Mecanismos de busca e as implicações nos aspectos de privacidade

Elaine Parra Affonso, Silvana Drumond Monteiro, Silvana Aparecida Borsetti Gregório Vidotti, Ricardo César Gonçalves Sant'Ana

Resumo


Os mecanismos de busca utilizam de estratégias para lidar com a sobrecarga de informações e disponibilizar resultados mais eficientes, tal como a busca personalizada, que ao coletar diversos dados dos participantes podem resultar em ameaças à privacidade. Este trabalho tem o objetivo de explicitar questões de privacidade, considerando aspectos de consciência e controle do usuário no processo de coleta de dados por parte dos mecanismos de busca. Realizou-se uma análise exploratória nas políticas de privacidade do Google e Bing para identificar possíveis dados coletados por esses mecanismos. Os dados foram agrupados em categorias e analisados tanto em relação à menção nas políticas quanto à possibilidade de controle do usuário. A menção à coleta de dados especificamente pelos mecanismos é pouca evidenciada, e embora haja possibilidade de controle, é necessário interpretar exaustivas políticas e configurações de privacidade para que o usuário tenha consciência sobre esse processo. Conclui-se que a díade privacidade-benefício pode implicar no controle sobre a coleta de dados, e a busca pela relevância nos resultados se sobrepõe à garantia de privacidade, pois quando usuários controlam suas configurações e limitam a coleta de dados, tornam menos relevantes os resultados, e ao personalizar, abrem portas de acesso a seus dados.


Palavras-chave


Bing, Busca Personalizada; Google; Mecanismo de busca; Privacidade

Texto completo:

PDF

Referências


ACQUISTI, A.; BRANDIMARTE, L.; LOEWENSTEIN, G. Privacy and human behavior in the age of information. Science, v. 347, n. 6221, p. 509-514, 2015. Disponível em: http://www.cmu.edu/dietrich/sds/docs/loewenstein/PrivacyHumanBehAgeInfo.pdf. Acesso em: 2 fev. 2016.

AKERLOF, G. The market for “lemons”: Quality uncertainty and the market mechanism. In: Essential Readings in Economics. Macmillan Education UK, 1995. p. 175-188. Disponível em: https://www.iei.liu.se/nek/730g83/artiklar/1.328833/AkerlofMarketforLemons.pdf. Acesso em: 20 ago. de 2016.

ASIMOV, I. The last Question, 1956. Disponível em: http://www.physics.princeton.edu/ph115/LQ.pdf. Acesso em: 2 fev. 2016.

BATTELLE, J. A Busca. Como o Google e seus competidores reinventaram os negócios e estão transformando nossas vidas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

BERGSTRÖM, A. Online privacy concerns: A broad approach to understanding the concerns of different groups for different uses. Computers in Human Behavior, v. 53, p. 419-426, 2015. Disponível em:http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0747563215300364. Acesso em: 8 jan. 2016.

BORKO, H. Information science: what is it? American Documentation, v. 19, n. 1, p. 3-5, 1968.

BRUSILOVSKY, P.; AHN, J. Adaptive visualization of search results: bringing user models to visual analytics. Information Visualization, v. 8, n.3, p. 167-179, 2009.

CALDEIRA, F. H. O mecanismo de busca do Google e a relevância na relação sistema-usuário. Letrônica, v. 8, n. 1, p. 91-106, 2015. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/letronica/article/viewArticle/19616. Acesso em: 3 fev. 2016.

CAPURRO, R. R. Capurro, filósofo: ‘Há uma esquizofrenia entre mundo real e digital’: depoimento. O Globo, Rio de Janeiro. Entrevista concedida a Sérgio Matsuura. [4 de Dezembro de 2014]. Disponível em: http://oglobo.globo.com/sociedade/conte-algo-que-nao-sei/rafael-capurro-filosofo-ha-uma-esquizofrenia-entre-mundo-real-digital-14738635. Acesso em: 02 mar. 2016.

CHAUI, M. Convite à filosofia. Ática, 1995.

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

GOOGLE. Controle de atividade. 2016a. In: GOOGLE. Minha conta. Disponível em: https://myactivity.google.com/myactivity. Acesso em: 15 ago. 2016.

GOOGLE. Check –up de privacidade. 2016b. In: GOOGLE. Minha conta. Disponível em: https://myaccount.google.com/intro/privacycheckup/1?hl=pt-BR. Acesso em: 8 fev. 2016.

GOOGLE. Quais são os dados que o Google coleta? 2016c. In: Privacidade Google. Disponível em: https://privacy.google.com/data-we-collect.html. Acesso em: 8 ago. 2016.

GOOGLE. Políticas de privacidade do Google. 2016d. Disponível em: https://www.google.com.br/intl/pt-BR/policies/privacy/?fg=1. Acesso em: 8 ago. 2016.

GOOGLE. Painel do Google. 2016e. Disponível em: https://www.google.com/settings/dashboard?hl=pt-BR. Acesso em: 2 ago. 2016.

GLOBAL COMMISSION ON INTERNET GOVERNANCE. Toward a Social Compact for Digital Privacy and security - Statement by the Global Commission on Internet Governance. Ontario: Centre for International Governance Innovation and Chatham House (CIGI), 2015. Disponível em: https://www.chathamhouse.org/sites/files/chathamhouse/field/field_document/20150415GCIG2.pdf. Acesso em: 2 fev. 2016.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MACHADO, J. M. S. A expansão do conceito de privacidade e a evolução na tecnologia de informação com o surgimento dos bancos de dados. Revista da AJURIS, v. 41, n. 134, 2014. Disponível em: http://www.ajuris.org.br/OJS2/index.php/REVAJURIS/article/view/206. Acesso em: 12 fev. 2016.

