A gestão do discurso de ódio nas plataformas de redes sociais digitais: um comparativo entre Facebook, Twitter e Youtube

  • Luiz Rogério Lopes Silva Universidade Federal do Paraná, Doutorado em Gestão da Informação, Curitiba, PR, Brasil
  • Rodrigo Eduardo Botelho-Francisco Universidade Federal do Paraná, Departamento de Ciência e Gestão da Informação, Curitiba, PR, Brasil
  • Alisson Augusto de Alisson Augusto de Oliveira Universidade Federal do Paraná, Graduação em Gestão da Informação, Curitiba, PR, Brasil
  • Vinicius Ramos Pontes Universidade Federal do Paraná, Graduação em Gestão da Informação, Curitiba, PR, Brasil
Palavras-chave: discurso de ódio, Facebook, redes sociais, Twitter, Youtube

Resumo

O impasse social sobre discurso de ódio e liberdade de expressão na Internet tem impulsionado os Sites de Redes Sociais (SRS) a intensificarem suas políticas de moderação de conteúdo. A gestão do conteúdo de ódio em plataformas como Facebook, Twitter e Youtube é tão complexa, haja vista seu caráter multifacetado e o grande número de interagentes, que executivos destas empresas assumem a ineficiência de seus recursos (humanos e tecnológicos) na tentativa de controlar o escalonamento, duração, difusão e circunspecção de crimes e discursos odientos. O problema tem despertado a atenção de governos e organizações civis, que por sua vez aumentam a pressão sobre as plataformas no intuito de melhorarem suas escolhas editoriais e sua logística de monitoramento e remoção deste tipo de interação. Neste contexto, este trabalho tem como objetivo comparar as ações realizadas pelo Facebook, Twitter e Youtube no que tange a formulação e ampliação de políticas e decisões sobre conteúdo individual de ódio. Para isto, foi realizado uma análise histórica (2015-2018) de dados secundários das políticas e termos de comunidade específicos de cada SRS numa análise das tomadas de decisão com os cinco tópicos do termo de compromisso que as empresas assumiram com a ADL -Liga Anti-Difamação, em 2013, no combate ao discurso de ódio online. Os resultados apontam o Facebook como o SRS que mais investiu em estratégias de combate a intolerância e incivilidade online, apesar da empresa não deixar claro os métodos empregados para tal fim. De modo geral, todas as plataformas evoluíram na estrutura operacional de denúncia de conteúdo odiento, mas se mostraram ineficientes em moderação, remoção e contenção da propagação do cyberhate.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Rogério Lopes Silva, Universidade Federal do Paraná, Doutorado em Gestão da Informação, Curitiba, PR, Brasil

Doutorando em Gestão da Informação e Mestre em Comunicação e Política pela Universidade Federal do Paraná. Professor da Escola de Humanidade Centro Universitário UniBrasil - E-mail: luizlopescomunicacao@gmail.com.

Rodrigo Eduardo Botelho-Francisco, Universidade Federal do Paraná, Departamento de Ciência e Gestão da Informação, Curitiba, PR, Brasil

Doutor em Ciências da Comunicação. Professor do Departamento de Ciência e Gestão da Informação e dos programas de pós-graduação em Gestão da Informação e em Comunicação da Universidade Federal do Paraná - UFPR. E-mail: rodrigobotelho@ufpr.br.

Alisson Augusto de Alisson Augusto de Oliveira, Universidade Federal do Paraná, Graduação em Gestão da Informação, Curitiba, PR, Brasil

Graduando em Gestão da Informação pela UFPR, integrante do Grupo de Pesquisa Aplicada em Ciência, Informação e Tecnologia e voluntário no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação – PIBITI. E-mail: alissonaug@icloud.com.

Vinicius Ramos Pontes, Universidade Federal do Paraná, Graduação em Gestão da Informação, Curitiba, PR, Brasil

Graduando em Gestão da Informação pela UFPR, integrante do Grupo de Pesquisa Aplicada em Ciência, Informação e Tecnologia e bolsista no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – PIBIC. E-mail: ramosvinicius83@gmail.com.

Referências

ANTI-DEFAMATION LEAGUE (ADL). Who we are. Dísponível em: <https://www.adl.org/who-we-are>. Acessado em 20 de agosto de 2018.

