Ubiquidade e ciência da informação

  • Fabricio Foresti Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Ciência da Informação, Florianópolis, SC, Brasil
  • Varvakis Gregorio Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia do Conhecimento, Florianópolis, SC, Brasil
  • Angel Freddy Godoy Vieira Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Ciência da Informação, Florianópolis, SC, Brasil
Palavras-chave: Ciência da informação. Dispositivos móveis. Ubiquidade.

Resumo

A ubiquidade é a presença virtual em muitos lugares concomitantemente e está intimamente ligada aos fenômenos contemporâneos de acesso e uso de informação. A pesquisa bibliográfica tem como objetivo evidenciar o caráter ubíquo da informação e explorar as consequências da ubiquidade nos usuários. Os procedimentos metodológicos adotados exprimem a busca por artigos nas bases de dados Brapci, Scopus e Google Acadêmico, com ênfase na grande área de Ciências Sociais Aplicadas. Os materiais recuperados contém o termo ubiquidade no texto, título ou resumo, sem restrições temporais. Os resultados mostram que a ubiquidade não é tema novo em Ciência da Informação, embora pouco discutido. Fica evidente que o usuário se transforma e sofre o peso da ubiquidade de muitas formas. Conclui que o objetivo de explorar a temática sob o viés da Ciência da Informação foi alcançado, mas que são necessários muitos outros estudos, com métodos variados, para que seja plenamente compreendido o fenômeno da ubiquidade e seus impactos sobre o novo usuário móvel.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabricio Foresti, Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Ciência da Informação, Florianópolis, SC, Brasil

Doutorando em Ciência da Informação. Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2016). Bacharel em Biblioteconomia UFSC (2006). Possui larga experiência na área de Arquivologia. É programador e web designer. Possui trabalhos em gestão da informação e conhecimento. Poeta e músico amador.

Varvakis Gregorio, Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia do Conhecimento, Florianópolis, SC, Brasil

Possui graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1979), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (1982) e doutorado em Manufacturing Engineering - Loughborough University of Technology (1991). Atualmente é professor titular da Universidade Federal de Santa Catarina, Depto de Engenharia do Conhecimento. Tem experiência na área de Gestão, com ênfase em Gestão de Processos, Gestão do Conhecimento e Gestão de Organizações de Serviços, atuando principalmente nos seguintes temas: inovação, gestão do conhecimento, produtividade, melhoria contínua, tecnologia de informação e fluxo informacional.

Angel Freddy Godoy Vieira, Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Ciência da Informação, Florianópolis, SC, Brasil

Possui graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1979), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (1982) e doutorado em Manufacturing Engineering – Loughborough University of Technology (1991). Atualmente é professor associado da Universidade Federal de Santa Catarina, Depto de Engenharia do Conhecimento. Tem experiência na área de Gestão, com ênfase em Gestão de Processos Gestão do Conhecimento e Gestão de Organizações de Serviços, atuando principalmente nos seguintes temas: inovação, gestão do conhecimento, produtividade, melhoria contínua, tecnologia de informação e fluxo informacional.

Referências

ALBAGLI, Sarita. In: ALBAGLI, Sarita. (org.). Fronteiras da Ciência da Informação. Brasília: IBICT, 2013. p. 109-128.

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini. Currículo e narrativas digitais em tempos de ubiquidade: criação e integração entre contextos de aprendizagem. Revista Educação Pública, Cuiabá, v. 25, n. 59/2, p. 526-546, maio/ago. 2016.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

BLACK MIRROR. Criação de Charlie Brooker. Duração: 44-84 min. Netflix. Emissora original: Zepotron. Inglaterra, 2011. son., color. (Série).

BUCKLAND, M. Information as thing. Journal of the American Society for Information Science, v. 42, 351–36, 1991.

BURFORD, Sally; PARK, Sora. The impact of mobile tablet devices on human information behaviour. Journal of Documentation, v. 70, n. 4, p. 622-639, 2014. Disponível em: http://www.emeraldinsight.com/doi/abs/10.1108/JD-09-2012-0123. Acesso em: 16/01/2018.

CANEVACCI, Massimo. Ubiquidade etnográfica: original fake, codex expandido, sujeito transurbano, manequim performática. Visualidades, Goiânia v. 10 n. 2, p. 13-39, jul./dez. 2012. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/VISUAL/article/viewFile/26548/15142 Acesso em: 16/01/2018.

