O gênero do cânon: excurso sobre a (in)expressiva participação feminina nos campos artístico e científico na passagem do século XIX para o XX

  • Michele Asmar Fanini Universidade de São Paulo
Palavras-chave: genders asymmetry; cultural and intellectual fields; sociology, assimetria de gêneros; campos artístico e intelectual; sociologia

Resumo

O presente artigo propõe a escansão de certas formulações de época, essencializadas, que creditavam ao gênero a explicação-chave para a acanhada participação feminina em diferentes campos da produção cultural e intelectual. Trata-se, grosso modo, de problematizar, sob o prisma da sociologia, o renitente descompasso, intensificado na passagem do século XIX para o XX, entre, de um lado, a atuação feminina como criadora/autora/produtora de conhecimento e, de outro, seu tratamento como criatura/fonte passiva de inspiração/coadjuvante, de modo a iluminar seus entalhes sociais e condicionantes históricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Asmar Fanini, Universidade de São Paulo

Bacharel em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP-SP), mestre e doutora em Sociologia pela mesma instituição. Entre os anos de 2011 e 2014, desenvolveu sua pesquisa de pós-doutorado no Instituto de Estudos Brasileiros da USP, para a qual contou com a subvenção da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Possui experiência nas áreas de Literatura Brasileira, Sociologia da Cultura e do Gênero, atuando principalmente nos seguintes temas: campo artístico/literário; produção artística/literária e gênero; arquivos pessoais; manuscritos artísticos/literários inéditos; as especificidades do texto teatral; teatro brasileiro oitocentista: dramaturgia de autoria feminina.

Referências

ANDRADE, Ana Lúcia Vieira de e EDELWEISS, Ana Maria de B. Carvalho (Orgs.). A Mulher e o teatro brasileiro do século XX. São Paulo: Aderaldo & Rothschild; Brasília, DF: CAPES, 2008.

BERNARDES, Maria Thereza Caiuby Crescenti. Mulheres de ontem? Rio de Janeiro –século XIX. São Paulo: T. A. Queiroz, 1998.

BESSE, Susan K. Modernizando a desigualdade. Reestruturação da ideologia de gênero no Brasil –1914-1940. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte. Gênese e estrutura do campo literário. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

______. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011 [1998].

BOVENSCHEN, Silvia. ¿Existe una estética feminista? In: ECKER, Gisela (org.). Estética feminista. Tradução de Paloma Villegas e revisão da tradução de Angela Ackermann. Barcelona: Icaria Editorial, 1986.

BREITLING, Gisela. Lenguaje, silencioy discurso del arte: sobre las convenciones del lenguaje y la autoconciencia femenina. In: ECKER, Gisela (org.). Estética feminista. Tradução de Paloma Villegas e revisão da tradução de Angela Ackermann. Barcelona: Icaria Editorial, 1986.

BROCA, Brito. A mulher na literatura brasileira. In: _____. Românticos, pré-românticos, ultra-românticos: vida literária e romantismo brasileiro. São Paulo: Polis/INL/MEC, 1979. (v.1 das Obras reunidas).

CACOUAULT-BITAUD, Marlaine e RAVET, Hyacinthe. Les femmes, les arts et la culture. Frontières artistiques, frontières de genre. Travail, Genre et Sociétés, n. 19, 2008, p. 19-108.

CARVALHO, Dalila Vasconcelos de. Renome, Vocação e Gênero: duas musicistasbrasileiras. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) -Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e artefato. O sistema doméstico na perspectiva da cultura material –São Paulo, 1870-1920. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2008.

CHADWICK, Whitney & COURTIVRON, Isabelle (ed.). Significant others:creativity & intimate partnership. New York: Thames and Hudson, 1993.

CHARLE, Christophe. A gênese da sociedade do espetáculo: teatro em Paris, Berlim, Londres e Viena. Tradução de Hildegard Feist e coordenação de Sergio Miceli. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BOURDIEU, Pierre & CHARTIER, Roger. O sociólogo e o historiador. Tradução: Guilherme João de Freitas Teixeira. Belo Horizonte: Autêntica, 2011 [2010].

