Nacionalismo no metal brasileiro parte 1

uma introdução

Palavras-chave: Nacionalismo, Rock, Heavy metal, Ritmo, Melodia, Timbre, Mário de Andrade

Resumo

Esse artigo é uma introdução ao nacionalismo em música e seus usos para a criação de uma percepção identitária no Metal produzido no Brasil. Para alcançar esse objetivo, pretendo investigar quais os sinais evidentes que o público do Metal procura e o que as bandas exibem, para marcar seu pertencimento à cultura brasileira. Dessa forma, procuro analisar o uso de determinada simbologia da cultura local/nacional em produções audiovisuais como forma de, por um lado, criar uma identificação com as práticas musicais locais, e por outro lado, criar um diferencial em relação às tradicionais bandas de metal estrangeiras. Esse texto inicia com uma abordagem histórica sobre a construção do nacionalismo musical brasileiro por meio do uso constante de certos padrões de ritmo, melodia e timbre, para depois abordar as características do gênero Rock em geral e do Rock no Brasil. Em seguida tratarei sobre o gênero Metal no Brasil e finalizo com uma proposta de referenciais teóricos para essa análise etnomusicológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hugo L Ribeiro, Dr, Universidade Federal de Sergipe / Universidade de Brasília

Dr., professor de música na Universidade de Brasília, Brasil. Possui Bacharelado em composição musical, e mestrado e doutorado em etnomusicologia pela Universidade Federal da Bahia. É autor de “As Taieieras”, um livro sobre grupos tradicionais no Nordeste do Brasil, e “Da fúria à melancolia” sobre a cena metal em uma pequena cidade do Brasil. Atualmente é editor-chefe do periódico Música em Contexto.

Referências

Abramo, Bia. 1996. “Cultura: Rock made in Brasil”. Teoria e Debate 32. Disponível em http://csbh.fpabramo.org.br/o-que-fazemos/editora/teoria-e-debate/edicoes-anteriores/cultura-rock-made-brasil, acessado em 10 dezembro 2018.

Albin, Ricardo Cravo. 2017. “Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira”. 2017. Disponível em http://www.dicionariompb.com.br, acessado em 10 dezembro 2018.

Alvarenga, Hermes Cuzzol. 2000. “Ousadia e convenção no Segundo Concerto para Violino e Orquestra de Camargo Guarnieri”. Série Estudos 5: 183–256.

Andrade, Mario de. 2006. Ensaio sobre a música brasileira. Belo Horizonte: Itatiaia.

Andrade, Oswaldo de. 1976. “O manifesto antropófago”. In Vanguarda européia e modernismo brasileiro: apresentação e crítica dos principais manifestos vanguardistas, organizado por Gilberto Mendonça Teles. Brasilia: INL.

Avelar, Idelber. 2001. “Defeated Rallies, Mournful Anthems, and the Origins of Brazilian Heavy Metal”. In Brazilian Popular Music and Globalization, organizado por Christopher Dunn e C. Peronne, 123–35. Gainsville: University of Florida Press.

Avelar, Idelber. 2004. “De Mílton ao Metal: política e música em Minas”. In Anais do V Congresso Latino-americano da Associação para o Estudo da Música Popular – IASPM-LA. Rio de Janeiro.

Avelar, Idelber. 2005. “De Mílton ao Metal: política e música em Minas”. ArtCultura: Revista de História, Cultura e Arte do Instituto de História e do Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal de Uberlândia 9: 26–37.

Avelar, Idelber. 2011a. “O manguebeat e a superação do fosso entre o nacional e o jovem na música popular”. Outra Travessia 11: 25–37.

Avelar, Idelber. 2011b. “Otherwise National: locality and power in the art of Sepultura”. In Metal Rules the Globe: Heavy Metal Music Around the World, organizado por Jeremy Wallach, Paul Green, e Harris M. Berger, 135–60. London: Duke University Press.

Azevedo, Luiz Heitor Corrêa de. 1956. 150 Anos de Música no Brasil (1800 – 1950). Rio de Janeiro: Livraria José Olimpio.

