A assistência estudantil nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia

  • Talita Prada Universidade Federal do Espírito Santo
  • Mônya Carla da Costa Surdine Instituto Federal do Espírito Santo-Campus Nova Venécia
Palavras-chave: Programa Nacional de Assistência Estudantil, Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs), programas, recursos

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a execução do Programa
Nacional de Assistência Estudantil, a partir das normativas institucionais
dos 38 Institutos Federais de Educação (IFs) e seus campi, para identificar
as ações priorizadas. Realizamos pesquisa documental (51 documentos de todos os 38 IFs). Para o estudo, realizamos análise de conteúdo categorial e temática. Identificamos como está organizado o programa nos institutos em um contexto que se iniciou com a expansão da rede federal e hoje é marcado pelos cortes orçamentários. Nas considerações finais, indicamos como e por que os recursos do programa não contemplam o atendimento universal aos estudantes, que a dualidade do programa separa os pobres dos não pobres, focalizando o atendimento aos mínimos sociais de forma individualizada àqueles que mais necessitam, tornando a disputa interna entre os estudantes acirrada e fragmentando suas lutas sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Prada, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutoranda em Política Social pela Universidade Federal do Espírito Santo. Mestra em Política Social pela Universidade Federal do Espírito Santo (2015). Pós-Graduada em Direitos Sociais e Competências Profissionais pela Universidade de Brasília (2011); assistente social do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia-Campus Porto Seguro e membra do Grupo de Estudos Fênix da Universidade Federal do Espírito Santo.

Mônya Carla da Costa Surdine, Instituto Federal do Espírito Santo-Campus Nova Venécia

Mestranda em Política Social pela Universidade Federal do Espírito Santo. Especialista em Planejamento de Projetos Sociais pela Faculdade Capixaba de Nova Venécia (2011). Assistente Social do Instituto Federal do Espírito Santo-Campus Nova Venécia

Referências

BRASIL. Decreto no 19.851, de 11 de abril de 1931. Dispõe que o ensino superior no Brasil obedecerá, de preferencia, ao systema universitario, podendo ainda ser ministrado em institutos isolados, e que a organização technica e administrativa das universidades é instituida no presente Decreto, regendo-se os institutos isolados pelos respectivos regulamentos, observados os dispositivos do seguinte Estatuto das Universidades Brasileiras. Brasília. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19851-11-abril-1931-505837-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 09/06/2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Superior 2000. 2001. Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/censo/2000/Superior/sinopse_superior-2000.pdf>. Acesso em: 08/06/2018.

BRASIL. Lei no 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, 2008a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm>. Acesso em: 20/09/2013.

BRASIL. Decreto no 7.234, de 19 de julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7234.htm>. Acesso em:17/09/2016.

BRASIL. Tribunal de Contas da União (TCU). Relatório de Auditoria: Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. 2012a. 126 p.Disponível em: http://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?inline=1&fileId=8A8182A14D92792C014D92847E5F3E97>. Acesso em: 02/10/2017.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Superior 2010 – Resumo técnico. Brasília. 2012b, 85p. Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/superior/censo/2010/resumo_tecnico_censo_educacao_superior_2010.pdf >. Acesso em: 15/08/2017.

BRASIL. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Nota Informativa 155, de 2015. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=20341-nota-informativa-155-2015-setec-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 28/05/2018.

BRASIL. Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União. Gastos diretos por ação governamental. Portal da Transparência. [s.d.]. Disponível em:<http://transparencia.gov.br>. Acesso em: 10/06/2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Expansão da Rede Federal. 2016a. Disponível em <http://redefederal.mec.gov.br/instituicoes>. Acesso em: 14/07/2016.

BRASIL. Agência IBGE Notícias. Pnad Contínua 2016: 51% da população com 25 anos ou mais do Brasil possuíam apenas o ensino fundamental completo. 2016b. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2013-agencia-de-noticias/releases/18992-pnad-continua-2016-51-da-populacao-com-25-anos-ou-mais-do-brasil-possuiam-apenas-o-ensino-fundamental-completo.html>. Acesso em: 10/06/2018.