CORRÊA, Mariza. Antropólogas & Antropologia. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

DAUPHIN, Cécile. “Delphine Naudier et Brigitte Rollet (dir.), Genre et légitimitéculturelle. Quelle reconnaissance pour les femmes?”.CLIO. Histoire, femmes et sociétés, 29, 2009.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 2001.

ELEUTÉRIO, Maria de Lourdes. Vidas de romance: as mulheres e o exercício de ler e escrever no entresséculos. Rio de Janeiro: TOPBOOKS, 2005.

GOTLIB, Nádia Battella. A literatura feita por mulheres no Brasil. In: BRANDÃO, Izabel; MUZART, Zahidé. Refazendo nós: ensaios sobre mulher e literatura. Florianópolis: Editora Mulheres, 2003.

HAHNER, June. A mulher no Brasil.Trad. Eduardo Alves. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de; ARAÚJO, Lúcia Nascimento. Ensaístas brasileiras. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

HUYSSEN, Andreas. Mass culture as woman: modernism’s other. In: After the great divide. Modernism, Mass Culture, Postmodernism. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 1986.

LENK, Elisabeth. “La mujer, reflejo de sí misma”. In: ECKER, Gisela (org.). Estética feminista. Tradução de Paloma Villegas e revisão da tradução de Angela Ackermann. Barcelona: Icaria Editorial, 1986.

MALUF, Marina; MOTT, Maria Lúcia. Recônditos do mundo feminino. In: HISTÓRIA da vida privada no Brasil –República: da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

MICELI, Sergio. “Arte Embargada”. Prefácio. In: SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Profissão artista: pintoras e escultoras acadêmicas brasileiras. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2008.

MIGUEL-PEREIRA, Lúcia. As mulheres na literatura brasileira. Revista Anhembi. SãoPaulo, dezembro de 1954, Vol. XVII, n. 49.

MÖHRMANN, Renate. Profesión: artista. Sobre las nuevas relaciones entre la mujer y la producción artística. In: ECKER, Gisela (org.). Estética feminista. Tradução de Paloma Villegas e revisão da tradução de Angela Ackermann. Barcelona: Icaria Editorial, 1986.

MUZART, Zahidé L. Artimanhas nas entrelinhas: leitura do paratexto de escritoras do século XIX. Travessia (Mulher e Literatura). Florianópolis: UFSC, n. 21, 1990, p. 64-70.

______. A questão do cânone. Anuário de Literatura, 3, 1995, pp. 85-94.

NEEDELL, Jeffrey. Belle époque tropical –Sociedade, cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. Tradução de Celso Nogueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

NOCHLIN, Linda. Women, Art and Power and Other Essays. Londres: Thames and Hudson, 1989.

OFFEN, Karen. “Gênero: uma invenção americana?”. Tradução de Lerice Garzoni e revisão técnica da tradução de Charles Monteiro. ArtCultura. Revista do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia, vol. 13, n. 23, 2011.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru, SP: EDUSC, 2005.

______. “Escrever uma história das mulheres: relato de uma experiência”. Cadernos Pagu –Dossiê: História das Mulheres no Ocidente (4), 1995, p. 9-24.

PLANTÉ, Christine. “Femmes exceptionnelles: des exceptions pour quelle règle”. Les Cahiers du GRIF (Le genre de l’histoire), 37/38, 1988, p. 91-111.

PONTES, Heloisa. Destinos mistos. Os críticos do grupo Clima em São Paulo (1940-1968). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

______. Intérpretes da metrópole. História social e relações de gênero no teatro e no campo intelectual, 1940-1968. São Paulo: Edusp/FAPESP, 2010.

______. Sociedade em cena. Introdução à edição brasileira. CHARLE, Christophe. A gênese da sociedade do espetáculo: teatro em Paris, Berlim, Londres e Viena. Tradução de Hildegard Feist e coordenação deSergio Miceli. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

PRÉVOST-THOMAS, Cécile e RAVET, Hyacinthe. “Musique et genre en sociologie”, CLIO. Histoire, femmes et sociétés,25, 2007, 175-198.