MALHOTRA, N. K.; KIM, S. S.; AGARWAL, J. Internet users' information privacy concerns (IUIPC): The construct, the scale, and a causal model. Information Systems Research, v. 15, n. 4, p. 336-355, 2004. Disponível em: http://csis.pace.edu/ctappert/dps/d861-09/team2-2.pdf. Acesso em: 8 Jan. 2016.

MENDONÇA, F. G. O direito à autodeterminação informativa: a (des) necessidade de criação de um novo direito fundamental para a proteção de dados pessoais no Brasil. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE DEMANDAS SOCIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA, 11, 2014. Anais... Disponível em: https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidspp/article/view/11702. Acesso em: 18 fev. 2016

MICROSOFT. Políticas de privacidade da Microsoft. 2016a Disponível em: https://privacy.microsoft.com/pt-br/privacystatement. Acesso em: 18 ago. 2016.

MICROSOFT. Configurações do Bing. 2016b. Disponível em: https://www.bing.com/account/general. Acesso em: 28 ago. 2016.

MONTEIRO, S. D. As múltiplas sintaxes dos mecanismos de busca no ciberespaço. Informação & Informação, v. 14, n. 1 esp., p. 68-102, 2009. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/viewArticle/2027. Acesso em: 5 jan. de 2016.

MONTEIRO, S. D. et al. Em busca da compreensão da “busca” no ciberespaço. In: ENANCIB: POLÍTICAS DE INFORMAÇÃO PARA A SOCIEDADE, 12. 2011. Disponível em: http://www.uel.br/grupo-pesquisa/ciberespaco/doc/xii_enancib_busca_2011.pdf. Acesso em: 12 dez. 2015.

MORVILLE, P. Ambient findability: libraries at the Crossroads of Ubiquitous Computing and the Internet. Exploring Technology & Resources for Information Professionals, v. 29, n. 6, Nov./Dec. 2005. Disponível em: http://www.infotoday.com/online/nov05/morville.shtml. Acesso em: 18 fev. 2016

MORVILLE, P.; CALLENDER, J. Search patterns: design for discovery. Sebastopol, CA: O'Reilly Media, 2010.

PARISER, E. O filtro Invisível – O que a Internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

RADER, E. Awareness of behavioral tracking and information privacy concern in Facebook and Google. In: SYMPOSIUM ON USABLE PRIVACY AND SECURITY (SOUPS) Menlo Park, CA, USA. Proceedings. 2014. Disponível em: https://www.usenix.org/system/files/conference/soups2014/soups14-paper-rader.pdf. Acesso em: 24 jan. 2016.

RODOTÀ, S. Tecnologie e diritti. Bologna: Il Mulino, 1995.

ROMERO-TRIS, C. et al. Design of a P2P network that protects users’ privacy in front of Web Search Engines. Computer Communications, v. 57, p. 37-49, 2015.

ROSEN, J. Purposes of Privacy: A Response. Geo. LJ, v. 89, p. 2117, 2001. Disponível em: http://scholarship.law.gwu.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1979&context=faculty_publications. Acesso em: 8 jan. 2016.

SANT’ANA, R. C. G. Ciclo de vida dos dados e o papel da Ciência da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 14, 2013, Florianópolis (SC). Anais 2013. Disponível em: http://enancib2013.ufsc.br/index.php/enancib2013/XIVenancib/paper/viewFile/284/319. Acesso em: 5 fev. 2016.

SERRES, M. Hominescências: o começo de uma outra humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

VECHIATO, F. L.; VIDOTTI, S. A. B. G. Recomendações de usabilidade e de acessibilidade em projetos de ambientes informacionais digitais para idosos. Tendências da pesquisa brasileira em ciência da informação, p. 1-23, 2012. Disponível em: http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/114755/ISSN19835116-2012-05-01-01-23a.pdf?sequence=1. Acesso em: 20 ago. de 2016.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas III. Madri: Visor, 1995, 383p.

WARREN, S. D.; BRANDEIS, L. D. The right to privacy. Harvard Law Review, v. 4, n. 5, p. 193-220, 1890. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/pdf/1321160.pdf?acceptTC=true. Acesso em: 6 fev. 2016.

WESTIN, A. F. Privacy and freedom. New York: Atheneum, 1967.

WESTIN, A. F. Social and political dimensions of privacy. Journal of Social Issues, v. 59, n. 2, p. 431-453, 2003.

WOO, J. The right not to be identified: privacy and anonymity in the interactive media environment. New Media & Society, v. 8, n. 6, p. 949-967, 2006.

XING, X. et al. Exposing Inconsistent Web Search Results with Bobble. In: FALOUTSOS, M.; KUZMANOVIC, A. (Org.). Passive and Active Measurement. Los Angeles: Springer International Publishing, 2014. p. 131-140. Disponível em: http://cseweb.ucsd.edu/~snoeren/papers/bobble-pam14.pdf. Acesso em: 5 jan. 2016




UnB Revista Ibero-americana de Ciência da Informação (RICI)
ISSN 1983-5213
Faculdade de Ciência da Informação (FCI)
Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação

 

 

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.