ALEMANHA. Lei NetzDG, de 01 de Setembro de 2017. Disponível em: <https://www.gesetze-im-internet.de/netzdg/BJNR335210017.html> Acessado em 20 de agosto de 2018

BEN-DAVID, A.; MATAMOROS-FERNANDEZ, A. Hate speech and covert discrimination on social media: Monitoring the Facebook pages of extreme-right political parties in Spain. International Journal of Communication, v. 10, p. 1167-1193, Feb. 2016.

BRASIL. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Brasília. 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm>.

BULINGE, F. Radicalisation sur Internet: Méthodes et techniques de manipulation. Cahiers de la sécurité et de la justice, v. 30, p. 32–42, 2014. Disponível em: <https://archivesic.ccsd.cnrs.fr/sic_01804903> Acessado em: 15 out. 2018.

CITRON, Danielle Keats. Hate crimes in cyberspace. Boston: Harvard University Press, 2014.

CNBC. Mark Zuckerberg said an independent ‘Supreme Court’ could fix Facebook’s content problems. Disponível em: <https://www.cnbc.com/2018/04/02/facebook-ceo-mark-zuckerberg-on-a-supreme-court-for-content.html> Acessado em 23 de Agosto de 2018.

COHEN-ALMAGOR, Raphael. Holocaust denial is a form of hate speech. Amsterdam LF, v. 2, p. 33, 2009.

DORSEY, J. Disponível em: https://twitter.com/jack. Acessado em 21 de Setembro de 2018.

EUROPEAN COMMISSION. EU High Level Group on combating racism, xenophobia and other forms of intolerance. Disponível em: <https://ec.europa.eu/knowledge4policy/organisation/eu-high-level-group-combating-racism-xenophobia-other-forms-intolerance_en> Acessado em 23 de agosto de 2018.

FACEBOOK. Explaining Our Community Standards and Approach to Government Requests. Disponível em: <https://newsroom.fb.com/news/2015/03/explaining-our-community-standards-and-approach-to-government-requests/> Acessado em 20 de agosto de 2018.

FACEBOOK. Facebook, Microsoft, Twitter and YouTube Announce Formation of the Global Internet Forum to Counter Terrorism. June 26, 2017. Disponível em: <https://newsroom.fb.com/news/2017/06/global-internet-forum-to-counter-terrorism/> Acessado em 21 de agosto de 2018.

FACEBOOK lança campanha para combater o discurso de ódio no Reino Unido. Disponível em: <http://tecnologia.ig.com.br/2017-06-23/facebook-discurso-odio.html> Acessado em 16 de Setembro de 2017.

FACEBOOK. Padrões de Comunidade do Facebook. 23 junho de 2017. Disponível em: <https://www.facebook.com/communitystandards/>. Acessado em 21 de Setembro de 2018.

FACEBOOK. Trabalhamos para manter o facebook um lugar seguro. 17 julho de 2018. Disponível em: <https://br.newsroom.fb.com/news/2018/07/trabalhamos-para-manter-o-facebook-um-lugar-seguro/> Acessado em 22 de agosto de 2018.

FACEBOOK. Questões complexas: como combatemos o terrorismo. 15 de junho de 2017. Disponível em: <https://br.newsroom.fb.com/news/2017/06/questoes-complexas-como-combatemos-o-terrorismo/> Acessado em 22 de agosto de 2018.

FACEBOOK. Trabalhamos para manter o facebook um lugar seguro. 17 de julho de 2018. Disponível em: <https://br.newsroom.fb.com/news/2018/07/trabalhamos-para-manter-o-facebook-um-lugar-seguro/> Acessado em 22 de agosto de 2018.

GLOBO (O). Verizon, AT&T e Johnson & Johnson removem seus anúncios do YouTube. Globo, Rio de Janeiro, Caderno Economia, 23 março 2017. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/economia/verizon-att-johnson-johnson-removem-seus-anuncios-do-youtube-21105710> Acessado em 18 de agosto de 2018.

KNOBEL, M. L'internet de la haine. Racistes, antisémites, néonazis, intégristes, isla- mistes, terroristes et homophobes à l'assaut du web. Paris: Berg International Editeurs, 2012.

