Centralidade da questão étnico-racial no Núcleo de Estudos Afro-Brasileiro/Neab no Ceará

  • Letícia Sampaio Pequeno Universidade Estadual do Ceará
  • Juliana Isaias Miranda Universidade Estadual do Ceará
  • Maria Zelma de Araújo Madeira Universidade Estadual do Ceará
Palavras-chave: questão étnico-racial, Neab, racismo

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar a trajetória acadêmica
e histórica do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Afro-Brasilidades,
Gênero e Família (Nuafro) e suas contribuições como Núcleo de Estudos
Afro-Brasileiro (Neab) no enfrentamento às desigualdades raciais no Estado
do Ceará. O referido laboratório, vinculado à Universidade Estadual do
Ceará (Uece), desenvolve atividades nos eixos ensino, pesquisa e extensão,
com foco nos(as) alunos(as) do curso de Serviço Social, firmando parcerias
com diversos atores sociais engajados na luta antirracista e anticapitalista.
Este artigo estruturou-se como uma pesquisa de natureza qualitativa, de
tipo documental e bibliográfico, com ênfase nas produções teóricas que
problematizam o racismo como estruturante das relações sociais em suas
múltiplas manifestações. Conclui-se que, as ações do Nuafro são voltadas
ao combate do silenciamento das relações étnico-raciais com destaque
à importância do laboratório como elemento fomentador da formação
profissional e da identidade étnico-racial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Sampaio Pequeno, Universidade Estadual do Ceará

Assistente Social. Mestra em Serviço Social, Trabalho e Questão Social (Mass/Uece). Bolsista Capes – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Pesquisadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Afrobrasilidade, Gênero e Família (Nuafro/Uece).

Juliana Isaias Miranda, Universidade Estadual do Ceará

Assistente Social. Mestra em Serviço Social, Trabalho e Questão Social (Mass/ Uece). Bolsista Capes – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Pesquisadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Afrobrasilidade, Gênero e Família (Nuafro/Uece).

Maria Zelma de Araújo Madeira, Universidade Estadual do Ceará

Assistente Social. Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora do Curso de Graduação em Serviço Social e Mestrado Acadêmico em Serviço Social, Trabalho e Questão Social da Universidade Estadual do Ceará (Uece).

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 10.639/2003. Proposta de Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC, 2008.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC, 2005.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que por sua vez foi modificada pela Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, estabelecendo as diretrizes e bases da educação nacional, para “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena” nos estabelecimentos de Ensino Fundamental e de Ensino Médio, públicos e privados, 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm>. Acesso em: 13/08/2017.

GONZALES, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: SILVA, L. A., Movimentos sociais urbanos, minorias e outros estudos. Revista Ciências Sociais Hoje, n. 2, p. 223-244, 1983.

KERN, G. da S. Gilberto Freyre e Florestan Fernandes: o debate em torno da democracia racial no Brasil. Revista Historiador, n. 06, 2014.

MADEIRA, M. Z. de A.; COSTA, R. G. da. As relações étnico-raciais e a implementação da Lei nº 10.629/03 em Fortaleza, CE. Revista de Políticas Públicas, v. 16, n. 2, p. 329-339, 2012.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 27. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

PEQUENO, L. S. Cores escondidas no silêncio dos dias: loucura, raça/etnia e classe social na realidade de “moradores” de um hospital psiquiátrico em Fortaleza/CE. Trabalho de conclusão de curso (graduação). Fortaleza, CE: Uece. 2015.

PORTARIA GG nº 272/2016. Edital de Convocação para a seleção de entidades da sociedade civil integrantes do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Coepir), publicado em: 08/04/2016.

SANTOS, I. A. A. dos. Direitos humanos e as práticas do racismo. Brasília: Câmara dos Deputados, 2013.

SANTOS, M. Ser negro no Brasil, hoje. Folha de S. Paulo, Caderno Mais. 2000. Disponível em: <http://acervo.folha.uol.com.br/fsp/2000/05/07/72/581253>. Acesso em: 24/08/2017.

SCHWARCZ, L. M. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na intimidade. In: SCHWARCZ, L. M (Org.) História da vida privada no Brasil . V. 4. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

UECE. Universidade Estadual do Ceará. Resolução nº 969/2013. Cria o Laboratório Núcleo de Estudos de Pesquisas em Afro-Brasilidade, Gênero e Família (Nuafro) e aprova o seu regimento. Conselho Universitário, de 06/05/2013.

UECE. Resolução nº 1.088/2014. Aprova a adesão da Universidade Estadual do Ceará ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), ao Sistema de Seleção Unificado (Sisu/MEC) e ao sistema de cotas e dá outras providências. Conselho Universitário, de 04/08/2014.

Publicado
2018-11-13
Como Citar
PEQUENO, L.; MIRANDA, J.; MADEIRA, M. Z. Centralidade da questão étnico-racial no Núcleo de Estudos Afro-Brasileiro/Neab no Ceará. SER Social, v. 20, n. 43, p. 329-347, 13 nov. 2018.