• Práticas e Políticas Culturais: Paradoxos e diálogos com a tecnologia
    v. 5 n. 1 (2017)

    O dossiê “Práticas e políticas culturais: paradoxos e diálogos com a tecnologia” reúne um conjunto de trabalhos originalmente apresentados no Primeiro Seminário anual dos grupos de pesquisa GEPRACC (Grupo de Estudos de Práticas Culturais Contemporâneas) e do PRACTIC (Grupo de Estudos de Práticas Culturais e Tecnologias de Informação e Comunicação), realizado em setembro de 2015 no Centro de Formação e Pesquisa do SESC-SP.

  • Dossiê Capitalismo Cultural
    v. 4 n. 2 (2016)

    Esse dossiê leva a termo investigações sobreobjetos empíricos muito distintos, semelhantes porque põem emrelevo um novo processo de construção do valor simbólico-materialdos objetos, artefatos, práticas, experiências, gestos, linguagens e códigos. Definitivamente, não é mais possível tratar da construção do valor simbólico apartado ou minimamente distante do valor econômico. A intensa e regular estetização contemporânea da vida, constatada e descortinada por Lipovetsky, os ampliados e infinitosusos da cultura, evidenciados por Yúdice, a competição global pelo licenciamento e controle de toda sorte de conteúdos, analisados por Martel, apenas para citar alguns, assinala que não é mais necessário consumir páginas e páginas para demonstrar o amálgama entre as formas de simbolização e capitalização ou financerização.

  • Dossiê Multimodalidade da Memória: Corpo, Narrativa e Teoria Social
    v. 4 n. 1 (2016)

    Este dossiê tem por objetivo lançar discussões e reflexões acerca do par memória e teoria social tendo por eixo aquilo que Edson Farias, em seu artigo presente neste dossiê, chama de multimodalidade da memória e, assim, o acionamento do debate sobre memória na teoria social em suas fricções com o conhecimento produzido por outras áreas.

  • Dossiê Universal e Particular
    v. 2 n. 1 (2014)

    A existência da pluralidade de valores e grupos na atualidade demonstra que as diversas culturas e grupos de pessoas imbuídos de conjuntos individualizados de hábitos, atitudes, representações coletivas, maneiras de sentir e de fazer específicos, em determinados momentos, desenvolvem práticas e/ou políticas em várias frentes que visam garantir e preservar suas particularidades, em nome da comunidade, classe, sexo, etnia, amparando-se nas culturas, na tradição, engendrando uma sociedade multicultural. Esse momento histórico pode ser interpretado como uma reação ao desencanto na cultura implícito nas exigências críticas da Razão universal e ao modo como se desenvolveram historicamente esses ideais da modernidade. Em um cenário como esse o dossiê “Universal e Particular” visa reunir trabalhos que discutam como essa reorganização da estrutura de temporalidade, voltada para a memória, para o passado, para o retorno às identidades, para a diferença, expressa a necessidade de se pensar o papel da cultura, enquanto elemento e perspectiva de se organizar o poder e o saber nos atuais contextos sócio-históricos plurais submetidos às radicais transformações dos processos técnico-informacionais, e nas possíveis consequências e desdobramentos da centralidade que essa categoria vem adquirindo na sociedade contemporânea.

  • Dossiê Simbólico e Linguagem entre Dilemas e Possibilidades Sócio-Antropológicas
    v. 1 n. 1 (2013)

    Fruto do ciclo de leituras realizados no Programa de Ensino Tutorial do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (PET/SOL/UnB), entre 2009 e 2010, a proposta deste dossiê é levar à condição de objeto de conhecimento/reflexão os efeitos gerados no instante em que o simbólico e a linguagem são identificados enquanto dimensões imanentes à ontogênese e à filogênese do humano,logo, intrínsecas ao social. Parte-se da premissa de que algo assim reivindica atenção tanto para a ontologia do social quanto às redefinições com desdobramentos sensíveis na concepção mesma do modo de cognição próprio às ciências sociais e, é evidente, nos limites e teores da forma mesma do saber/fazer sócio-antropológicos.