Os Extremos Da Mercantilização Da Vida Social Na Contemporaneidade Do Capitalismo:

Uma Análise A Luz Do Fetichismo Da Mercadoria

  • Victor César Fernandes Rodrigues Universidade Estadual Paulista (UNESP - CAMPUS Franca)
Palavras-chave: fetichismo. mundo do trabalho. mercantilização da vida social.

Resumo

No presente trabalho, busca-se situar a problemática marxiana do fetichismo da forma-mercadoria no contexto contemporâneo do capitalismo. Nossa proposta é a de reivindicar, por um lado, a tese segundo
a qual é da natureza mesma da forma-mercadoria manifestar na superfície das relações cotidianas a personificação das coisas e a reificação das pessoas. Por outro lado, pretendemos situar que atualmente a expansão das relações de troca mercantis reproduzem o recrudescimento do fetichismo inscrito nessa inversão, tornando cada vez maior a submissão das pessoas aos imperativos da forma-mercadoria do produto do trabalho humano. Na conclusão, pretendemos abordar as possíveis tendências econômicas e políticas abertas ao Brasil, no que tange ao rebatimento das inovações tecnológicas estruturadas em nome da chamada quarta revolução industrial ou indústria 4.0.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, T.; HORKHEIMER. M. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985

IAMMAMOTO, M. Serviço Social em tempo de Capital Fetiche. São Paulo: Cortez, 2014.

KOSIK, K. A dialética do concreto. São Paulo: Paz e Terra, 1976.

LEFÈBVRE, H, O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991.

LUKÁCS. G. História e consciência de classe. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MANDEL. E. O capitalismo Tardio. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro I. Rio de Janeiro: Boitempo, 2013.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro II. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro III. São Paulo: Nova Cultural, 1985-86.

MARX, Karl. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, Karl. Capítulo VI (inédito). São Paulo: Ciências Humanas, 1978.

MARX, Karl. O rendimento e suas fontes. A economia vulgar in: Manuscritos econômicos filosóficos e outros textos escolhidos. Seleção de textos de GIANOTTI. A. J. Trad. BRUNI. C. J. São Paulo: Nova Cultural, 1991.

MARX, Karl. A sagrada família ou a crítica da Crítica crítica: contra Bruno Bauer e consortes.,Rio de Janeiro: Boitempo, 2003.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011.

NETTO, J. Capitalismo e reificação. São Paulo: Ciências Humanas, 1981.

OLIVEIRA, P. R. A transformação da educação em mercadoria no Brasil. Educação e Sociedade, v. 30, n. 108, p. 739-760, out./2009.

PACHUKANIS, E. B. Teoria geral do direito e marxismo. São Paulo: Acadêmica, 1988.

RUBIN, I. Teoria marxista do valor”. Coleção Teoria e História. Belo Horizonte: Polis, 1987.

SCHWAB, Klaus. A Quarta Revolução Industrial, Loja Virtual: Edipro, 2016,

Publicado
2019-07-31
Como Citar
RODRIGUES, V. C. Os Extremos Da Mercantilização Da Vida Social Na Contemporaneidade Do Capitalismo:. SER Social, v. 21, n. 45, p. 366-389, 31 jul. 2019.
Seção
Artigos de Temas Livres