Financeirização do Capital, “Reformas” Estruturais e Seguridade Social no Brasil

  • Milena da Silva Santos Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Financeirização. “Reformas” Estruturais. Seguridade Social. Fundo Público

Resumo

O texto objetiva evidenciar os determinantes das “reformas”
estruturais da seguridade social brasileira, no processo de financeirização
do capital. Resulta de pesquisa bibliográfica e documental, com referencial
teórico histórico-crítico. Aborda o contexto atual de crise estrutural
da economia capitalista; as medidas implementadas pelo capital e pelo
Estado para combater os efeitos da crise, evidenciando o processo de
financeirização do capital; analisa a utilização do fundo público nesta
conjuntura e as consequências que acarretam para a seguridade social
brasileira. Diante desta perspectiva, percebe o papel crucial do Estado
no processo de negociações transnacionais entre os grandes grupos
monopolistas. Seja por meio de sua atuação como grande comprador de
insumos diversos, como também como grande devedor, daí a importância
das dívidas públicas neste processo. Ademais, destaca o retrocesso dos
direitos sociais, por meio do enxugamento do financiamento da seguridade
social, para geração de superávit primário, fortalecendo o processo de
financeirização da economia mundializada.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA. Relatório específico de auditoria cidadã da dívida. Nº 1/2017. Disponível em: <https://auditoriacidada.org.br/conteudo/relatorio-especifico-de-auditoria-cidada-da-divida-no-1-2017/>.

BEHRING, Elaine R. Política social no capitalismo tardio. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998, que alterou o Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Disponível em: <http://www.camara.gov.br/sileg/integras/725531.pdf>.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 29, de 13 de setembro de 200, para assegurar os recursos mínimos para o financiamento das ações e serviços públicos de saúde. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/web_sus20anos/20anossus/legislacao/emendaconstitucionaln29.pdf>.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 31, de 15 de dezembro de 2000. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, introduzindo artigos que criam o Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/sileg/integras/142356.pdf>.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 40, de 29 de maio de 2003, que mudou o Regime Próprio da Previdência Social (RPPS) dos servidores públicos. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Emendas/Emc/emc40.htm>.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 41, de 19 de dezembro de 2003, que complementa em detalhes a EC 20/1998... Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc41.htm>

BRASIL.Emenda Constitucional nº 67, de 22 de dezembro de 2010. Prorroga, por tempo indeterminado, o prazo de vigência do Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/emecon/2010/emendaconstitucional-67-22-dezembro-2010-609828-publicacaooriginal-131132-pl.html>.

CARCANHOLO, Reinaldo A.; NAKATANI, Paulo. Capital especulativo e alternativas para a América Latina. In: GOMES, Helder (Org.). Especulação e lucros fictícios: formas parasitárias da acumulação contemporânea. São Paulo: Outras Expressões, 2015.

CARCANHOLO, Reinaldo A.; NAKATANI, Paulo. O capital especulativo parasitário: uma precisão teórica sobre o capital financeiro, característico da globalização. In: GOMES, Helder (Org.). Especulação e lucros fictícios: formas parasitárias da acumulação contemporânea. São Paulo: Outras Expressões, 2015.

CHESNAIS, François. (Org.). A finança mundializada. São Paulo: Boitempo, 2005.

CHESNAIS, François. As dívidas ilegítimas: quando os bancos fazem mão baixa nas políticas públicas. Lisboa: Circulo de Leitores, 2012.

FORTES, Fátima Beatriz. A Emenda Constitucional nº 29, de 2000, e os governos estaduais. Lua Nova, n. 87, p. 167-202, 2012.

FONTES, Virginia. Capitalismo, crises e conjuntura. Serviço Social & Sociedade, n. 130, p. 409-425, 2017.

MARX, Karl. O capital. Vol. I. Tomo I. Coleção Os Economistas. Trad. Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Nova Cultural, 1988a.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

NETTO, José Paulo. Capitalismo monopolista e serviço social. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia política: uma introdução crítica. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SALVADOR, Evilásio. Fundo público no Brasil: financiamento e destino dos recursos da seguridade social (2000 a 2007). Tese de doutorado. Brasília: UnB, 2008.

SALVADOR, Evilásio. O desmonte do financiamento da seguridade social em contexto de ajuste fiscal. Serviço Social & Sociedade, n. 130, p. 426-446, set.- dez./2017.

SALVADOR, Evilásio. Fundo Público e o Financiamento das políticas sociais no Brasil. Serviço Social em Revista, v. 14, n. 2, p. 4-22, jan.-jun./2012.

SANTOS, Milena. As influências das agências multilaterais nas “reformas” da previdência social brasileira. Ser Social. v. 19, n. 40, p. 13-30, jan.-jun./2017.

SOUZA FILHO, Rodrigo de. Fundo público e políticas sociais no capitalismo: considerações teóricas. Serviço Social & Sociedade, n. 126, p. 318-339. São Paulo: Cortez, 2016

Publicado
2019-07-31
Como Citar
DA SILVA SANTOS, M. Financeirização do Capital, “Reformas” Estruturais e Seguridade Social no Brasil. SER Social, v. 21, n. 45, p. 283-300, 31 jul. 2019.
Seção
Artigos Científicos - Temáticos