Encarceramento feminino, tráfico de drogas e maternidade cotidianos subalternos, dentro e fora da prisão

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Raquel Aragão Uchôa Fernandes
Maria Lygia Almeida e Silva Koike
Michelle Cristina Rufino Maciel
Laura Susana Duque-Arrazola

Resumo

A proposta deste estudo é revelar cotidianos subalternos de mulheres que vivenciaram ou vivenciam o encarceramento. Trata-se de pesquisa em andamento no Departamento de Ciências Domésticas da Universidade Federal Rural de Pernambuco em parceria com o Programa de Pós Graduação em Consumo, Cotidiano e Desenvolvimento Social, e diversas instituições com atuação e militância no campo do encarceramento feminino em Pernambuco e no Brasil. A metodologia utilizada foi a de grupo focal e pesquisa ação, considerando a diversidade de organizações que atuam nesta pesquisa em curso desde 2017, e que tem a proposta de constituição de uma Rede de Enfrentamento ao Cárcere Feminino em Pernambuco. Neste artigo serão apresentados dados parciais com o recorte para a relação maternidade e cárcere, com ênfase para os efeitos do encarceramento em massa no cotidiano destas mulheres. Segundo dados do International Centre for Prison Studies há aproximadamente 700.000 mulheres encarceradas no mundo e o Brasil surge como a quinta maior população carcerária feminina do mundo. Tal prerrogativa é confirmada pelos dados apresentados no Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias sobre as Mulheres – Infopen de 2018. É fato que ocorreu um boom do encarceramento feminino no Brasil. Em 2000 haviam aproximadamente 10.112 mulheres presas, no ano de 2014 está população quase que quadruplicou. Das 37.380 mulheres presas e destas 68% estavam presas por envolvimento com o tráfico de drogas. É preciso lembrar que até o ano de 2005 um ano antes da promulgação da Lei de Drogas (n.11.343/06), este percentual não passava de 34%. Mas quem são estas mulheres? Geralmente, são mulheres jovens, negras ou pardas, de periferia, com pouco grau de instrução formal, que trabalhavam em subempregos ou desempregadas, mãe de no mínimo um filho e com algum parente, seja irmão, filho, marido ou companheiro preso, e, que da sua renda depende a manutenção despesas familiares. Em síntese, grande parte destas mulheres correspondem ao que Jessé Souza Chamou de Ralé Brasileira, tiveram (e tem) uma série de direitos fundamentais negligenciados, e, em função desta vulnerabilidade, tornam-se elementos fáceis de serem exploradas pelos grandes traficantes, principalmente na preparação, no armazenamento e na distribuição das drogas para os consumidores finais e estão longe de ser as gerentes das facções e de enriquecerem com esta atividade. Estará o sistema prisional brasileiro apto para atender as demandas das mulheres presas? Que além de mulheres, são mães que privadas da liberdade, são privadas da convivência dos seus filhos. E o impacto emocional que a prisão de uma mãe tem na vida de uma criança? E o efeito financeiro que tem prisão desta mulher, haja vista que o “trabalho” desta mulher é algumas vezes a única fonte de renda da família? Quem fica com estas crianças?. Seja qual for o contexto, a prisão de uma mãe gera um impacto emocional e social incalculável na vida destas crianças. Os resultados desta pesquisa apontam que a reprodução geracional de trajetórias subalternas na história de vida destas mulheres. As trajetórias das mulheres se configuram numa realidade marcada pela negação e violação de direitos fundamentais para garantia de uma vida digna, agravados pelo pertencimento de classe e a questão racional. Os dados secundários da pesquisa também apontam para unidades prisionais em situação de superlotação, sem mínimas condições de acolhimento das mulheres, sobretudo gestantes e lactantes com seus filhos/as. E,  dentre os direitos violados, despertou atenção as precárias condições de assistência médica e saúde nas unidades prisionais.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
FernandesR. A. U., KoikeM. L. A. e S., Rufino MacielM. C., & Duque-ArrazolaL. S. (2019). Encarceramento feminino, tráfico de drogas e maternidade. Arquivos Do CMD, 6(2), 45-65. https://doi.org/10.26512/cmd.v6i2.22445
Seção
Artigos de Dossiês

