Helza Camêu (1903-1995) e Joanídia Sodré (1903-1975): a construção “feminina” de carreiras “masculinas” no universo musical erudito brasileiro

  • Dalila Vasconcellos de Carvalho Université de Montréal
Palavras-chave: : Helza Camêu, Joanídia Sodré, mulheres artistas, gênero, música, corpo.

Resumo

Neste artigo pretendo mostrar como duas musicistas brasileiras: Helza Camêu (1903-1995) e Joanídia Sodré (1903-1975)[1] tornaram-se compositora e maestrina, respectivamente, nos anos 1930, no Rio de Janeiro. Quais configurações sociais viabilizaram o acesso dessas mulheres à composição e à regência, até então, duas atividades restritas aos homens? Embora tenham começado a carreira como pianista nos anos de 1920 no Rio de Janeiro, elas não prosseguiram como concertista, então um espaço de consagração feminina, basta mencionar as duas principais pianistas brasileiras Guiomar Novaes (1894-1979) e Magdalena Tagliaferro (1893-1986) que concomitantemente construíam uma carreira internacional[2]. Joanídia estreou como maestrina em 1930, sendo provavelmente a primeira mulher a realizar o feito de reger uma orquestra sinfônica no Teatro Municipal. Helza, por sua vez, estreou como compositora em 1934, tendo sido talvez uma das poucas, senão a única mulher a ser laureada (1936 e 1943) em concursos de composição da época.

[1] Este artigo se apoia na dissertação de mestrado atualmente publicada em livro (Carvalho, 2012) cuja pesquisa foi realizada nos arquivos pessoais de Helza Camêu e Joanídia Sodré depositados no Rio de Janeiro, respectivamente, na Fundação Biblioteca Nacional, Divisão de Música e Arquivo Sonoro (DIMAS) e na Biblioteca Alberto Nepomuceno, da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro.  Também foram coletados materiais no Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, na sessão de Periódicos da Fundação Biblioteca Nacional e na Academia Brasileira de Música. Outros materiais foram obtidos junto a Dona Julieta Machado e à professora Luciana Dutra.

[2] Ainda hoje, Guiomar e Magda são consideradas entre os maiores intérpretes pianistas do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dalila Vasconcellos de Carvalho, Université de Montréal

Mestre em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (2011). Autora do livro O gênero da música : a construção social da vocação (Alameda/FAPESP, 2012), realiza desde o mestrado pesquisas sobre as conexões de gênero e classe social na construção da "vocação" e das práticas musicais. Atualmente cursa o doutorado em Antropologia na Universidade de Montréal no Canadá.

Referências

ADENOT, Pauline. A questão da vocação na representação social dos músicos. Tradução de Clotilde Lainscek. Revista Proa-Revista de Antropologia e Arte [on-line]. Ano 02, vol. 01, n.02, 2010. Disponível em http://www.ifch.unicamp.br/proa/ArtigosII/paulineadenotPT.html, acesso 19/06/2014.

AZEVEDO, Luis Heitor Corrêa de. 150 anos de música no Brasil (1800-1950).Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

BARONCELLI, Nilcéia. Cleide da Silva. Mulheres compositoras. São Paulo:Roswith Kempf Editores, 1987.

BARONI, Silvio Ricardo. O intérprete-pianista no fim do milênio. Dissertação de Doutorado apresentada ao Departamento de Música da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, 1999.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão Biográfica. In: Razões Práticas: sobre a teoria da ação. São Paulo: Papirus Editora, p. 74-82, 1996.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

CACCIATORE, Olga Gudolle. DicionárioBiográfico de Música Erudita Brasileira. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

CARVALHO, Dalila Vasconcellos de. O gênero da música. A construção social da vocação. São Paulo: Editora Alameda / Fapesp, 2012.

______________________________. Du salonà la scène: l’ascension des femmes et du piano au Brésil du vingtième siecle. In: Numéro 5.(c) Artelogie, nº 5, octobre 2013. Disponível em: http://cral.in2p3.fr/artelogie/spip.php?article290, acessado em 19/06/2014

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e Artefato: O sistema doméstico na perspectiva da cultura material -São Paulo, 1870-1920. São Paulo: Edusp/Fapesp, 2008.

