Família na política brasileira de saúde mental, álcool e outras drogas

  • Lucia Cristina dos Santos Rosa Universidade Federal do Piauí (UFPI)
  • Ellayne Karoline Bezerra da Silva Universidade Federal do Piauí (UFPI)
Palavras-chave: família

Resumo

Com o objetivo de repensar a família na política de saúde mental, álcool e outras drogas no Brasil, investe-se na reconfiguração dos lugares destinados aos familiares na perspectiva proibicionista, que é pautada na demonização da substância e pela criminalização dos usuários de substâncias psicoativas (SPAs); em confronto com a construção de outras possibilidades contornadas pelo paradigma da redução de danos/
atenção psicossocial, que é firmada no cuidado humanizado e cidadão dos usuários de álcool e outras drogas. Trata-se de uma pesquisa teórica e descritiva, baseada em revisão bibliográfica, enfatizando as principais tendências dos estudos frente às posições ocupadas pela família no cuidado do consumidor de substâncias psicoativas. Os resultados da presente pesquisa sinalizam para os tensionamentos acerca dos deslocamentos nos lugares da família no contexto de avanço do ideário neoliberal, que reforça a tendência familista, em que estas assumem a principal responsabilidade pelo bem-estar de seus membros, sobrecarregando-a.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Conferência Nacional de Saúde Mental , 3. Relatório final. Brasília, 11 a 15 de dez./2001. Brasília: Conselho Nacional de Saúde/Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Estratégicas. Saúde Mental no SUS: os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde mental no SUS: os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Confer ência Nacional de Saúde Mental , 4. Relatório final. Intersetorial. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

CAMPOS, R. et al. Pesquisa avaliativa em saúde mental: desenho participativo e efeitos da narratividade. São Paulo: Hucitec, 2008.

DAGNINO, E. Construção democrática, neoliberalismo e participação: os dilemas da confluência perversa. Política e Sociedade, n. 5, out./2004, p. 139-164.

GIOVANELLA, L. et al. (Org.). Políticas e sistemas de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2012.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

HART, C. Um preço muito alto: a jornada de um neurocientista que desafia nossa visão sobre as drogas. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

LIMA, Rita de Cássia Cavalcante. Políticas sociais públicas e a centralidade da família: implicações para a assistência na área de álcool e outras drogas. In: ALARCON, S; JORGE, M.A.S. (Org.). Álcool e outras drogas: diálogos sobre um mal-estar contemporâneo. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012, p. 171-190.

MARLATT, G. A. Redução de danos: estratégias práticas para lidar com comportamentos de alto risco. Porto Alegre: Artmed; 1999.

MEDINA. M. G; NERY FILHO, A.; VON FLACH, P. M. Políticas de prevenção e cuidado ao usuário de substâncias psicoativas (SPAs). In: PAIM, J. S.; ALMEIDA FILHO, N. (Orgs.). Saúde Coletiva: teoria e prática. Rio de Janeiro: MedBook; 2014, p. 479-500.

MIOTO, Regina Célia Tomaso. A família como referência nas políticas públicas: dilemas e tendências. In: TRAD, L. Família contemporânea e saúde: significados, práticas e políticas públicas. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2010, p. 51-66.

MOTA, D. B. et al. Construindo a continuidade do cuidado ao usuário de álcool e outras drogas: alguns conceitos e questões para o trabalho em rede no Brasil. In: NERY FILHO, A.; MACRAE, E.; TAVARES, L. A.; RÊGO, M.; NUÑEZ, M.E. (Org.). As drogas na contemporaneidade: perspectivas clínicas e culturais. Salvador: EDUFBA, 2012, p. 85-105.

OLIEVENSTEIN, C. A clínica do toxicômano: a falta da falta. Porto Alegre-RS: Artes Médicas, 1990.

ROSA, L. C. S. Transtorno mental e o cuidado na família. São Paulo: Cortez, 2003.

ROSA, L. C. S.; LIMA, R. C. C. Relação família e usuário de álcool e outras drogas na Rede de Atenção Psicossocial. In: UFSC/Universidade Aberta do SUS (UNASUS). Álcool e outras drogas – da coerção à coesão. Módulo: recursos e estratégias do cuidado. Florianópolis: UFSC, 2014.

SANTOS, W. G. Cidadania e justiça: a política social na ordem brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1987.

SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Rio de Janeiro: Instituto Franco Basaglia/TeCorá, 1999.

TEIXEIRA, S. M. Trabalho social com família: fundamentos históricos, teórico-metodológicos e técnico-operativos. Teresina: UFPI, 2017.

TOSCANO JR., A. Um breve histórico sobre o uso de drogas. In: SEIBEL, S; TOSCANO JR. (Eds.). Dependência de drogas. São Paulo: Atheneu, 2001, p. 7-23

TRAD, Sergio. Controle do uso de drogas e prevenção no Brasil: revisitando sua trajetória para entender os desafios atuais. In NERY FILHO, A. et al. Toxicomanias: incidências clínicas e socioantropológicas. Salvador: UFBA, 2009, p. 97-112.

VASCONCELOS, E. M. Reinventando a vida: narrativas de recuperação e convivência com o transtorno mental. Rio de Janeiro: EncantArte, 2005.

VASCONCELOS, E. M. (Org.). Saúde mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2010

Publicado
2019-03-08
Como Citar
RosaL. C. dos S.; da SilvaE. K. B. Família na política brasileira de saúde mental, álcool e outras drogas. SER Social, v. 21, n. 44, p. 199-222, 8 mar. 2019.
Seção
Artigos de Temas Livres