Mulheres e mães do Bolsa Família: acesso à informação, empoderamento e cidadania em três comunidades de Sergipe

  • Acacia Rios Universidad Complutense de Madrid, Facultad de Ciencias de la Documentación, Madrid, España https://orcid.org/0000-0003-3599-9937
  • Aurora Cuevas-Cerveró Universidad Complutense de Madrid, Facultad de Ciencias de la Documentación, Madrid, España
  • Ronaldo Linhares Universidade Tiradentes, Programa de Pós-Graduação em Educação, Aracaju, SE, Brasil
Palavras-chave: acesso à informação. Empoderamento. Cidadania. Programa Bolsa Família. políticas públicas de gênero.

Resumo

O objetivo deste trabalho é apresentar o modelo metodológico INFORMENTO (Acesso à Informação e Empoderamento para a Igualdade e a Cidadania), desenvolvido na investigação Mulheres e mães do Programa Bolsa Família: acesso à informação, empoderamento e cidadania. Um estudo de três comunidades de Sergipe (2017) para analisar as entrevistas qualitativas. A investigação toma como ponto de partida as mudanças ocorridas na sociedade em geral, e nas mulheres em particular, desde a criação deste programa social pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, que tinha como meta reduzir os efeitos da pobreza extrema no Brasil. Dessa forma, INFORMENTO consiste na combinação dos modelos metodológicos IDEIAS (Inclusão Digital e Educação Informacional para a Saúde) e AURA (Autorreforço Acompanhado). O primeiro permite construir as bases para a Alfabetização Informacional por meio dos indicadores que abordam o desenvolvimento de habilidades e competências no uso da internet como aprendizagem para a vida. Já o segundo modelo permite acompanhar o processo de empoderamento das mulheres em projetos de desenvolvimento por meio da criação de indicadores sociais em contextos específicos. Com a combinação de ambos foi possível averiguar ao mesmo tempo os conhecimentos informacionais e o processo de empoderamento e mensurá-los por meio dos níveis de ‘saber’, ‘fazer’, ‘ter’ e ‘poder’. A pesquisa concluiu que o acesso a uma renda mensal como o Bolsa Família foi importante para que as mulheres entrevistadas pudessem acessar outros dispositivos da vida social e democrática como educação e saúde e, assim, construir e exercer a cidadania. Logo, foi um fator de empoderamento devido à abrangência de atuação institucional. No entanto, as conclusões também apontam a necessidade de desenvolver formação em ‘Alfabetização Informacional para o empoderamento’ como uma forma de contribuir para a autonomia, desenvolvimento e qualidade de vida das mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aurora Cuevas-Cerveró, Universidad Complutense de Madrid, Facultad de Ciencias de la Documentación, Madrid, España

Pós-Doutorado pela Universidade de Brasília (UnB) - Brasília, DF - Brasil. Doutora en Documentación pela Universidad Carlos III de Madrid (UC3M), Espanha. Personal Docente Investigador da Universidad Complutense de Madrid (UCM) – Madrid, Espanha.

Referências

BRASIL. CONGRESSO NACIONAL. Comissão Parlamentar Mista de Inquérito. Brasília: Senado Federal, 2013.

BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Avaliação de Impacto do Bolsa Família – 2ª Rodada (AIBF II). Sumário Executivo. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, 2012. Disponível em: <https://fpabramo.org.br/acervosocial/wp-content/uploads/sites/7/2017/08/475.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2019.

CAMPELLO, Teresa. Uma década derrubando mitos e superando expectativas. In.: CAMPELLO, Teresa; NERI, Marcelo. Programa Bolsa Família – Uma década de inclusão e cidadania. Brasília: Ipea, 2013. p. 15-24.

CASTELLS, Manuel. Ruptura. A crise democrática liberal. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

CHARLIER, Sophie; CAUBERGS, Lisette. El proceso de empoderamiento de las mujeres. Guía Metodológica. Bruxelas: Comisión de Mujeres y Desarrollo, 2007.

CUEVAS-CERVERÓ, Aurora. IDEIAS – Inclusión Digital y Educación Informacional para la Salud. Madrid: Universidad Complutense de Madrid, 2009.

DARNTON, Robert; DUHAMEL, Olivier. Democracia. Rio de Janeiro: Record, 2001.

IPEA. Duas décadas de desigualdade e pobreza medidas pela PNAD/IBGE. Comunicados do Ipea, n. 159. Brasília: Ipea, 2013. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/131001_comunicadoipea159.pdf>. Acesso em: 20 Out. 2018.

IPEA Atlas da violência 2018. Ipea/Fórum Brasileiro de Segurança Pública: Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/180604_atlas_da_violencia_2018.pdf>. Acesso 22 Out. 2018.

MARTINEZ, Fabiana. O conhecimento feminista na era digital: grupos de discussão do Facebook como uma nova epistemologia do conhecimento. Seminário internacional Fazendo Gênero 11 & 13 Women’s Worlds Congress, 2017. Anais Eletrônicos. Florianópolis, 2017.

NATANSOHN, Graciela. (Org.). Internet em código feminino: teoria e práticas. Buenos Aires: La Crujía Ediciones, 2013. Disponível em: <https://goo.gl/r1ZzmW>. Acesso em: 3 Out. 2018.

REGO, Walquíria; PINZANI, Alessandro. Vozes do Bolsa Família. Autonomia, dinheiro e cidadania. 2. ed. São Paulo: Unesp, 2014.

RIOS, Acácia. Mulheres e mães do Programa Bolsa Família: acesso à informação, empoderamento e cidadania. Um estudo de três comunidades de Sergipe (Brasil). Tese de Doutorado, Programa de Investigação Biblioteca e Sociedade, Universidade Complutense de Madrid, 2017.

TAYLOR, Charles. El multiculturalismo y la política del reconocimiento. 2. ed. México: FCE, 2009.

Publicado
2019-09-11
Como Citar
RiosA., Cuevas-CerveróA., & LinharesR. (2019). Mulheres e mães do Bolsa Família: acesso à informação, empoderamento e cidadania em três comunidades de Sergipe. Revista Ibero-Americana De Ciência Da Informação, 12(3), 889-904. https://doi.org/10.26512/rici.v12.n3.2019.26763