CAPURRO, R.; HJØRLAND, B. O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 12, n. 1, p. 148-207, abr. 2007. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2011/04/pdf_68c8ad4792_0015423.pdf Acesso em: 16/01/2018.

CARBONELL, Xavier; OBERST, Ursula; BERANUY, Marta. The Cell Phone in the Twenty-First Century: A Risk for Addiction or a Necessary Tool? In: Principles of Addiction: Comprehensive Addictive Behaviors and Disorders. San Diego: Academic Press, Elsevier, 2013, p. 901-909. Disponível em: https://www.elsevier.com/books/principles-of-addiction/miller/978-0-12-398336-7 Acesso em: 16/01/2018.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar: 2003.

COELHO, Pedro. A investigação jornalística em televisão: algumas reflexões sobre o futuro do jornalismo televisivo. In.: SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. p. 105-122. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

CORREIA, João Carlos. Ubiquidade: a próxima revolução televisiva. In.: SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. p. 39-52. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

DIAS, Rosilãna Aparecida. Tecnologias digitais e currículo: possibilidades na era da ubiquidade. Revista de Educação do Cogeime, v. 19, n. 36, janeiro/junho 2010. Disponível em: http://www.cogeime.org.br/revista/36Artigo04.pdf Acesso em: 16/01/2018.

DE MASI, Domenico. Criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro: Sextante, 2003. 795 p.

DEURSEN, Alexander J. A. M. Van et al. Modeling habitual and addictive smartphone behavior. The role of smartphone usage types, emotional intelligence, social stress, self-regulation, age and gender. Computers in Human Behavior, v. 45, p. 411-420, 2015. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0747563214007626 Acesso em: 16/01/2018.

DUMONT, Ligia Maria Moreira; GATTONI, Roberto Luís Capuruço. As relações informacionais na sociedade reflexiva de Giddens. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 3, p. 46-53, set./dez. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v32n3/19023.pdf Acesso em: 16/01/2018.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. 165 p.

FOGL, J. Relations of the concepts 'information' and 'knowledge'. International Forum on Information and Documentation, The Hague, v. 4, n. 1, p. 21-24, 1979.

FONTES, Gabriela Scroczynski; GOMES, Icléia Rodrigues de Lima e. Cibercidades: as tecnologias de comunicação e a reconfiguração de práticas sociais. Informação e Informação, Londrina, v. 18, n. 2, p. 60-76, mai./ago. 2013. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000013517/17da2f11a5adc3cb6098ad58fbc95f1c/ Acesso em: 16/01/2018.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. 2. ed. Porto Alegre: L&PM, 2014. 272 p.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002. 233 p.

GLEIK, James. A informação: uma história, uma teoria, uma enxurrada. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

GODOY VIERA, Angel Freddy; FORESTI, Fabricio. A ubiquidade proporcionada pelos dispositivos móveis e o fluxo da informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 16, n. 4, ago. 2015. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000018788/bf168919420a81bd1ef0fb21faefac67 Acesso em: 16/01/2018.

GRADIM, Anabela. A televisão no seu labirinto. In.: SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. p. 69-82. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

HER. Direção e roteiro de Spike Jonze. Produção de Megan Ellison, Spike Jonze, Vincent Landay. Duração de 126 min. Sony Pictures, Estúdio Annapurna Pictures, 2013. DVD (126 min.) son., color.

HOUAISS, Antônio; Villar, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JOST, François. Que relação com o tempo nos é prometida na era da ubiquidade televisiva? In:

SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015, p. 9-24. (Jornalismo). Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

LE BRETON, David. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. Campinas, SP: Papirus, 2003. 240 p.

LE COADIC, Yves-François. A ciência da informação. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 1996.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: 34, 1999. 264 p.

MANTOVANI, Camila Maciel Campolina Alves; MOURA, Maria Aparecida. Informação, interação e mobilidade. Informação e Informação, Londrina, v. 17, n. 2, p. 55-76, maio/ago. 2012. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000012584/754336f37daffea6a3b634cf5e822cdf/ Acesso em: 16/01/2018.

MASIP, Pere; SUAU, Jaume. Informação e participação na era da televisão ubíqua. In.: SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. p. 125-144. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

MONTRESOL, Eliane Cintra. O Receptor das Mídias Digitais. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 20-35, 2010. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/174 Acesso em: 16/01/2018.