Barcinski, André. 1999. Sepultura: toda a história. São Paulo: Editora 34.

Barth, Frederick. 1969. “Introduction”. In Ethnic Groups and Boundaries: The Social Organization of Culture Difference, organizado por Frederick Barth, 9–38. Bergen, Oslo: Universitets Forlaget.

Blacking, John. 1973. How Musical is Man? The Jessie and John Danz Lectures. Seattle and London: University of Washington Press.

Blitz, Matt. 2016. “How Sam Phillips invented the sound of rock and roll: the unusual engineering behind a legendary sound”. Popular Mechanics, agosto. Disponível em https://www.popularmechanics.com/culture/music/a22237/sam-phillips-sun-studio, acessado em 10 dezembro 2018.

Burkholder, Peter. 2014. “Quotation in american music”. In Grove Music Online. Oxford: Oxford University Press. Disponível em http://www.oxfordmusiconline.com/subscriber/article/grove/music/A2257170, acessado em 10 dezembro 2018.

Costa, Luís Adriano Mendes. 2011. “Movimento Armorial: o erudito e o popular na obra de Antonio Carlos Nóbrega”. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba.

Cunha, André Araújo L. da. 2013. “Rogério Duprat, o quarto Mutante: A trajetória do compositor vanguardista junto ao grupo de rock brasileiro”. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Egg, André Acastro. 2004. “O debate no campo do nacionalismo musical no Brasil dos anos 1940 e 1950: o compositor Guerra-Peixe”. Curitiba: Universidade Federal do Paraná.

Fabbri, Franco. 1981. “A theory of musical genres: two applications”. In Popular Music Perspectives, 52–81. Gothenburg, Exeter: International Association for the Study of Popular Music. Disponível em https://www.tagg.org/others/ffabbri81a.htm, acessado em 10 dezembro 2018..

Fonseca, Gracielle, Filipe Sartoreto, e Rafael Sette Câmara. 2009. Ruído das Minas: a origem do heavy metal em Belo Horizonte. Disco Digital Versátil, DVD.

Hall, Stuart. 1997. Representation: cultural representation and signifying practices. London: Sage Publications.

“Heleninha Silveira”. 2002. DICIONÁRIO Cravo Albin da música popular brasileira. 2002. Disponível em http://dicionariompb.com.br/heleninha-silveira, acessado em 10 dezembro 2018.

Jardim Júnior, Nilton Silva. 2011. “Maracatu Metálico: influência de ritmos brasileiros na obra das bandas Angra e Sepultura”. Anais do Seminário Nacional da Pós-Graduação em Ciências Sociais – UFES. 1 (1).

Jeder Junior. 2006. “Por uma análise midiática da música popular massiva. Uma proposição metodológica para a compreensão do entorno comunicacional, das condições de produção e reconhecimento dos gêneros musicais”. E-Compós 6 (0). Disponível em https://doi.org/10.30962/ec.v6i0.84, acessado em 10 dezembro 2018.

Kahn-Harris, Keith. 2000. “oots?: The Relationship Between the Global and the Local Within the Global Extreme Metal Scene”. Popular Music 19 (1): 13–30.

Kenneally, T. 1996. “Conga Din Sepultura – Sepultura pays loud homage to the music of its native Brazil”. Guitar World, 1996.

Lewy, Matthias. 2017b. “‘Com o arquivo de volta ao campo’. A reinterpretação e recontextualização das gravações de KochGrünberg (1911) entre o povo Pemón”. Música em Contexto, Música em Contexto, XI: 251–88.

“Lundu”. 2002. In DICIONÁRIO Cravo Albin da música popular brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Cultural Cravo Albin. Disponível em http://dicionariompb.com.br/lundu, acessado em 10 dezembro 2018.

“Manguebeat - da cena ao álbum: performances midiáticas de Mundo Livre S/A e Chico Science & Nação Zumbi”. 2007. Salvador de Bahia: Universidade Federal da Bahia.

Mariz, Vasco. 2005. História da Música no Brasil. Rio de Janeiro: Nova fronteira.

Paz, Ermelinda A. 1994. As estruturas modais na música folclórica brasileira. Rio de Janeiro: Cadernos Didáticos da UFRJ.

