A trajetória histórica do ensino superior no Brasil: expansão e privatização da ditadura aos governos do PT

  • Juliana Fiuza Cislaghi Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: ensino superior, privatização;, fundo público

Resumo

O artigo debate as mudanças no ensino superior brasileiro que, desde a reforma da ditadura militar, tem como marco a hegemonia do capital privado e que mais recentemente passou por um processo de concentração, financeirização e internacionalização a partir da criação do Prouni e das alterações no Fies implementadas pelos governos do PT. Essa hegemonia privada tem como suporte a legislação e transferências de fundo público para o setor privado, legitimados, inclusive, pela Constituição de 1988. Influenciado por think thanks estaduninenses, como a Usaid e o Banco Mundial, as políticas de governo buscaram se adequar à abertura de espaços de valorização para o capital das empresas de serviços educacionais com subsídios do fundo público. Em um momento de retrocessos na legislação trabalhista e movimentos conservadores como o “Escola sem partido”, está em curso abrir mão da educação como direito social, obrigação do Estado
e socialização do conhecimento historicamente produzido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDES. Associação Nacional de Docentes do Ensino Superior. As novas faces da reforma universitária do governo Lula e os impactos do PDE sobre a Educação Superior. Caderno ANDES, n. 25, 2007.

ANDRÉS, Aparecida. O programa universidade para todos (Prouni): estudo. Brasília: Câmara de Deputados, 2008.

BANCO MUNDIAL. Construir sociedades de conocimiento: nuevos desafios para la educación terciária. Washington, D.C.: The World Bank Group, 2003.

BANCO MUNDIAL. La enseñanza superior: las lecciones derivadas de la experiência. Washington, D.C.: The World Bank Group, 1994.

BEHRING, Elaine Rossetti. Brasil em contra reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

CISLAGHI, Juliana Fiuza. Análise do Reuni: uma nova expressão da contrarreforma universitária brasileira. Dissertação de Mestrado apresentada ao PPGSS UERJ, 2010.

CISLAGHI, Juliana Fiuza. A categoria “serviços” na tradição marxista e o debate sobre serviços na atualidade. In: BOSCHETTI, Ivanete; BEHRING, Elaine; LIMA, Rita de Lourdes. Marxismo, política social e direitos. São Paulo: Cortez, 2018.

COBUCCI, Paulo Roberto; KUBOTA, Luis Claudio; MEIRA, Ana Paula Barbosa. Evolução da educação superior privada no Brasil da reforma universitária de 1968 à década de 2010. Brasília: IPEA, 2016a.

COBUCCI, Paulo Roberto; KUBOTA, Luis Claudio; MEIRA, Ana Paula Barbosa. Reconfiguração estrutural ou concentração do mercado da educação no Brasil? Brasília: IPEA, 2016b.

LEHER, Roberto. Um novo senhor para a educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Outubro, v. 3. São Paulo, 1999.

LIMA, Kátia Regina de Souza. Contrarreforma na educação superior: de FHC a Lula. São Paulo: Xamã, 2007.

NETTO, José Paulo. Ditadura e serviço social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. 6. ed., São Paulo: Cortez, 2002.

NEVES, Lucia Maria Wanderley; PRONKO, Marcela Alejandra. O mercado do conhecimento e o conhecimento para o mercado. Rio de Janeiro: EPSJV, 2008.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil. 34 ed. Petrópolis: Vozes, 2009, 265 p.

SIQUEIRA, Angela Carvalho de. Organismos internacionais, gastos sociais e reforma universitária do governo Lula. In: NEVES, Lúcia Maria Wanderley (Org.). Reforma universitária do governo Lula: reflexões para o debate. São Paulo: Xamã, 2004.

TCU. Auditoria Operacional do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Brasília: TCU, 2016.

Publicado
2019-03-10
Como Citar
CislaghiJ. F. A trajetória histórica do ensino superior no Brasil: expansão e privatização da ditadura aos governos do PT. SER Social, v. 21, n. 44, p. 134-151, 10 mar. 2019.