PUGLIESE, Gabriel.Um sobrevoo no "Caso Marie Curie": um experimento de antropologia, gênero e ciência.Revista de Antropologia. 2007, vol.50, n.1, p. 347-385.

______. Sobre o ‘Caso Marie Curie’-A radioatividade e a subversão do gênero. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) -Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

RIEGER, Eva. ¿“Dolce Semplice”? El papel de las mujeres en la música. In: ECKER, Gisela (org.). Estética feminista. Tradução de Paloma Villegas e revisão da tradução de Angela Ackermann. Barcelona: Icaria Editorial, 1986.

RIOT-SARCEY, Michèlle& VARIKAS, Eleni. "Réflexions sur la notion d’exceptionnalité". Les Cahiers du GRIF (Le genre de l’histoire), 37/38, 1988, p. 77-89.

SADLIER, Darlene. Modernidade e feminino em Eles e Elas de Júlia Lopes de Almeida. Travessia:Cruz e Sousa, S.C., n. 26, p. 233-242, 1993.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1976.

SEVCENKO, Nicolau. “A capital irradiante: técnica, ritmos e ritos do Rio”. In: Nicolau Sevcenko. (org.). História da Vida Privada no Brasil 3. República: da Belle Époque à Era do Rádio. 3 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2006 (1998).

SIMIONI, Ana PaulaCavalcanti. Profissão artista: pintoras e escultoras acadêmicas brasileiras. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2008.

SMITH, Bonnie G. Gênero e História: homens, mulheres e prática histórica. Bauru, SP: EDUSC, 2003.

SOIHET, Rachel. Em avanços sutis, as rupturas. In: Rial, Carmen S.M.; Toneli, Maria J.F. (Org.). Genealogias do silêncio: feminismo e gênero. Florianópolis: Ed. Mulheres. p.159-169. 2004.

SOUTO-MAIOR, Valéria. Índice de dramaturgas brasileiras do século XIX. Florianópolis: Editora Mulheres, 1996.

______. O florete e a máscara. Josefina Álvares de Azevedo, dramaturga do século XIX.Florianópolis: Editora Mulheres, 2001.

______. Maria Ribeiro: teatro quase completo. Florianópolis: Editora Mulheres, 2008.

SOUZA, Maria Cristina de. Atradição obscura: o teatro feminino no Brasil. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) -Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

TELLES, Norma. Encantações: escritoras e imaginação literária no Brasil, século XIX. Coleção Entregêneros, dirigida por Margareth Rago. Apresentação de Edgard de Assis Carvalho. Prefácio de Margareth Rago. São Paulo: Intermeios, 2012.

VERGARA, Moema de Rezende. “A noção de excepcionalidade na história das mulheres: o caso da geração de Flora Tristan”. Cadernos Pagu (13), 1999.

VINCENZO, Elza Cunha de. Um teatro da mulher: dramaturgia feminina no palco brasileiro contemporâneo. São Paulo: Perspectiva: EDUSP, 1992.

WEIGEL, Sigrid. “La mirada bizca: sobre la historia de la escritura de las mujeres”. In: ECKER, Gisela (org.). Estética feminista. Tradução de Paloma Villegas e revisão da tradução de Angela Ackermann. Barcelona: Icaria Editorial, 1986.

Outras fontes

ALMEIDA, Júlia Lopes de. A mulher e a arte. Manuscrito datiloscrito inédito. [s.d.].

PESQUISA FAPESP. “Ciência, palavra (pouco) feminina”. Texto de Maria Guimarães Edição 190 -Dezembro de 2011.

Publicado
2014-11-25
Como Citar
Fanini, M. (2014). O gênero do cânon: excurso sobre a (in)expressiva participação feminina nos campos artístico e científico na passagem do século XIX para o XX. Arquivos Do CMD, 2(2). https://doi.org/10.26512/cmd.v2i2.7498