A pedagogia do capital e o sentido das resistências da classe trabalhadora

  • Vânia Cardoso da Motta Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Roberto Leher Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Bruno Gawryszewski Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: trabalho-educação, reformas educacionais, formação da força de trabalho, juventude, resistências

Resumo

Este artigo analisa as condições objetivas e as forças sociais e políticas da pedagogia do capital na atual conjuntura política e econômica
brasileira, destacando a formação da força de trabalho, sobretudo, preparada para a conformação social mediante a intensificação da precarização e da exploração; a composição do exército industrial de reserva; e o robustecimento das trincheiras formadas pelos aparelhos privados de hegemonia do capital. Discute a pedagogia do capital no tocante às “reformas” nos sistemas educacionais para a formação do jovem trabalhador – a reforma do Ensino Médio e a Base Nacional Comum Curricular. Essa pedagogia também contribui para a ressignificação da condição de trabalhadores em ocupações irregulares e eventuais regulamentadas como empreendedores – constata que, na maioria, são jovens com baixa escolaridade. E, por fim, problematiza o sentido das resistências da classe trabalhadora, indicando debilidades e alternativas possíveis de unificação das agendas das forças políticas progressistas no campo da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vânia Cardoso da Motta, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRJ. Doutora em Serviço Social pela UFRJ. Coordenadora do Coletivo de Estudos em Marxismo e Educação (Colemarx).

Roberto Leher, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor Titular da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRJ. Doutor em Educação pela USP. Coordenador do Coletivo de Estudos em Marxismo e Educação (Colemarx).

Bruno Gawryszewski, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRJ. Doutor em Educação pelo PPGE/UFRJ, em estágio de pós-doutorado pelo PPFH/Uerj. Integrante do Coletivo de Estudos em Marxismo e Educação (Coemarx).

Referências

LEHER, Roberto; VITTORIA, Paolo; MOTTA, Vânia. Educação e mercantilização em meio à tormenta político-econômica do Brasil. Marxismo e Educação em Debate. Germinal, v. 9, n. 1, p. 14-24, abr./2017. BANCO MUNDIAL. Emprego e crescimento: a agenda da produtividade. Brasília: Grupo Banco Mundial, 2018. Disponível em <http://documents. worldbank.org/curated/pt/203811520404312395/pdf/123969-WP-PUBLICPORTUGUESE-P162670-EmpregoeCrescimentoAAgendadaProdutividade.pdf>. Acesso: 18/04/2018. BANCO MUNDIAL. Retomando o caminho para a inclusão, o crescimento e a sustentabilidade. Brasil – diagnóstico sistemático do país, maio de 2016. Brasília: Grupo Banco Mundial, 2016. Disponível em <http://documents.worldbank.org/ curated/pt/686871468197371171/pdf/101431-REVISED-PORTUGUESE-v2SCD-Sumario-Executivo.pdf>. Acesso: 18/04/2018.

BRASIL. Lei nº 13.415/2017, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União. Brasília, 2017a, 17/02/2017. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ ato2015-2018/2017/lei/L13415.htm>.Acesso: 20/04/2018.

BRASIL. Portaria MEC 577, de 27 de abril de 2017. Dispõe sobre o Fórum Nacional de Educação. 2017b. Disponível em: <http://www.fnde.gov.br/acessoa-informacao/institucional/legislacao/item/10927-portaria-mec-n%C2%BA-577,de-27-de-abril-de-2017>. Acesso: 25/05/2018.

CONAJE. Confederação Nacional dos Jovens Empreendedores. Relatório Executivo: perfil do jovem empreendedor brasileiro. Brasília: Conaje, 2014.

COSTA, Daiane. Brasil aparece na lanterna em ranking de produtividade. O Globo on-line, Economia, publicado em 15/02/2018. Disponível em <https://oglobo. globo.com/economia/brasil-aparece-na-lanterna-em-ranking-de-produtividade- 22398977>. Acesso: 14/05/2018. MOURA, Dani. Educação Integral. Ensino Médio Produção para o Jornal Futura, vídeo, publicado em 05/11/2014 (5 min.). Acesso: 19 abr. 2018.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. 4. ed. Rio de Janeiro-RJ: Zahar, 1981.

FONTES, Virginia. O Brasil e o capital-imperialismo: teoria e história. Rio de Janeiro: ESPJV; UFRJ, 2010. GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Vol. 2. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. GEM. Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil-2012. Coordenação de Simara Maria de Souza Silveira Greco. Curitiba-PR: IBQP, 2013. GEM. Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil-2016. Coordenação de Simara Maria de Souza Silveira Greco. Curitiba: IBQP, 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Quarto trimestre de 2017. Brasília: IBGE, 2018.

KOIKE, Beth. Kroton vira líder também na educação fundamental. Valor Econômico, publicado em 24/04/2018. Disponível em <http://www.valor.com. br/empresas/5477097/kroton-vira-lider-tambem-na-educacao-fundamental>. Acesso: 14/05/2018.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro I. 18. ed. Rio de Janeiro-RJ: Civilização Brasileira, v. 2, 2011.

POULANTZAS, Nicos. Poder político e classes sociais. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1986. SEKI, Allan et al. Professor temporário: um passageiro permanente na educação básica brasileira. Práxis Educativa, v. 12, n. 3, p. 942-957, set.-dez./2017.

Publicado
2018-11-13
Como Citar
da MottaV. C.; LeherR.; GawryszewskiB. A pedagogia do capital e o sentido das resistências da classe trabalhadora. SER Social, v. 20, n. 43, p. 310-328, 13 nov. 2018.