Referências

BORGES, Ivna. Mães encarceradas: onde estão seus filhos? Um estudo de caso em uma unidade prisional de Recife – PE. Viçosa: UFV, 2003
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988.
_______. Código Penal. Decreto Lei nº 2.848, de 07 de dezembro de 1940.
_______. Código de Processo Penal. Decreto Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941.
_______. LEP – Lei de Execução Penal – Lei 7210/1984.
________.Secretaria Especial de Políticas para Mulheres. III Plano Nacional de Política para as Mulheres. Brasília, 2013.
_______. Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciarias –Infopen. 2014a. Disponível em: https://goo.gl/mCK6n9. Acesso em: 13/03/2018.
_______. Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias –Infopen Mulheres. 2014b. Disponível em: _______. Ministério da Justiça. Levantamento nacional de informações penitenciárias - Infopen mulheres, 2ed. Disponível em: < http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen-mulheres/infopenmulheres_arte_07-03-18.pdf >. Acesso em : 11/07/2018.
CERNEKA, H. A. Homens que mestruam: considerações acerca do sistema prisional às especificidades da mulher. Veredas do Direito: Direito Ambiental e Desenvolvimento, Belo Horizonte, v.6, n. 11, p. 61-78, 2009.
CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, P. A.; SILVA, da R. Metodologia científica -6. Ed.- São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
CHARNOUX, Ofélia Maria Guazzelli. Metodologia: processo de produção, registro e relato de conhecimento. 3ª Ed. São Paulo: DVS, 2006.
COLARES, L. B. C.; CHIES, L. A. B. Mulheres nas so(m)bras: invisibilidade, reciclagem e dominação viril em presídios masculinamente mistos. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 407-423, 2010.
DOTTI, René Ariel. A crise do sistema penitenciário. Artigos de Direito, 2003. Disponivel em: HTTP://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/12441-12442-1-PB.pdf. Acessado em: 25/03/2018.
FAERMAM, Lindomar, Pesquisa Participante no âmbito das Ciencias Sociais. Revista de Ciências Humanas, UNITAU, vol. 17. N 1, pp 41- 56, Jan/Jun 2014. Disponível: https://www.rchunitau.com.br/index.php/rch/article/viewFile/121/69. Acesso 01 de novembro 2018
FERREIRA, Simone de Figueiredo. A diferenciação entre adolescente que cumpre medida socioeducativa e a mulher que cumpre pena no sistema penitenciário. In: Mecanismo estadual de prevenção e combate à tortura: relatório temático: um olhar sobre o encarceramento feminino. Recife: CEPE, 2017.
FARIAS, Emili Caroline Cota de Jesus. Maternidade no cárcere. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 23, n. 5636, 8 mar. 2018. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/62457. Acesso em: 19/03/2018.
GODOI, Rafael. Ao redor e através da prisão: cartografias do depositivo carcerário contemporâneo. Dissertação apresentada ao Program de Pós-Graduação de Sociologia da Universidade Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo – USP. São Paulo, 2010. Disponível em:Http//:www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/.../2010_RafaelGodoi.pdf. Acesso em: 13/03/2018
GRECO, Rogério. Direitos Humanos, sistema prisional e alternativas à privação de liberdade. São Paulo: Saraiva, 2011.
KOIKE, Maria Lygia. Maternidade e Gravidez no sistema prisional de Pernambuco. In: In: Mecanismo estadual de prevenção e combate à tortura: relatório temático: um olhar sobre o encarceramento feminino. Recife: CEPE, 2017.
MELLO, Daniela Canazaro de. A prisão feminina: gravidez e maternidade, um estudo da realidade em Porto Alegre – RS/Brasil e Lisboa/Portugal. Tese de Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais, Faculdade de Direito, Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2014.
MONTEIRO, Marília. A saúde da mulher privada de liberdade. In: Mecanismo estadual de prevenção e combate à tortura: relatório temático: um olhar sobre o encarceramento feminino. Recife: CEPE, 2017.
MECANISMO Estadual de Prevenção e Combate à Tortura de Pernambuco – MEPCT/PE. Relatório Temático 2016: Um olhar sobre o encarceramento feminino. Recife, 2016. CEPE. Companhia Editorial de Pernambuco.
MOURA, Danieli Veleda. A crise do Sistema Carcerário Brasileiro e sua conseqüência na ressocialização do apenado. JV Jus Vigilantibus, S/D. Disponível em: HTTP://jusvi.com/artigos/40365. Acessado em: 11/10/2017
OLIVEIRA, Érika Patrícia Teixeira de. MULHERES EM CONFLITO COM A LEI: representações sociais, identidades de gênero e letramento. Disponível em: http://www.ple.uem.br/defesas/pdf/eptoliveira.pdf. Acesso em: 13/03/2018.
PAZ, Carlos Eduardo Barbosa ...et al... Habeas Corpus(143.641): Todas as mulheres submetidas à prisão cautelar no sistema penitenciário nacional, que ostentem a condição de gestantes, de puérperas ou de mães com crianças até 12 anos de idade sob sua responsabilidade, e das próprias crianças.Defensoria pública da união, Brásilia, 2017. Disponivel em: www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?numero=143641&classe=HC&origem=AP&recurso=0&tipoJulgamentocias.Acessasdo em: 19/03/2018
POSADA, Rafael Andrés Urrego. Mulher, raça e encarceramento massivo no Brasil. In: Sistema Prisional: teoria e pesquisa. Org: Fernando Fidalgo e Nara Fidalgo. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2017.
RIBEIRO DE OLIVEIRA, Luciana Maria. 2014. Crime é coisa de mulher: identidades de gênero e identificações com a prática de crimes em posição de liderança entre mulheres jovens. Recife: Novas Edições Acadêmicas. 258 pp.
SANTA CRUZ, Mariana; KOIKE, Maria Lygia; NEGROMONTE, Pércio; FIGUEIREDO, Simone. Das visitas ao sistema prisional. In: Relatório anual do mecanismo estadual de prevenção e combate à tortura de Pernambuco. Recife: CEPE, 2017.
SENA Maria Clara de, et al. Relatório Temático 2016: um olhar sobre o encarceramento feminino, Equipe MEPCT/PE, Recife, 2017
SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.