A valorização do grafite como documento de arquivo: uma abordagem interdisciplinar entre a competência em informação e a teoria da complexidade

Beatriz Rosa Pinheiro dos Santos, Myrella Vaenia da Luz Fernandes, Ieda Pelógia Martins Damian, Ana Cristina de Albuquerque

Resumo


Objetivou-se analisar se a competência em informação e a teoria da complexidade podem contribuir para a valorização e institucionalização do grafite como documento passível de tratamento em arquivos públicos. Realizou-se uma pesquisa bibliográfica, de natureza qualitativa. Os resultados demonstraram que o padrão de competência em informação, que corresponde à necessidade de fontes confiáveis para acesso efetivo da informação, justifica e auxilia a ideia de institucionalização do grafite como documento de arquivo, visto que fornecerá um acesso padrão, libertador e duradouro à sociedade que decidir utilizar e acessar o grafite documentado (quando esse já se encontrar na condição de documento) em arquivos públicos. Ademais, concluiu-se que um dos princípios do pensamento complexo refletiu para o fato de que não há como escapar desse processo de institucionalização do grafite, porque esse é um desenho da sociedade, é efeito de alguma causa e configura momentos da história do país e do povo.


Palavras-chave


Arquivos Públicos; Competência em Informação Grafite; Teoria da Complexidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Ana Cristina de. O grafite como canal alternativo de informações: caminhos para uma discussão interdisciplinar em ciência da informação. Revista de Iniciação Científica da FCC, Marília, v. 4, n. 3, 2004. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/ric/article/view/96/97 Acesso em: 10 jun. 2017.

BELLUZZO, R. C. B.; KOBAYASHI, M.C.M.; FERES, G.G. Information literacy: um indicador de competência para a formação de professores na sociedade do conhecimento. Educação Temática Digital, Campinas, v. 6, n. 1, p. 81-99, 2004. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/1004 Acesso em: 15 Jun. 2017.

BELLUZZO, R .C. B. Construção de mapas: desenvolvendo competências em informação e comunicação. 2. ed. Bauru: Cá entre Nós, 2007.

CALÓ, Flávia Camerlingo. Questões etimológicas sobre os termos: grafite e pichação. In: FORÚM DE PESQUISA CINETIFICA EM ARTES. 3., 2005. Anais. Curitiba: Escola de Música Belas Artes do Paraná, 2005.

DOYLE, C.S. Information literacy in an information on society: a concept for the information age. Syracuse: ERIC, 1994.

DUDZIAK, E. A. Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 1, p. 23-35, jan./abr. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19652003000100003&lng=en&nrm=iso Acesso em: 1 jul. 2017.

DURANTI, Luciana. Diplomática: usos nuevos para uma antiga ciência. Cordoba: Carmona, 1996.

GRUNOW, R. A. S. O fenômeno arte sobre o fenômeno humano: grafite e valor mutante da estética. Revista de Letras, Artes e Comunicação. Blumenau, v.7, n.3, p.229-244, set-dez. 2014. Disponível em: http://proxy.furb.br/ojs/index.php/linguagens/article/view/3834/2591 Acesso em: 12 jul. 2017.

HORA, S. R. A.; SATURNINO, L. P. T.; SANTOS, E.C. A evolução do arquivo e da arquivologia na perspectiva da história. João Pessoa, 2010, p.12. Disponível em: http://www.webartigos.com/artigos/a-evolucao-do-arquivo-e-da-arquivologia-na-perspectiva-da-Historia/33326/

LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. 2. ed. Campinas: Papirus, 1997.

MORIN, Edgar. Ciência e consciência da complexidade. In: MORIN, Edgar; LE MOIGNE, Jean-Louis (Org.). A inteligência da complexidade. São Paulo: Peirópolis, 2000. 265p.

LÉVI-STRAUSS, C. Introdução ao pensamento complexo. 3ª. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007. 120 p.

PAES, Marielena Leite. Arquivo: teoria e prática. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

PROSSER, Elisabeth Seraphim. Grafite Curitiba. Curitiba: Do Autor, 2010. 210 p.

POSNER, E. Some aspects of archival development since the French Revolution. American Archivist, v. 3, n. 3, p. 159-172, June 1940. Tradução de Lêda Boechat Rodrigues.

RODRIGUES, A. M. L. A teoria dos arquivos e a gestão de documentos. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 11, n. 1, p. 101-117, jan./abr. 2006.

ROUSSEAU, Jean-Yves; COUTURE, Carol. Os fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa: Dom Quixote, 1998. 356 p.

SCHELLENBERG, T. R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004. 384 p.

SILVA-E-SILVA, William da. Graffitis em múltiplas facetas: definições e leituras iconográficas. São Paulo: Annablume, 2011, 130 p.

SILVA, A. M. Arquivística: teoria e prática de uma ciência da informação. Porto: Afrontamento, 1999. 254 p.




Revista Ibero-americana de Ciencia de la Información (RICI)
ISSN 1983-5213
Uma publicação da Universidade de Brasília - UnB
Todos os trabalhos publicados aqui estão sob uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

CC-BY-NC

 

Siga-nos pelas redes sociais ... 

@riciunb

@riciunb