A Disputa da Narrativa Conservadora na Reforma Trabalhista

  • Nivea Maria Santos Souto Maior UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA
Palavras-chave: Reforma trabalhista. conservadorismo. pensamento social.

Resumo

O artigo propõe analisar a “reforma” trabalhista como resposta
da cultura (neo)conservadora, sendo uma releitura do conservadorismo
clássico. Por primeiro, edificam-se as matrizes do pensamento social,
desde o surgimento do conservadorismo clássico até a formação do
pensamento conservador moderno. O ensaio teórico aborda a gênese do
pensamento conservador a partir dos precursores de Edmund Burke até a
nova roupagem adquirida no período moderno, a exemplo de Russel Kirk.
Na sequência, examina-se o viés conservador e as implicações legislativas
de sua influência para a promulgação da reforma trabalhista, com ênfase
na presente conjuntura brasileira das contrarreformas do Estado. O estudo,
portanto, sinaliza como o capital utilizou sua estratégia de convencimento
para desconstruir o corpo normativo que regulamentava o mundo do
trabalho, a forma ideológica do discurso governamental dos poderes Legislativo e Executivo na disputa da narrativa conservadora em oposição ao pensamento crítico marxista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Cleber Lúcio de. A reforma trabalhista e o acesso à justiça. In: FELICIANO, Guilherme Guimarães; TREVISO, Marco Aurélio Marsiglia, FONTES, Saulo Tarcísio de Carvalho (Orgs.). Reforma trabalhista: visão, compreensão e crítica. São Paulo: LTr, 2017. p. 215-223.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

BRAGA, Ruy. Terra em transe: o fim do lulismo e o retorno da luta de classes. In: LOUREIRO, Isabel; SINGER, André. As contradições do lulismo: a que ponto chegamos? 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016, p. 55-92.

COSTA, Márcia da Silva. O sistema de relações de trabalho no Brasil: alguns traços históricos e sua precarização atual. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 20, n. 59, p. 111-131, out./2005. Disponível: <http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092005000300008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 17/02/2019.

ESCORSIM NETTO, Leila. O conservadorismo clássico: elementos de caracterização e crítica. São Paulo: Cortez, 2011.

IAMAMOTO, Marilda Villela; CARVALHO, Raul. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 41. ed. São Paulo: Cortez, 2014.

LÖWY, Michael. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen: marxismo e o positivismo na sociologia do conhecimento. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

SANTOS, Josiane Soares. Pós-modernidade, neoconservadorismo e Serviço Social. Temporalis, ano V, n. 10, p. 29-50, jul.-dez./2005.

SANTOS, Amanda Cataldo de Souza Tilio dos. Resenha da Obra ‘Teoria Geral do Direito e Marxismo’ de E. B. Pachukanis. Revista da Faculdade de Direito do Sul de Minas, v. 33, n. 1, p. 407-430, jan.-jun./2017.

SOARES, Raquel Cavalcante. Governo Temer e contrarreforma na política de saúde: a inviabilização do SUS. Argumentum, v. 10, n.1, p. 24-000, jan.-abr./2018. Disponível em: http://www.periodicos.ufes.br/argumentum/article/viewFile/19496/13178. Acesso em: 10/02/2019.

SOUZA, Jamerson Murillo Anunciação de. O conservadorismo moderno: esboço para uma aproximação. Serviço Social & Sociedade, n. 122, p. 199-223, 2015.

TAVARES, Maria Augusta. O empreendedorismo à luz da tradição marxista. Revista em Pauta, v. 16, p. 107-121, 2018.

Publicado
2019-07-31
Como Citar
SOUTO MAIOR, N. M. A Disputa da Narrativa Conservadora na Reforma Trabalhista. SER Social, v. 21, n. 45, p. 321-337, 31 jul. 2019.
Seção
Artigos Científicos - Temáticos