Da artificação do desfile das escolas de samba à sala de aula como barracão do fazer histórias e saberes da arte do carnaval

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Andre Luiz Porfiro

Resumo

O artigo pretende apresentar a Arte do Carnaval nas suas formas e feitos realizados no desfile das escolas de samba. Daí, engendraremos uma prática experimental em aulas do componente curricular Arte. Partimos da hipótese de que há saberes nos barracões de alegorias e fantasias e nos barracões de ala, locais de invenção, desenvolvimento e construção dos sonhos carnavalescos. Na tessitura da circulação dos saberes está outro espaço da investigação: a sala de aula. Iremos relatar algumas experiências realizadas com a arte do carnaval na sala de aula com alunos e alunas do Ensino Médio. A diversidade de materiais utilizados, as invenções, as releituras e ressignificações que acontecem nos barracões das escolas de samba convergem, na pesquisa, com os fazeres contemporâneos do ensino da arte na educação básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
PorfiroA. L. (2019). Da artificação do desfile das escolas de samba à sala de aula como barracão do fazer. Arquivos Do CMD, 5(2). https://doi.org/10.26512/cmd.v5i2.22014
Seção
Artigos de Dossiês

Referências

BARBOSA, Ana Mae. John Dewey e o ensino de arte no Brasil. São Paulo, Cortez,

BARROS, Paulo. Sem Segredo – Estratégia, Inovação e Criatividade. Rio de Janeiro,

Casa da Palavra, 2013.

BLASS, Leila Maria da Silva. Desfile na avenida, trabalho na escola de samba: a dupla

face do carnaval. São Paulo, Annablume, 2007.

BRANQUINHO, F. T. B.; SIRENA, M. L.; MACHADO, L.; CASTRO, R. C.

Etnografia de objetos e a (des)hierarquização dos saberes: um caminho para a prática

docente. Brasília, Revista Dialogos: construção conceitual de extensão e outras

reflexões significativas, v.14, n.1, dez, 2010.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Carnaval Carioca: Dos bastidores ao

desfile, Rio de Janeiro, Ed. UFRJ, 4ª. Ed., 2008.

COSTA, Haroldo. 100 Anos de Carnaval no Rio de Janeiro, São Paulo, Irmãos Vitale,

DEWEY, John. Arte como Experiência. São Paulo, Martins Fontes, 2010.

FARIAS, Edson. Paulo da Portela, um herói civilizador. Salvador, CADERNO CRH,

Salvador, n. 30/31, jan./dez. 1999

__________________. O Desfile e a Cidade – o carnaval espetáculo carioca. Rio de

Janeiro, E-Papers, 2006.

__________________. Espaço e lembranças na economia simbólica urbana: o “retorno”

da áfrica carioca. In: TOMO, Revista do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em

Ciências Sociais/Universidade Federal de Sergipe, nº 16, São Cristóvão, NPPCS/UFS,

__________________. Ócio e Negócio: Festas Populares e Entretenimento – Turismo

no Brasil. Curitiba, Appris, 2011.

__________________. Personalidade artística nos negócios mundanos: a celebração do

“gosto do povo” em Joãosinho Trinta. In: Revista Sociedade e Estado, Brasília, V.

03 - Setembro/Dezembro 2012.

Enredo da Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel para o carnaval de 1994.

__________________. O Saber Carnavalesco: Criação, Ilusão e Tradição no Carnaval

Carioca, In: Sociologia &Antropologia, Rio de Janeiro, V. 5.01, abril 2015.

FRANCESCHI, Humberto M. Samba de sambar no Estácio – de 1928 a 1931. São

Paulo, IMS, 2010.

GUIMARÃES, Helenise. Carnavalesco: o artista que faz escola. Escola de Belas

Artes/Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 1992. Dissertação de mestrado.

LOPES, Nei e SIMAS, Luiz Antonio. Dicionário da História Social do Samba. Rio de

Janeiro, Civilização Brasileira, 2015.

MARTÍN-BARBERO, Jesus. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e

hegemonia. Rio de Janeiro, Ed. UFRJ, 2009.

PORFIRO, André Luiz. Inter-relações entre Teatro e Educação: Jogos Dramáticos na

Formação do Homem. Rio de Janeiro, UNIRIO, 2004. Dissertação de Mestrado.

RYNGAERT, Jean-Pierre. O Jogo Dramático no Meio Escolar. Coimbra, Centelha,

__________________. Jogar, representar. São Paulo, Cosac Naify, 2009.

SHAPIRO, Roberta. Que é artificação? Brasília, Sociedade e Estado, v. 22, n. 1,

jan./abr. 2007.

SHAPIRO, Roberta e HEINICH, Nathalie. Quando há artificação? Brasília, Revista

Sociedade e Estado – V. 28 n. 1 - Janeiro/Abril 2013

SENNETT, Richard. O Artífice. Rio de Janeiro, Record, 2009.

__________________. Juntos: Os rituais, os prazeres e a política da cooperação. Rio de

Janeiro, Record, 2013.

SHUSTERMAN, Richard. Vivendo a arte – O pensamento pragmatista e a estética

popular. São Paulo, Ed. 34, 1998.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##