MOROZOV, Evgeny. The net delusion: the dark side of internet freedom. New York: Publicaffairs, 2011. Disponível em: https://tropicaline.files.wordpress.com/2011/04/netdelusion.pdf Acesso em: 16/01/2018.

NIETZSCHE, Friedrich W. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução de Mário da Silva. 12. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. 381 p.

NOGUEIRA, Luís; MERINO, Francisco. Ubiquidade, convergência e ontologia da imagem televisiva. In.: SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. p. 53-65. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

ODENDAAL, Nancy. Space matters: the relational power of mobile technologies. Urbe Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 6, n. 1, p. 31-45, jan./abr. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2175-33692014000100004&script=sci_abstract Acesso em: 16/01/2018.

OULASVIRTA, Antti et al. Habits make smartphone use more pervasive. Personal and Ubiquitous Computing, v. 16, n. 1, p. 105-114, January 2012. Disponível em: https://dl.acm.org/citation.cfm?id=2124486 Acesso em: 16/01/2018.

PELLANDA, Eduardo Campos. Comunicação móvel: das potencialidades aos usos e aplicações. Em questão, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 89-98, jan./jun. 2009. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/6478 Acesso em: 16/01/2018.

POWERS, Willian. O blackberry de Hamlet: uma filosofia prática para viver bem na era digital. São Paulo: Alaúde Editorial, 2012.

ROCKEMBACH, Moisés. Evidência da Informação em plataformas digitais: da reflexão teórica à construção de um modelo. Informação Arquivística, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 89-109, jan./jun., 2013. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/view/0000018247/54c3e46d15ff7ad74d4ffbca40f3f88e Acesso em: 16/01/2018.

ROSSINI, Miriam de Souza. Possibilidades de ubiquidade no audiovisual contemporâneo. In.: SOUZA FILHO, Washington. A influência da tecnologia na transformação da televisão no século XXI. In.: SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. p. 83-104. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

SÁ, Sônia. O espectador em alta definição. In.: SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. p. 145-168. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

SANTAELLA, Lucia. Desafios da ubiquidade para a educação. Revista Ensino Superior Unicamp, Especial Novas mídias e ensino superior, n. 9, p. 19-28, abril/junho 2013. Disponível em: https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/edicoes/edicoes/ed09_abril2013/NMES_1.pdf Acesso em: 16/01/2018.

SARACEVIC, Tefko. Information Science. Journal of the American Society for Information Science, v. 50, n. 12, p. 1051-1063, 1999.

SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. 305 p. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

SERRA, Paulo. A televisão e a ubiquidade como experiência. In.: SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. p. 25-38. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

SOUZA FILHO, Washington. A influência da tecnologia na transformação da televisão no século XXI. In.: SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. p. 83-104. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

TEIXEIRA, Juliana Fernandes. Os princípios de composição do audiovisual nos dispositivos móveis: uma análise das inovações (ou ausência delas) nos conteúdos jornalísticos exclusivos para tablets. In.: SERRA, Paulo; SÁ, Sônia; SOUZA FILHO, Washington. A televisão ubíqua. Covilhã, Portugal: Livros LabCom, 2015. p. 253-278. Disponível em: http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150529-201507_pserrassawfilho_tvubiqua.pdf Acesso em: 16/01/2018.

TILL, Chris. Architects of time: Labouring on digital futures. Thesis Eleven, v. 1, n. 118, p. 33–47, 2013. Disponível em: https://deakin.rl.talis.com/items/6179A8C8-7FE1-F57E-1B55-793B7606520D.html Acesso em: 16/01/2018.

VITORINO, Elizete Vieira; PIANTOLA, Daniela. Dimensões da Competência Informacional. Ciência da Informação, Brasília, v. 40, n. 1, p. 99-110, jan./abr. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v40n1/a08v40n1.pdf Acesso em: 16/01/2018.

ZONG, Bu. From smartphones to iPad: Power users’ disposition toward mobile media devices. Computers in Human Behavior, n. 29, p. 1742-1748, 2013. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0747563213000824 Acesso em: 16/01/2018.

Publicado
2018-11-19
Como Citar
ForestiF., GregorioV., & Godoy VieiraA. F. (2018). Ubiquidade e ciência da informação. Revista Ibero-Americana De Ciência Da Informação, 12(1), 191-216. https://doi.org/10.26512/rici.v12.n1.2019.19106