BEHRING, E. R. Expressões políticas da crise e as novas configurações do Estado e sociedade civil. In: Serviço Social: Direitos sociais e competências profissionais. CFESS/ABEPSS (Orgs.). Brasília, 2009. p. 69-86.

CANOFRE. F. Cortes e contingenciamento no orçamento colocam institutos federais em estado de alerta. 2017. Disponível em: <https://www.sul21.com.br/ jornal/cortes-e-contingenciamento-no-orcamento-colocam-institutos-federais-em-estado-de-alerta/>. Acesso em: 02/07/2017.

CAVALHEIRO, J. S. O Programa Nacional de Assistência Estudantil nos Institutos Federais gaúchos e o trabalho do assistente social: alcances, perspectivas e desafios. 2013. 257fls. Dissertação de Mestrado (Mestrado emPolítica Social). Pelotas-RS: UCPel. 2013.

CASTEL, Robert. A insegurança social. O que é ser protegido? Petrópolis-RJ:Vozes, 2005.

FERGUSON, I. Austeridade no Reino Unido: o fim do Estado de bem-estar social? Argumentum, v. 5, n. 2, p. 65-88, jul.-dez./2013.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (Org.). Ensino Médio Integrado:concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2005.

GEMAQUE, R. M. de O.; CHAVES, V. L. J. Perfil da expansão no setor público e privado e financiamento da educação superior brasileira pós-LDB. 2010. Série-Estudos. Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB. n.30, p. 71-91, jul.-dez./2010. Disponível em: <http://www.serie-estudos.ucdb.br/index.php/serie-estudos/article/view/127/190>. Acesso em: 09/06/2018.

GOUGH, I. Economia política del Estado del bienestar. Trad. de Gregorio Rodriguez Cabrero. Madrid: H. Blume, 1982.

GUEDELHA, C. V. Avaliação em profundidade da Política de Assistência Estudantil do Instituto Federal do Piauí. 2017. 171p. Dissertação. (Mestrado em Avaliação de Políticas Públicas). Fortaleza: UFCe, 2017.

IASI, M. O fim do ciclo petista e o esgotamento da estratégia democrática popular. In: Política, Estado e ideologia na trama conjuntural. São Paulo: ICP, 2017. p.421-437.

IMPERATORI, T. K. A trajetória da assistência estudantil na educação superior brasileira. Serviço Social e Sociedade, n. 129, p. 285-303, maio-ago./2017.

JESUS, J. A. de. Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes) nos Institutos Federais de Educação: um estudo da metodologia de implementação do IFNMG. 2016. 131f., il. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação). Brasília:UnB, 2016.

NASCIMENTO, C. M. Assistência estudantil e contrarreforma universitária nos anos 2000. 2013. 159f. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Serviço Social). Recife: UFPe 2013.

MENDES, J. M. R.; WÜNSCH, D.; COUTO, B. Verbete proteção social. In:CATTANI, A. D.; HOLZMANN, L. Dicionário de trabalho e tecnologia. Porto Alegre: UFRGS, 2006. p. 212-215.

PRADA, T. O trabalho em rede na intervenção dos assistentes sociais dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. 2015. Dissertação (Mestrado em Política Social). Vitória: UFes.

REIS, E. M. C. dos. Pnaes: uma análise da implementação da política de assistência estudantil no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília. 2016. 196f., il. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão Pública). Brasília: UnB, 2016. A assistência estudantil nos Institutos Federais 289

SANTOS, A. P. dos; CERQUEIRA, E. A. de. Ensino Superior: trajetória histórica e políticas recentes. COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO UNIVERSITÁRIA NA AMÉRICA DO SUL, 9. 2009. Florianópolis-SC.Disponível em: <http://www.ceap.br/material/MAT14092013162802.pdf>. Acesso: 08/06/2018.

TAUFICK, A. L. de O. L. A avaliação da Política de Assistência Estudantil para o Proeja. 2013. 140f. Dissertação (Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública). Juiz de Fora-MG: UFJF, 2013.

Publicado
2018-11-13
Como Citar
PRADA, T.; SURDINE, M. C. A assistência estudantil nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. SER Social, v. 20, n. 43, p. 268-289, 13 nov. 2018.