Ribeiro, Hugo L. 2010. Da fúria à melancolia: a dinâmica das identidades na cena rock underground de Aracaju. São Cristóvão: Editora da UFS.

Ribeiro, Hugo L. 2016. “Heavy, death and doom metal in Brazil: A study on the creation and maintenance of stylistic boundaries within metal bands”. In Heavy metal, gender and sexuality: interdiscipçinary approaches, organizado por Florian Heesch e Niall Scott. New York: Routledge.

Ribeiro, Lúcio. 2002. “Sepultura”. In Música popular brasileira hoje, organizado por Arthur Nestrovski, 267–69. São Paulo: Publifolha.

Rice, Timothy. 2017. “Reflection on Music and Identity in Ethnomusicology”. In Modeling Ethnomusicology, organizado por Timothy Rice, 139–60. Oxford: Oxford University Press.

Saconi, Rose. 2015. “O rock proibidão do ‘Ao Balanço das Horas’”. Estadão, 5 de novembro de 2015. Disponível em http://acervo.estadao.com.br/noticias/acervo,o-rock-proibidao-do-ao-balanco-das-horas,11698,0.htm, acessado em 10 dezembro 2018.

Sandroni, Carlos. 2002. “O paradigma do tresillo”. Opus 8: 102–13.

Silva, Bernard Arthur Silva da. 2014. “Mundo metálico belenense e política cultural: declínio e reorganização do Heavy Metal paraense (1993-1996)”. Belém: Universidade Federal do Pará.

Silva, Débora Borges da. 2014. “O Movimento Armorial e os aspectos técnicos-interpretativos do concertino para violino e orquestra de câmara de César Guerra-Peixe”. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Stefani, Gino. 2007. “Uma Teoria de Competência Musical”. Traduzido por Martha Tupinambá Ulhôa. Revista Música e Cultura 2. Disponível em http://www.abet.mus.br/revista, acessado em 10 dezembro 2018.

Stokes, Martin, org. 1994. Ethnicity, identity, and music: the Musical Construction of Place. Oxford: Berg Publishers.

Tagg, Phillip. 1982. “Analyzing Popular Music: Theory, Method and Practice”. Popular Music 2: 37–65.

Tagg, Phillip. 2004. “Para Que Serve um Musema? Antidepressivos e a Gestão Musical da Angústia”. Disponível em www.tagg.org/articles/xpdfs/paraqueserveummusema.pdf, acessado em 10 dezembro 2018.

Tagg, Phillip. 2012. Music’s Meanings: a modern musicology for non‐musos. New York, Huddersfield: The Mass Media Music Scholar’s Press.

Taruskin, Richard. 2017. “Nationalism”. In Grove Music Online. Disponível em http://www.oxfordmusiconline.com/subscriber/article/grove/music/50846, acessado em 10 dezembro 2018.

Turino, Thomas T. 2008. Music as Social Life: the politics of participation. Chicago: University of Chicago Press.

Ulhôa, Martha Tupinambá. 1999. “A análise da música brasileira popular”. Cadernos do Colóquio 1 (1): 61–68.

Veiga, Manuel. not published. “O cancioneiro de Castro Alves”. Disponível em http://www.hugoribeiro.com.br/biblioteca-digital/Veiga-Cancioneiro_Castro_Alves_1.pdf, acessado em 10 dezembro 2018.

Veiga, Manuel. 1998. “O estudo da modinha brasileira.” Latin American Music Review/Revista de Música Latinoamericana 19 (1): 47–91.

Ventura, Leonardo Carneiro. 2007. “Música dos espaços: paisagem sonora do Nordeste no Movimento Armorial”. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Wisnik, José Miguel. 2007. “Entre o erudito e o popular”. Revista de História 157: 55–72.

Publicado
2018-12-20
Como Citar
RibeiroHugo L. 2018. “Nacionalismo No Metal Brasileiro Parte 1”. Música Em Contexto 12 (1), 124-50. http://periodicos.unb.br/index.php/Musica/article/view/23571.
Seção
Artigos