Hilda Hilst: o corpo e o corpus na terceira margem

  • Clóvis Carvalho Britto Universidade de Brasília

Resumo

Este artigo esboça alguns trajetos e estratégias mobilizadas pela escritora Hilda Hilst (1930-2004) para a inserção e o reconhecimento no campo literário brasileiro ao longo do século XX. Aproximando sua trajetória e sua expressão artística, observamos táticas que revelam a tensão entre o corpo feminino e o corpus da linguagem, percebendo, assim, como a autora acionou trunfos em busca de espaço e dicção própria muitas vezes pagando um preço alto por tentar a profissionalização em uma arena de poder marcadamente masculina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clóvis Carvalho Britto, Universidade de Brasília

Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília. Professor na Universidade Federal de Sergipe. Membro do Grupo de Pesquisa Cultura, Memória e Desenvolvimento.

Referências

ALMEIDA, Geruza Zelnys. A geometria do pensar na poesia de Hilda Hilst. Terra Roxa e Outras Terras:Revista de Estudos Literários, Londrina, v. 11, 2007.

AMORIM, Bernardo Nascimento de. A recepção da obra de Hilda Hilst: breves apontamentos. In:CINTRA, Elaine Cristina; SOUZA, Enivalda Nunes Freitas e (Orgs.). Roteiro poético de Hilda Hilst. Uberlândia: EDUFU, 2009.

BLUMBERG, Mechthild. Spiritualitat, Leidenschaft und obszone Provokation: zur dialektik zwischen metaphysic und Korperlichkeit in prosa und lyric der brasilianischen autorin Hilda Hilst. Frankfurt: Peter Lang, 2004.

BORGES, Luciana. Narrando a edição: escritores e editores na Trilogia obscena, de Hilda Hilst. Estudos de literatura brasileira contemporânea, Brasília, n.º 34, jul./dez. 2009.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

COELHO, Nelly Novaes. Da poesia. In: DE FRANCESCHI, Antônio Fernando (Org.). Cadernos de literatura brasileira –Hilda Hilst. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1999.

DALCASTAGNÈ, Regina. Representações restritas: a mulher no romance brasileiro contemporâneo. In: DALCASTAGNÈ, Regina; LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos (Orgs.). Deslocamentos de gênero na narrativa brasileira contemporânea. São Paulo: Editora Horizonte, 2010.

DESTRI, Luisa; DINIZ, Cristiano. Um retrato da artista. In: PÉCORA, Alcir (Org.). Por que ler Hilda Hilst? São Paulo: Globo, 2010.

FANINI, Michele Asmar. Fazer da pena um ofício: a profissionalização literária feminina no Brasil da virada do séculoXIX para o XX. Linguagens, Blumenau, v. 2, n.º 3, set/dez, 2008.

GALVÃO, Walnice Nogueira. Mínima mímica: ensaios sobre Guimarães Rosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

HILST, Hilda. Cascos & carícias & outras crônicas. 2. ed. São Paulo: Globo, 2007.

HILST, Hilda. Júbilo, memória, noviciado da paixão. São Paulo: Globo, 2003.

HILST, Hilda. Aobscena senhora D. São Paulo: Globo, 2001.

HILST, Hilda. Das Sombras. In: DE FRANCESCHI, Antônio Fernando (Org.). Cadernos de Literatura Brasileira: Hilda Hilst. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1999.

KASSAB, Álvaro. Pécora revisita transgressão lírica (e obscena) de Hilda e Piva. Jornal da UNICAMP, Campinas-SP, 5 mar. 2007.

MICELI, Sérgio. Arte embargada. In: SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Profissão artista: pintoras e escultoras acadêmicas brasileiras. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

MORAES, Eliane Robert. Da medida estilhaçada. In: DE FRANCESCHI, Antônio Fernando (Org.). Cadernos de literatura brasileira –Hilda Hilst. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1999.

PÉCORA, Alcir (Org.). Por que ler Hilda Hilst. São Paulo: Globo, 2010.

PONTES, Heloísa. Destinos mistos: os críticos do grupo Clima em São Paulo (1940-68). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

RIBEIRO, Léo Gilson. Da ficção. In: DE FRANCESCHI, Antônio Fernando (Org.). Cadernos de literatura brasileira –Hilda Hilst. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1999.

ROSA, João Guimarães. Ficção completa.Rio de Janeiro: Nova Aguillar, 1994.

SILVA, Joelma Rodrigues da. Os risos na espiral: percursos literários hilstianos. Tese (Doutorado em Letras), Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.

TELLES, Lygia Fagundes. Da amizade. In: DE FRANCESCHI, Antônio Fernando (Org.). Cadernos de literatura brasileira –Hilda Hilst. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1999.

TELLES, Lygia Fagundes. A mulher escritora e o feminismo no Brasil. In: SHARPE, Peggy (Org.). Entre resistir e identificar-se: para uma teoria da prática da narrativa brasileira de autoria feminina. Florianópolis: Editora Mulheres; Goiânia: Editora da UFG, 1997.

ZENI, Bruno. Hilda Hilst. Cult, São Paulo, n.º 12, jul. 1998.

Publicado
2014-11-25
Como Citar
Britto, C. (2014). Hilda Hilst: o corpo e o corpus na terceira margem. Arquivos Do CMD, 2(2). https://doi.org/10.26512/cmd.v2i2.7503