O autor como personagem de si mesmo na série Minha Luta de Karl Ove Knausgård

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Antonio Brito

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar uma discussão sobre o contexto da recepção da série “Minha Luta”, do escritor norueguês Karl Ove Knausgård, e contribuir com o debate sobre a proliferação recente de romances realistas, que tratam de fatos e situações reais, e o porquê da boa recepção dos leitores a esse tipo de linguagem na contemporaneidade. Pelo caráter memorialista e fragmentado da série de seis livros, o autor tem sido apontado como um representante paradigmático de um tipo de realismo denominado de “autoficção”, no qual abdica-se da pretensão de abarcar uma totalidade, optando por um relato parcial e aparentemente insignificante das próprias vidas, apresentando para os leitores uma descrição minuciosa de fatos, gestos e objetos do cotidiano. A revalorização do realismo refuta hipóteses acerca do esgotamento do gênero romance por este se conformar a relatos cada vez mais descritivos, abdicando de interpretações totalizantes do mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BritoA. (2019). O autor como personagem de si mesmo na série Minha Luta de Karl Ove Knausgård. Arquivos Do CMD, 6(2), 196-213. https://doi.org/10.26512/cmd.v6i2.25210
Seção
Artigos Livres

Referências

ADORNO, Theodor W. Notas de Literatura I. Edição: 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2003.
BAKHTIN, Mikhail. Teoria do Romance I. A Estilística. 1a ed. São Paulo: Editora 34, 2015.
BAKHTIN, Mikhail. Problemas da Poética de Dostoiévski. Edição: 5 ed. São Paulo: Forense Universitária, 2010.
BARTHES, Roland. A Preparação do Romance - Volume 1. Edição: 1a ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2005.
BOURDIEU, Pierre. "Campos de poder, campo intelectual e habitus de classe", In: A Economia da Trocas Simbólicas. Ediçao: 5 a ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.
FOSTER, Hal. O Retorno do Real. Edição: 1a ed. São Paulo: Cosac & Naify, 2014.
KNAUSGÅRD, Karl Ove. A Descoberta da Escrita. Edição: 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.
KNAUSGÅRD, Karl Ove. A Ilha da Infância. Edição: 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
KNAUSGÅRD, Karl Ove. A Morte do Pai. Edição: 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.
KNAUSGÅRD, Karl Ove. Um Outro Amor. Edição: 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
KNAUSGÅRD, Karl Ove. Karl Ove Knausgaard: the shame of writing about myself. Londres: The Guardian, 26 fev, 2016. Disponível em: . Acesso em: 25 ago 2018
KNAUSGÅRD, Karl Ove. Uma Temporada.
KNAUSGÅRD, Karl Ove. Writing my strugle: um exchange. Entrevista Concedida a Maurício Meireles. Nova York: Paris Review, Winter 2014. Entrevista Concedida a James Wood. Disponível em: . Acesso em: 25 ago 2018
LUKÁCS, Georg. A Teoria do Romance. Edição: 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2000.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Leyla Perrone-Moisés fala sobre a resistência da ficção - 12/02/2017 - Ilustríssima. São Paulo: Folha de São Paulo. Entrevista Concedida a Maurício Meireles. Disponível em: . Acesso em: 26 ago 2018.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Mutações da Literatura. Século XXI. Edição: 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.
ROTHMAN, Joshua. Knausgaard or Ferrante? Nova York: The New Yorker, 25 Mar 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 ago 2018.
WILLIAMS, Raymond. Tragédia Moderna. Edição: 1a ed. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.