KUDLACEK, D.; TRESKOW, L.; MARSH, B.; FLEISCHER, S., PHELPS, M.; HALILOVIC PASTUOVIC, M. Gap analysis on counter radicalisation measures. Hannover: Kriminologisches Forschungsinstitut Niedersachsen, 2017. Disponível em: <https://f. hypotheses.org/wp-content/blogs.dir/2725/files/2017/11/Pericles-D1.2-Gap- Analysis-Report.pdf> Acessado em: 15 out. 2018.

RECUERO, R. A conversação em rede: Comunicação Mediada Pelo Computador e Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2014.

ROST, K.; STAHEL, L.; FREY, B. S. Digital social norm enforcement: Online firestorms in social media, PLoS ONE, v. 11, n. 6, 2016. Disponível em:

SANTOS, M. A. M dos. O discurso de ódio em Redes Sociais. São Paulo: Lura Editorial, 2016.

SENRA, R. 'Checava se alguém se mataria ao vivo': a rotina do brasileiro que moderava posts denunciados no Facebook. BBC Brasil, 8 nov. 2017. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-41912670>. Acessado em 22 de Setembro de 2018.

SHEPHERD, T.; HARVEY, A.; JORDAN, T.; SRAUY, S.; MILTNER, K. Histories of hating. Social Media + Society, v. 1, n. 2, 2015. Disponível em:

GUARDIAN (THE). What are four of the top social media networks doing to protect children? Disponível em: <https://www.theguardian.com/sustainable-business/2016/feb/09/social-media-networks-child-protection-policies-facebook-twitter-instagram-snapchat> Acessado em 22 de set. de 2018.

TWITTER. Imposição de nossa regras. Disponível em: <https://about.twitter.com/pt/safety/enforcing-our-rules.html> Acessado em: 21 de set. de 2018.

TWITTER. Twitter anuncia atualizações nas regras de segurança. 18 dez. 2017. Disponível em: <https://blog.twitter.com/official/pt_br/topics/company/2017/twitter-anuncia-atualizacoes-nas-regras-de-seguranca.html> Acessado em: 21 de set. de 2018.

TWITTER. Twitter detalha medidas contra uso indevido de robôs e desinformação. 28 setembro de 2017. Disponível em: <https://blog.twitter.com/official/pt_br/topics/company/2017/twitter-detalha-medidas-contra-uso-indevido-de-robos-e-desinformacao.html> Acessado em: 21 de set. de 2018.

TYNES, B. M.; ROSE, C. A.; MARKOE, S. L. Extending campus life to the Internet: Social media, discrimination, and perceptions of racial climate. Journal of Diversity in Higher Education, v. 6, n. 2, p. 102–114, 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1037/a0033267> Acessado em: 15 out. 2018.

WANG, B.; WANG, T.; WANG, A.; NIKA, H.; ZHENG, B.; ZHAO, B. Y. Whispers in the dark: Analyzing an anonymous social network. In: ACM CONFERENCE ON INTERNET MEASUREMENT CONFERENCE, 2014. Proceedings. Disponível em: <http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download;jsessionid=C1C6471A097391527B0337E5C6B82967?doi=10.1.1.697.312&rep=rep1&type=pdf> Acessado em: 15 out. 2018.

XIANG, G.; FAN, B.; WANG, L.; HONG, J.; ROSE, C. Detecting offensive tweets via topical feature discovery over a large scale twitter corpus. In: ACM INTERNATIONAL CONFERENCE ON INFORMATION AND KNOWLEDGE MANAGEMENT, 21., 2012. Proceedings. p. 1980–1984, 2012.

YOUTUBE. About policies. Disponível em: <https://www.youtube.com/intl/pt-BR/yt/about/policies/#community-guidelines>. Acessado em: 21 de set. de 2018.

YOUTUBE. Expanding our work against abuse of our platform. December 4, 2017. Disponível em: <https://youtube.googleblog.com/2017/12/expanding-our-work-against-abuse-of-our.html> Acessado em: 21 de set. de 2018.

Publicado
2019-01-21
Como Citar
Silva, L. R., Botelho-Francisco, R. E., Alisson Augusto de Oliveira, A., & Pontes, V. (2019). A gestão do discurso de ódio nas plataformas de redes sociais digitais: um comparativo entre Facebook, Twitter e Youtube. Revista Ibero-Americana De Ciência Da Informação, 12(2), 470-492. https://doi.org/10.26512/rici.v12.n2.2019.22025