Brinquedos Têm Sexo? O Que Pensam as Educadoras sobre a Divisão Sexual dos Brinquedos Infantis?

  • Antonia Camila de Oliveira Nascimento Assistente Social da Prefeitura de Mossoró (PMM)
Palavras-chave: patriarca. capitalismo. educação. divisão sexual dos brinquedos infantis.

Resumo

O presente trabalho versa sobre a análise da ideologia
patriarcal/capitalista na definição dos brinquedos e brincadeiras infantis.
Nesta perspectiva, propusemos identificar como a educação pública, em
Mossoró/RN, estabelece os brinquedos e brincadeiras para as crianças,
segundo o sexo. A análise presente se utilizou dos fundamentos do
materialismo histórico-dialético e do feminismo. Como uma investigação
de natureza qualitativa, utilizamos a pesquisa bibliográfica e de campo.
Para a coleta dos dados utilizamos como instrumento a entrevista contendo
um roteiro de perguntas semiestruturadas. Para tanto, realizamos a pesquisa de campo em unidades de educação infantil em Mossoró/RN.
Assim, compreendemos que o brinquedo é funcional ao capital, à medida
que contribui na naturalização da divisão sexual do trabalho, a qual é
imprescindível para a produção e reprodução do capital, ao reduzir custos
e superexplorar a força de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BELOTTI, Elena Gianini. Educar para a submissão: o desenvolvimento da mulher. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis-RJ: Vozes, 1983.

CFESS. Conselho Federal do Serviço Socail. Em defesa do Estado laico. CFESS Manifesta (edição e special). Brasília, 2016. Disponível em: < http://www.cfess.org.br/arquivos/2015-CfessManifesta-EstadoLaico-Site.pdf>. Acesso em:10/02/2017.

CISNE, Mirla. Educação ou modelação alienante? Uma reflexão crítica à ideologia sexista e homofóbica. Festim, n. 2, v. 1, mar./2015.

CISNE, Mirla; BRETTAS, Tatiana. Que homens e mulheres educamos? In: TAVARES, Jean Mac Cole; MARINHO, Zacarias (Orgs). Educação, saberes e práticas no oeste potiguar. Fortaleza: UFC, 2009.

GUILLAUMIN, Colette. Prática do poder e ideia de natureza. In: ABREU, Maira et al. (Orgs.). O patriarcado desvendado: teorias de três feministas materialistas. Colette Guillaumin, Paola Tabet, Nicole-Claude Mathieu. Recife- PE: SOS Corpo, 2014.

KERGOAT, Danièle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: Dicionário crítico do feminismo. HIRATA, Helena [et al.] (Orgs.). São Paulo: Unesp, 2009.

KERGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos Estudos, Cebrap, n. 86, mar./2010.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pósestruturalista. Petropólis-RJ: Vozes, 1997.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade. 1. ed. Porto-PT: Porto, 2000. 111p.

OLIVEIRA, Paulo de Salles. O que é brinquedo. São Paulo: Brasiliense, 1984.

OLIVEIRA, Paulo de Salles. Brinquedos e indústria cultural. Petrópolis-RJ: Vozes, 1986.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

VIANNA, Claudia; FINCO, Daniela. Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu, n. 33, p. 265-283, jul.-dez./2009.

Publicado
2019-07-31
Como Citar
NASCIMENTO, A. C. Brinquedos Têm Sexo? O Que Pensam as Educadoras sobre a Divisão Sexual dos Brinquedos Infantis?. SER Social, v. 21, n. 45, p. 413-434, 31 jul. 2019.
Seção
Artigos de Temas Livres