DUTRA, Luciana. Crepúsculo de Outono op.25 n.2 para canto e piano de Helza Camêu: Aspectos analíticos, interpretativos e biografia da compositora. Dissertação de Mestrado apresentada a Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, 2001.

_____________. Vocalise e canções. Encarte do CD: Helza Camêu. Rio de Janeiro: Selo Rádio MEC. 1 disco (62min). AA1700, 2005.

ELEUTÉRIO, Maria de Lourdes. Vidas de romance: as mulheres e o exercício de ler e escrever no entresséculos 1890-1930.Rio de Janeiro: TopBooks, 2005.

ESCAL, Françoise (1999). Approche Globale. Hypothèse Culturaliste. Hypothèse Naturaliste. In: Rousseau-Dujardin, Jacqueline. & Françoise, Escal. Musique et Diférence des Sexes. Paris: L’Harmattan. p.19-110.

GUÉRIOS, Paulo Renato. Heitor Villa-Lobos. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

LEITE, Edson. Magdalena Tagliaferro: testemunha de seu tempo. São Paulo: Annablume, 2001.

LIMA, João de Souza. Moto perpetuo: a visão poética da vida através da música. São Paulo: IBRASA, 1982.

MARCONDES, Marcos Antônio. (Ed.). Enciclopédia da Música Brasileira: popular, erudita e folclórica. São Paulo: Art Editora et Publifolha, 2000.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira de câmara. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2002.

_____________. História da Música no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2005.

NEEDELL, Jeffrey D. Belle Époque Tropical: Sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro navirada do século. São Paulo: Companhia das Letras,1993.

ORSINI, Maria Stella. Guiomar Novaes: uma arrebatadora história de amor. São Paulo: Editora C.I., 1992.

PAOLA, Andrely; BUENO, Helenita. Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro: História e Arquitetura. Rio de Janeiro: UFRJ,1998.

PEREIRA, Avelino Romero. Música, Sociedade e Política: Alberto Nepomuceno e a República Musical.Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007.

PONTES, Heloisa. Burla do gênero: Cacilda Becker, a Mary Stuart de Pirassununga. In: Revista Tempo Social. Revista de sociologia da Usp, vol. 16, n.1, p. 231-261, 2004.

______________. Intérpretes da Metrópole: História social e relações de gênero no teatro e no campo intelectual, 1940-1968.São Paulo: Edusp, 2010.

RAVET, Hyacinthe. Féminin et Masculin en musique. Dynamiques identitaires et rapports de pouvoir. In: Green, Anne-Marie et Ravet, Hyacinthe. L’accès des femmes à l’expression musicale. Apprentissage, création, interprétation: les musiciennes dans la société. Paris: L’Harmattan.p.225-246, 2005.

________________. Devenir clarinettiste: Carrières féminines en milieu masculin. In : Actes de la Recherche en Sciences Sociales, Paris, nº 168, p. 51-67, 2007.

SAID, Edward. (1991). A performance como situação extrema. In: Elaborações Musicais, Rio de Janeiro: Imago, p. 27-71.

SAPIRO, Gisèle. La vocation artistique entre don et don de soi. In : Actes de la Recherche en Sciences Sociales, Paris, nº 168, p. 5-12, 2007.

SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. (2008). Profissão Artista: pintoras e escultoras acadêmicas brasileiras.São Paulo: Edusp

TAGLIAFERRO, Magdalena (1979). Quase Tudo... (Memórias).Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.

TOFFANO, Jaci. As pianistas dos anos 1920 e a geração jet-lag: o paradoxo feminista. Brasília: Editora UNB, 2007.

Publicado
2014-11-25
Como Citar
Carvalho, D. (2014). Helza Camêu (1903-1995) e Joanídia Sodré (1903-1975): a construção “feminina” de carreiras “masculinas” no universo musical erudito brasileiro. Arquivos Do CMD, 2(2). https://doi.org/10.26512/cmd.v2i2.7501