paulo: Brasiliense, 2006.

MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial. Tradução de Giasone Rebuá. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MARCUSE, Herbert. One-Dimensional Man: studies in the ideology of advanced industrial society. Boston: Beacon Press, 1969.

MARCUSE, Herbert. Um ensaio para a libertação. Trad. Maria Ondina Braga. Lisboa: Bertrand, 1977.

MARCUSE, Herbert. Algumas implicações sociais da tecnologia moderna. In: KELLNER, D. (Editor). Tecnologia, guerra e fascismo: coletânea de artigos de Herbert Marcuse. São Paulo: Unesp, 1999.

MARX, K. In: IANNI, O. (Org.); FERNANDES, F. (Coord.). Sociologia. 5. ed. São Paulo: Ática, 1987.

OIT/PREJAL. In: CONSTANZI, R. N. Relatório: trabalho decente e juventude no Brasil. Organização Internacional do Trabalho (OIT/Prejal). Brasília; Lima: Impresso no Perú, 2009.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Trad. Ernani F. Fonseca Rosa. Porto Alegre/RS: Artmed, 1998.

Publicado
2019-07-31
Como Citar
SOARES, P. S. A Reforma do Ensino Médio à luz da Teoria Crítica marcuseana. SER Social, v. 21, n. 45, p. 338-360, 31 jul. 2019.
Seção
Artigos Científicos - Temáticos