Cultura do bem ou do mal?

Reflexões sobre o tecnobrega em Belém do Pará

  • Paulo Murilo Guerreiro do Amaral Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Tecnobrega, Estigma, Cosmopolitismo, Festas de aparelhagem, Música no Pará, Música do Pará

Resumo

Baseado em uma pesquisa etnográfica no âmbito da qual eu refleti sobre as noções de estigma e cosmopolitismo relacionadas ao tecnobrega, este texto visa abranger algumas questões epistemológicas da Etnomusicologia que, por um lado, orientaram a minha investigação de um modo geral, assim como, por outro, auxiliaram-me na descrição e análise do contexto de produção dessa música.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Appadurai. A. 1991. “Global Ethnoscapes: Notes and Queries for a Transnational Anthropology”. In Recapturing Anthropology, organizado por R. G. Fox, 191-210. Santa Fe: School of American Research Press.

Araújo, Samuel. 1987. “Music and Conflict in Urban Brazil”. Dissertação de Mestrado em Música, University of Illinois at Urbana-Champaign.

Friedman, J. 2000. “Americans Again or the New Age of Imperial Reason?” Theory, culture and society 17, no.1: 139-146.

Frith, Simon. 2004. “What is Bad Music”. In Bad Music: The Music We Love to Hate, editado por Christopher J. Washburne e Maiken Derno, 14-36. New York: Routledge.

Goffman, E. 1986. Stigma: Notes on the Management of Spoiled Identity. New York: Touchstone.

Hannerz, U. 1999. “Cosmopolitas e locais na cultura global”. In Cultura Global: nacionalismo, globalização e modernidade, organizado por M. Featherstone, 251-266. Petrópolis: Vozes.

Lemos, Ronaldo, Oona Castro. 2008. Tecnobrega: o Pará reinventando o negócio da música. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2008.

Napolitano, M. 1998. “A Invenção da Música Popular Brasileira: um campo de reflexão para a História Social”. Latin American Music Review 19, no. 1 (Spring-Summer): 92-105.

Oakes, J. L. 2004. “Pop Music, Racial Imagination, and the Sounds of Cheese”. In Bad Music: The Music We Love to Hate, editado por Christopher J. Washburne e Maiken Derno, 62-82. New York: Routledge.

Rabossi, F. 1999. “Os limites de nosso auto-retrato: antropologia urbana e globalização. Entrevista com Ulf Hannerz”. Mana 5, no. 1: 149-155.

Ribeiro, G. L. 2003. “Cosmopolíticas”. In Postimperialismo: Cultura y Política en el Mundo Contemporáneo, 17-35. Barcelona, Gedisa.

Sahlins, M. 1997. “O ‘pessimismo sentimental’ e a experiência etnográfica: porque a cultura não é um ‘objeto’ em via de extinção (segunda parte)”. Mana 3, no. 2: 103-150.

Turino, T. 2000. Nationalists, Cosmopolitans, and Popular Music in Zimbabwe. Chicago: University of Chicago Press.

Velho, G. 1994. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Zahar.

Vianna, H. 2003. “Tecnobrega: música paralela”. Folha de São Paulo, Caderno Mais, 13 out 2003, 10-11.

Washburne, Christopher J., Maiken Derno. 2004. “Bad Music: The Music We Love to Hate”. In Bad Music: The Music We Love to Hate, editado por Christopher J. Washburne e Maiken Derno, 1-14. New York: Routledge.

Publicado
2019-07-05
Como Citar
Amaral, Paulo. 2019. Cultura Do Bem Ou Do Mal?. Música Em Contexto 13 (1), 124-37. http://periodicos.unb.br/index.php/Musica/article/view/26592.
Seção
Artigos